Bank of America, Citigroup , Goldman, JPMorgan Chase e Morgan Stanley experimentarão coletivamente uma queda de 21% na receita de negociação de ações em relação ao trimestre anterior
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Opinion — Os estrategistas do Morgan Stanley liderados por Michael Wilson alertaram nesta segunda-feira (20) que uma queda de 20% no índice S&P 500 era um risco crescente. Há duas semanas, analistas do Goldman Sachs disseram que os investidores não deveriam presumir que a baixa volatilidade duraria.

O que não foi dito: esses dois bancos norte-americanos deverão se beneficiar mais do que quaisquer outros, caso essas previsões se concretizem.

PUBLICIDADE

As maiores instituições de Wall Street estão nos últimos dias de um trimestre que muitos esperam que mostre um declínio acentuado na receita comercial em relação aos três meses até junho. A Bloomberg Intelligence estima que o Bank of America, Citigroup , Goldman, JPMorgan Chase e Morgan Stanley experimentarão coletivamente uma queda de 21% na receita de negociação de ações em relação ao trimestre anterior, enquanto o dinheiro é proveniente de renda fixa, moedas e as commodities cairão 7% no trimestre e 18% em relação ao ano anterior.

Esta é uma realidade particularmente dolorosa para o Goldman e Morgan Stanley, onde as negociações representaram 47% e 39% da receita geral em 2020, respectivamente. Ambos os bancos têm como objetivo reduzir sua dependência das oscilações do mercado para gerar lucros - o Morgan Stanley adquiriu a Eaton Vance para reforçar seus negócios de gestão de ativos, enquanto o Goldman disse este mês que compraria a GreenSky para adicionar um “compre agora, pague depois” - um programa posterior para sua plataforma de banco Marcus. Ainda assim, esses esforços não mudam a realidade de curto prazo de que a negociação de ações e títulos impulsiona o desempenho desses dois bancos de investimento.

PUBLICIDADE

Os traders tiveram vários motivos para estarem ocupados nesta segunda-feira (20). O S&P 500 caiu 1,6% na abertura e estava a caminho da maior queda desde maio, próximo do fechamento. O Índice VIX disparou para cerca de 25, indicando a maior volatilidade em mais de quatro meses. A Bloomberg News informou que pelo menos oito empresas que estavam considerando tomar empréstimos por meio do mercado de dívida com grau de investimento dos EUA provavelmente recuariam, devido ao movimento repentino de aumento no custo para segurar contra inadimplência de títulos.

Claro, a razão para as oscilações repentinas de preços é clara e compreensível. A perspectiva de que a crise na endividada incorporadora China Evergrande não seja mais contida deixa a imaginação correr solta sobre os possíveis riscos de contágio na segunda maior economia do mundo e em todo o globo. Combine isso com a sensação de que os investidores estão excessivamente expostos às ações americanas - como evidenciado pelos US$ 46 bilhões que fluíram para os fundos de ações dos EUA na semana até 15 de setembro, o máximo desde março - e que o Federal Reserve não pode fazer muito para resolver esse problema diretamente, e é fácil ver por que os avisos de uma correção iminente começam a ressoar. Especialmente depois que o S&P 500 passou por 219 pregões sem fechar abaixo de sua média móvel de 50 dias duas vezes consecutivas, a mais longa sequência desse tipo desde 1996. É difícil afastar a sensação de que algo teve que ceder.

PUBLICIDADE

Veja mais: Evergrande testa determinação de Xi em frear setor imobiliário

Ninguém pode saber com certeza o que acontecerá com Evergrande, especialmente depois que a China mostrou desinteresse em sustentar os mercados financeiros nos últimos meses, com repressões em tudo, desde grandes empresas de tecnologia a empresas de tutoria com fins lucrativos.

PUBLICIDADE

Mas meu colega da Bloomberg Opinion, Shuli Ren, postula que as preocupações com o contágio financeiro são equivocadas, visto que a China desejará garantir a estabilidade de seu setor bancário por meio de um desenrolar lento e gradual de Evergrande. Isso certamente parece plausível, embora menos atraente do que as previsões de desgraça e melancolia ou comparações à implosão do Gerenciamento de Capital de Longo Prazo.

Enquanto investidores do mercado imobiliário correm para ter uma ideia do que está acontecendo na China, Wall Street ficará feliz em ajudá-los a entrar e sair de posições para se preparar para qualquer eventual conflito. Caso os temores de contágio continuem a dominar os mercados globais - e especialmente se eles se provarem infundados - estes dias finais do terceiro trimestre provavelmente serão uma bênção para os resultados financeiros dos bancos.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Brian Chappatta é colunista da Bloomberg Opinion que cobre os mercados de dívida. Anteriormente, ele cobriu títulos para a Bloomberg News. Ele também é um CFA charterholder.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

EUA retiram restrições para viagem de brasileiro vacinado

Integrante da delegação brasileira na ONU testa positivo para Covid