Brasil

Ministro espera solução nos precatórios para garantir Auxílio Brasil

João Roma acredita na resolução para garantir recursos necessários para o novo programa social. Não aprovação da PEC que prorroga o pagamento das dívidas da União poderia reduzir os recursos

Governo espera por solução para pagamento dos precatórios para garantir crescimento dos programas sociais
20 de Setembro, 2021 | 07:09 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — O ministro da Cidadania, João Roma, disse hoje que espera por uma solução rápida para a questão do pagamento dos precatórios para garantir os recursos necessários para o Auxílio Brasil, o novo programa social que deve substituir o Bolsa Família. Segundo ele, quando o programa foi desenhado, a notícia de uma dívida de R$ 89 bilhões ainda não tinha vindo à nota, e estava dentro da estrutura orçamentária do governo e dentro do teto de gastos.

“É muito importante que se encontre uma solução para os precatórios não apenas para o ano de 2022, mas para que o Estado brasileiro esteja com suas finanças estruturadas, cada vez mais consolidadas no quesito de responsabilidade fiscal. A questão de 2022 pode resvalar nos anos seguintes”, disse Roma, em conversa com jornalistas durante a convenção anual da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em Campinas (SP).

Veja mais: Pacheco e Lira discutem saída para PEC do precatórios

Segundo o ministro, definir uma normativa em relação aos precatórios é fundamental não apenas para o orçamento de 2022, mas para os anos que estão por vir. Em sua opinião, criar agora um regramento mais adequado e mais transparente pode garantir maior previsibilidade.

PUBLICIDADE

O novo programa social do governo federal tem um orçamento previsto de R$ 53 bilhões para 2022. O valor é R$ 18 bilhões maior que os R$ 35 bilhões destinados ao Bolsa Família. O governo não definiu ainda as fontes orçamentárias para cobrir esse adicional. Uma das possibilidades são as sobras da verba para o Bolsa Família neste ano. Por causa do auxílio emergencial, executado com créditos extraordinários fora do teto de gastos, os recursos originalmente destinados ao programa estão parados no orçamento de 2021. A outra fonte seria a proposta de emenda à Constituição (PEC) que busca parcelar em 10 anos o pagamento dos precatórios.

Caso a PEC não seja aprovada, não está descartada a possibilidade de o orçamento do Auxílio Brasil ser reduzido para o ano que vem.

Leia também

Pânico com Evergrande chega bem a tempo para grandes bancos

PUBLICIDADE

Desmatamento na Amazônia em agosto atinge maior índice em 10 anos

Bill Gates capta US$ 1 bi para projetos verdes com ajuda de CEOs

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.