the World Trade Center from the Staten Island Ferry, 1992.
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — Desde 11 de setembro de 2001, o objetivo primordial da política de contraterrorismo dos Estados Unidos tem sido impedir que o país seja atacado novamente. Segundo esse parâmetro, os EUA foram bem. A busca militar global pela Al-Qaeda dizimou a liderança do grupo e corroeu sua capacidade de realizar ataques em massa. Os ganhos em segurança interna e coleta de inteligência interromperam muitos planos em potencial. Nos últimos 20 anos, cerca de 100 norte-americanos foram mortos em ataques jihadistas de qualquer tipo cometidos em solo americano. Esse é o número de pessoas que morrem por armas todos os dias.

Mesmo reconhecendo essa conquista, é importante entender duas coisas. Em primeiro lugar, o país continua em risco de ataques futuros. Em segundo lugar, a estratégia dos últimos 20 anos precisa necessariamente mudar.

A resposta dos EUA aos ataques de 11 de setembro foi guiada pela convicção de que os terroristas deveriam ser combatidos no exterior e, quando possível, como oponentes militares convencionais. Esse pensamento foi parcialmente mal interpretado, principalmente porque subestimou o perigo de alimentar, em vez de suprimir, o ódio que impulsiona os movimentos terroristas. A conquista também teve um custo excessivo – mais gravemente, as vidas de cerca de oito mil soldados da OTAN e dos EUA mortos nas guerras no Iraque e no Afeganistão. Os gastos militares e de contraterrorismo dos EUA desde 2001 ultrapassam US$ 5 trilhões em dólares constantes. No auge da guerra contra o terror, o contraterrorismo consumiu mais de 20% de todos os gastos discricionários dos EUA. A retirada das tropas americanas do Afeganistão reflete o esgotamento público com esses compromissos.

Quer os estrategistas do governo gostem ou não, essa experiência levou os EUA a uma nova abordagem – que depende menos de guerras no exterior e mais de ferramentas diplomáticas, econômicas e tecnológicas para limitar a ameaça terrorista. O desafio para os próximos 20 anos é moldar essa estratégia mais sutil e complexa para que seja eficiente ao máximo.

Veja mais: A carnificina que se aproxima entre o Taliban e seus rivais jihadistas: Ruth Pollard

PUBLICIDADE

A tarefa mais importante é entender o inimigo. Desde o 11 de setembro, o número de grupos jihadistas designados como organizações terroristas estrangeiras pelo Departamento de Estado quadruplicou. Apesar do progresso feito pelos militares dos EUA e seus parceiros de coalizão no desmonte da Al-Qaeda e do Estado Islâmico, milhares de combatentes terroristas continuam operando na Síria, no Iraque e no Afeganistão. Os jihadistas ganharam pontos de apoio em partes do sudeste asiático e estão se espalhando pela África, onde os insurgentes ameaçam a estabilidade de países como Somália, Nigéria, Mali e Moçambique.

Os grupos jihadistas estrangeiros de hoje compartilham da disposição de Osama bin Laden de matar inocentes em nome de sua ideologia. Uma cooperação mais colaborativa entre as agências policiais e de inteligência, a vigilância agressiva das comunicações dos militantes e o monitoramento mais rígido de suas finanças ajudaram a restringir seu alcance. Esses esforços devem ser mantidos e aprimorados.

Apesar da rejeição do público às “guerras eternas”, os EUA precisarão manter a pressão militar sobre as redes radicais. O maior desafio está no Afeganistão, onde o retorno do Taliban ao poder pode mais uma vez tornar o país um paraíso para extremistas violentos. Sem tropas e pessoal diplomático no país, os EUA devem aumentar os investimentos em satélites e reconhecimento para melhorar a precisão dos ataques de drones. O país deve buscar acordos de compartilhamento de inteligência com os vizinhos do Afeganistão. E as agências de contraterrorismo ocidentais deveriam explorar a possibilidade de cooperação limitada com o novo regime afegão para atingir o Estado Islâmico Khorasan, grupo rival do Taliban e da Al-Qaeda.

Além do Afeganistão, os militares devem manter a presença nas dezenas de países nos quais pequenas unidades de contraterrorismo atualmente trabalham ao lado de forças locais, apoiadas por aviões de guerra e drones dos EUA. Essas operações de “presença média” são essenciais para reunir inteligência sobre a Al-Qaeda e o Estado Islâmico, custam muito menos do que as contrainsurgências travadas no Iraque e no Afeganistão e apresentam o benefício adicional de ajudar os EUA a estabelecer laços com potências militares regionais, cuja cooperação será crucial para conter as ambições crescentes da China.

PUBLICIDADE

Veja mais: China mira US$ 1 tri em depósitos minerais no Afeganistão

Ao mesmo tempo, os EUA precisam reequilibrar seus investimentos em contraterrorismo. Isso significa gastar de forma mais inteligente, não em menor quantidade. Atualizar a tecnologia governamental para ajudar as agências de inteligência a processar dados e rastrear ameaças emergentes. Ajudar os governos locais em todo o mundo a fortalecer as respostas da polícia e aumentar a resiliência contra ataques. Em países onde os EUA e seus aliados possuem influência limitada, auxiliar a sociedade civil e as organizações humanitárias que trabalham para aliviar as condições que levam à radicalização. Trabalhar com o setor privado para combater mensagens terroristas nas mídias sociais e fortalecer a infraestrutura crítica contra ataques cibernéticos. E ampliar o escopo de forma a incluir não apenas equipes de terroristas bem treinados, mas também assassinos que se radicalizaram on-line. O tiroteio em massa na boate Pulse em Orlando em 2016 foi de longe o ataque jihadista mais mortal nos EUA desde 2001.

Acima de tudo, os órgãos reguladores e o público devem ser realistas. Uma estratégia que pretende impedir todos os ataques está fadada ao fracasso e inevitavelmente produzirá uma reação exagerada quando isso acontecer. Nos últimos 20 anos, o espectro do terrorismo consumiu vorazmente os recursos e a atenção do governo e custou muitas vidas de norte-americanos. Os riscos de ataques são reais e urgentes. Eles não podem ser eliminados, mas nos próximos 20 anos, podem e devem ser melhor administrados.

Os editoriais são escritos pela diretoria editorial da Bloomberg Opinion.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

No final, o exército afegão sempre foi condenado: James Stavridis

Fator medo pode determinar impacto de delta na economia dos EUA

Equipe de Biden avalia investigação sobre subsídios chineses