Saúde

Com hospitais lotados, Suíça pressiona quem ainda não se vacinou contra Covid

Residentes de um dos países mais ricos do mundo terão que mostrar um comprovante para entrar em restaurantes, cinemas e academias de ginástica

Dezenas de pessoas se reuniram em frente ao parlamento em Berna na semana passada para protestar contra a decisão do governo suíço em pressionar pela vacinação
Por Catherine Bosley
13 de Setembro, 2021 | 07:42 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A Suíça, que se destacou entre os vizinhos europeus por sua abordagem geralmente mais laissez-faire (expressão francesa que remete a “deixar passar”) à pandemia, está se juntando aos países que agora aumentam a pressão sobre os não vacinados.

Com hospitais lotados e imunizações atrasadas em relação ao resto da Europa Ocidental, o governo está fazendo o que um de seus membros chamou de “bizarro” há algumas semanas e passou a exigir certificados de vacinas para atividades públicas.

A partir desta segunda-feira (13), residentes de um dos países mais ricos do mundo terão que mostrar um comprovante para entrar em restaurantes, cinemas e academias de ginástica. Eles devem atestar que foram vacinados, testados ou que se recuperaram do vírus.

O vaccine tracker da Bloomberg mostra que 53% da população suíça está totalmente vacinada, em comparação com 71% na França e 62% na Alemanha. Enquanto isso, os casos aumentaram. A zona rural de Appenzell Innerrhoden, que teve a aceitação mais lenta do país, está agora entre os 10 principais pontos de contágio da Europa, mostram dados da Organização Mundial de Saúde.

PUBLICIDADE

Veja mais: Variantes da África poderiam agravar pandemia, dizem cientistas

Dezenas de pessoas se reuniram em frente ao parlamento em Berna na semana passada para protestar contra a decisão do governo suíço em pressionar pela vacinação. Mas o plano parece estar funcionando. A ruptura com a fala do governo de que a vacinação é uma decisão inteiramente pessoal aumentou a demanda por vacinas.

As autoridades em Appenzell Innerrhoden estão recebendo inúmeros pedidos de pessoas que desejam receber vacinas e esperam dobrar o número de vacinas aplicadas a cada semana, disse Monika Ruegg Bless, que dirige o departamento de saúde local. “O aumento do uso de certificados de vacinas está definitivamente sendo sentido”, disse ela.

A demanda em Zurique também aumentou. E a partir desta semana, um de seus bondes percorrerá as ruas para levar vacinas ao público.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

EUA reduzem restrição de viagens ao Brasil

Commodities retomam rali e pressionam bancos centrais

Ilan Goldfajn assume departamento do FMI para Américas em janeiro

PUBLICIDADE