PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Como o furacão Ida comprometeu tanto o abastecimento de petróleo nos EUA

Tempestade no final de agosto ainda traz efeitos em cascata para as refinarias e produtoras da commodity na Louisiana

Lo que los inteligentes se equivocan sobre los extremos del cambio climático
Por Sergio Chapa e David Wethe
11 de Setembro, 2021 | 08:57 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — O furacão Ida desencadeou ventos e ondas tão furiosos que, quase duas semanas depois, os perfuradores de petróleo, fornecedores de energia e refinadores ainda estão recolhendo os cacos. E isso não será resolvido tão cedo.

Os danos às plataformas offshore, oleodutos e até mesmo heliportos foram tão graves que dois em cada três barris de petróleo normalmente bombeados do setor americano do Golfo do México estão indisponíveis. Os efeitos em cascata ainda estão acontecendo à medida que refinadores e corretores vasculham o globo em busca de substituições e o maior produtor de petróleo do Golfo, Royal Dutch Shell Plc, diz a alguns clientes que não pode honrar os compromissos de fornecimento.

PUBLICIDADE

Levará semanas - talvez mais - antes que as condições normais possam ser restauradas na costa da Louisiana e no labirinto de usinas químicas e de processamento de petróleo que ocupa um corredor de 160 quilômetros de New Orleans a Baton Rouge.

“O que é diferente é que dura mais tempo”, disse Bert Winders, 63, gerente de saúde e segurança da Baker Huges Inc., referindo-se à diferença entre os estragos do Ida em comparação com os ciclones anteriores. “É pedir muito das pessoas. Eles podem lidar com três a cinco dias. Mas quando você começa a falar duas, três, até quatro semanas, isso é muito difícil para uma família. "

Os esforços de recuperação estão sendo observados de perto em todo o mundo, em grande parte por causa da escala e duração sem precedentes das interrupções de petróleo. Poucos dias após o furacão, os comerciantes estavam aproveitando as oportunidades de arbitragem criadas pelo desaparecimento de alguns tipos de petróleo do Golfo dos EUA, como a mistura Mars. O petróleo bruto dos Montes Urais da Rússia, por exemplo, é uma alternativa popular porque compartilha características semelhantes.

PUBLICIDADE

As consequências prolongadas de Ida oferecem um vislumbre do que pode estar reservado à medida que as mudanças climáticas alimentam tempestades cada vez mais furiosas ao longo de regiões costeiras baixas, pontilhadas com indústria pesada e instalações vitais de produção de combustível.

Normalmente, quando tempestades tropicais e furacões ameaçam a região produtora de petróleo do Golfo, os perfuradores fecham as escotilhas, fecham os poços submarinos que canalizam o petróleo para as plataformas e evacuam as equipes. Quando o céu fica limpo, muitas vezes eles podem montar as equipes de inspeção em questão de horas ou dias e retomar a produção logo em seguida.

Quando a Louisiana foi atingida pelo furacão Laura no ano passado, a produção de petróleo offshore se recuperou rapidamente. Só que, depois do Ida, isso não era remotamente possível.

Ataque direto

O golpe direto da tempestade monstruosa em Port Fourchon algumas horas antes do pôr do sol em 29 de agosto desativou completamente o ponto de partida principal para helicópteros e navios que atendem centenas de plataformas e sondas offshore.

Até mesmo a estrada solitária que conecta Port Fourchon ao resto do estado - Louisiana Highway 1 - foi desativada pela enorme parede de água do mar do Ida e as toneladas de areia que ele varreu à frente.

“Quando o Porto de Fourchon está fora de serviço, ele quebra um elo da cadeia”, disse Winders, natural da Louisiana que trabalha na indústria do petróleo há quatro décadas.

PUBLICIDADE

Na escuridão

No auge do desastre, mais de um milhão de casas e empresas foram lançadas na escuridão enquanto os ventos de 150 milhas por hora (240 km/h) destruíam a maior parte da infraestrutura de transmissão no sudeste da Louisiana.

Mas no final da sexta-feira, ainda havia quase 200.000 casas sem energia ou ar condicionado - uma ilustração reveladora da extensão da destruição. Quanto ao Porto Fourchon, não se espera que a área recupere totalmente a eletricidade até o final deste mês, de acordo com a empresa de serviços públicos Entergy Corp.

Em alto mar, a perfuração voltou a apenas 29% dos níveis anteriores a Ida. Havia quatro sondas operando no setor americano do Golfo na sexta-feira, bem abaixo das 14 que navegavam nas águas antes da tempestade, de acordo com dados da Baker Hughes, que acompanha a atividade de perfuração desde 1944.

PUBLICIDADE

Refinarias

A Shell está se preparando para reabrir muitos dos oleodutos do Golfo que transportam petróleo para a costa na próxima semana, de acordo com uma pessoa familiarizada com as operações, um passo importante para potencialmente restaurar a produção de petróleo offshore. Ainda assim, um conduíte crucial para o óleo da Mars e outras qualidades permanecerá fechado à medida que as avaliações de danos continuam, disse a pessoa. A empresa não quis comentar.

Mais para o interior, os efeitos paralisantes do ciclone ainda estão sendo avaliados. Uma refinaria na área de Nova Orleans de propriedade da Phillips 66 sofreu tantos danos e inundações que a empresa pode nem mesmo reiniciá-la, dependendo de quão caro custará para consertar.

O complexo químico e de refino Norco da Shell, ao norte de Nova Orleans, pode permanecer fechado por várias semanas devido a extensos danos.

Enquanto isso, a Marathon Petroleum Corp. conseguiu retomar a produção de combustível em sua enorme instalação de Garyville na sexta-feira, embora cinco outras refinarias da Louisiana com capacidade diária combinada para processar um milhão de barris permaneçam fechadas.

PUBLICIDADE

--Com assistência de Barbara Powell e Sheela Tobben

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Conheça a família bilionária acusada de fazer parte da crise de opióides dos EUA

PUBLICIDADE

Vinte anos após o 11 de setembro, EUA precisam de nova estratégia contra ataques

Justiça manda Apple permitir pagamentos de terceiros na App Store em ação movida pela dona do Fortnite

PUBLICIDADE