promo
Tech

Setor público precisa acelerar digitalização de serviços nos pós-pandemia, diz estudo

57% dos entrevistados pela EY acreditam que a tecnologia mudará, para melhor, a forma como utiliza serviços prestados pelo Estado

Mujer en tienda médica en la India
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A pandemia levou o trabalho dos escritórios para o home office, colocou reuniões presenciais nos aplicativos de videoconferência e trouxe um impulso sem precedentes para o comércio eletrônico e a telemedicina. Mas a digitalização de serviços públicos e a inclusão digital, particularmente das classes mais baixas, ainda deixam a desejar e não só no Brasil.

Um estudo divulgado pela Agência EY, feito com 12,1 mil pessoas em 12 países, mostra que 57% dos entrevistados acreditam que a tecnologia mudará, para melhor, a forma como utiliza serviços prestados pelo Estado. Várias outras atividades têm percentuais superiores, o que demostra o nível de satisfação com a digitalização. Para o consumo de serviços bancários, por exemplo, o percentual chega a 70%; para compras, 67%; para saúde, 64%; para entretenimento, 62%, entre outros.

Na avaliação da EY, o estudo mostra que a maior parte dos entrevistados prevê grande uso da tecnologia em suas vidas e espera que isso traga benefícios em um ou mais aspectos de sua vida no pós-pandemia. Um deles é a prestação de serviços públicos, em que a população vai exigir do poder público uma maior presença dos serviços e ações oferecidos nos meios digitais.

Quando questionados sobre o quão “eficazes” os governos têm sido no uso da tecnologia digital na prestação de serviços durante a pandemia, as respostas variam de país para país. Na Malásia e na Índia, respectivamente, 88% e 80% dos entrevistados consideram o governo eficaz na digitalização dos serviços públicos. Já no Japão e no Reino Unido, os percentuais caem para 29% e 39%. No Brasil, 50% dos entrevistados acreditam que a digitalização dos serviços do governo tem sido eficaz - próximo da média mundial de 52% dos que responderam.

“A pandemia nos colocou diante de um cenário em que os governos tiveram de acelerar a adoção de novas tecnologias para continuar dialogando e provendo serviços aos seus cidadãos”, disse Luis Pontes, líder da consultoria EY para governos e setor público.

Para a consultoria, os governos deverão ser capazes de criar um ambiente favorável para que a economia digital seja próspera e acessível para toda a população, por meio de investimentos em infraestrutura tecnológica, regulamentações, plataformas, comunicação eficiente com públicos diversos e programas de inclusão digital.

Identidade digital

Na pesquisa, a EY perguntou especificamente sobre o quanto as pessoas estão “confortáveis” em ter uma identidade digital que reúna o histórico de utilização de todos os serviços prestados pelo governo. Novamente, os maiores percentuais aparecem na Índia (73%), África do Sul (70%), Malásia (69%) e Brasil (61%). Já os menores estão no Japão (40%), Alemanha (41%), França (50%) e EUA (50%).

Para viabilizar a implementação dos programas digitais sem esbarrar na limitação de recursos, a consultoria sugere que o poder público busque atrair a iniciativa privada por meios de parcerias público-privadas (PPPs), concessões e programas de apoio institucional das empresas.

“É necessário destacar que os serviços digitais são muito mais econômicos para o Estado do que os presenciais. Logo, a adoção da tecnologia também é uma maneira de economizar recursos públicos”, disse Pontes, ressaltando que a transformação digital do Estado deve ser feita de forma inclusiva, principalmente levando em conta os cidadãos sem acesso à tecnologia. “É preciso tomar muito cuidado para que as pessoas que já são menos favorecidas no atendimento analógico não sejam ainda mais excluídas no atendimento digital”, disse.

Leia também

Energia solar nos EUA precisaria quadruplicar para rede elétrica se tornar zero carbono

Braskem fecha acordo para produção de ‘polímeros verdes’ na Tailândia

Ouro acelera alta com preocupação por retomada global


Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.