PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Soja e milho seguem pressionados por interrupções no porto de Nova Orleans

Furacão Ida causou destruições no final de semana que podem comprometer embarques agrícolas no maior porto do setor nos EUA

Falta de energia na região de Nova Orleans afeta embarques agrícolas
Por Bloomberg News
01 de Setembro, 2021 | 09:29 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os preços da soja caíam pelo quinto dia consecutivo, enquanto os do milho recuavam em Chicago, ainda em consequência das dificuldades de exportação dos EUA após a passagem do furacão Ida pelo porto agrícola mais movimentado do país.

A tempestade que varreu a Louisiana no fim de semana deixou para trás elevadores de grãos quebrados, falta de energia generalizada e terminais de exportação fechados em Nova Orleans. Com o embarque paralisado na região que responde por cerca de dois terços das exportações de grãos e soja dos EUA, existe a preocupação de que o fornecimento possa ser interrompido à medida que a temporada de colheita se aproxima.

PUBLICIDADE

Veja mais: Diques e bombas resistem, mas energia falha em Nova Orleans

Os mercados também estão aguardando detalhes sobre as perspectivas da safra, e o Departamento de Agricultura dos EUA deve atualizar as estimativas de produção em um relatório mensal na próxima semana. Haverá um foco particular na produção de milho e soja de Iowa, o “estado instável” que divide as boas e as más condições de safra no Meio-Oeste americano.

“Os temores de uma retomada lenta das exportação na Louisiana, com rumores de que o estado poderia ficar sem energia por semanas, ajudaram a pressionar o mercado”, disse o The Hightower Report em um relatório. “Além disso, os comerciantes veem as chuvas de agosto como benéficas para estabilizar algumas das safras nas seções norte e oeste do cinturão do milho.”

PUBLICIDADE

Leia também

Orçamento para 2022 não consegue dissipar incerteza fiscal

Como a ‘cultura dos brothers’ atrasa o ecossistema de inovação brasileiro

Google adia retorno obrigatório ao escritório até 2022 por Covid

PUBLICIDADE