Internacional

Fundos de hedge dos EUA exigem vacina para volta ao escritório

Fundos têm sido mais lentos do que outras instituições financeiras quando se trata de exigir que os funcionários voltem presencialmente

Variante delta preocupa profissionais de Wall Street
Por Hema Parmar
27 de Agosto, 2021 | 11:51 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A maioria dos grandes fundos de hedge dos EUA — incluindo Millennium Management, Bridgewater Associates e Point72 Asset Management — está exigindo que os funcionários se vacinem para poder voltar ao trabalho presencial.

Muitas dessas firmas, que geralmente empregam centenas de funcionários em Nova York ou Connecticut, também estão adiando o retorno dos colaboradores aos escritórios até outubro ou novembro, segundo pessoas com conhecimento desses planos. Quando a volta se concretizar, muitos fundos terão cronogramas híbridos, permitindo trabalho remoto em alguns dias da semana.

Os fundos de hedge dos EUA têm sido mais lentos do que outras instituições financeiras quando se trata de exigir que os funcionários voltem presencialmente. Já os bancos de Wall Street tentaram trazer gente de volta às torres em Manhattan antes da rápida disseminação da variante delta da Covid-19. Esses planos podem mudar novamente, dependendo da evolução do vírus.

“Existem várias considerações na avaliação do timing”, afirmou o vice-presidente executivo da Bridgewater, Nir Bar Dea, em comunicado enviado por e-mail. “Por exemplo, como essa nova variante afeta a saúde, a segurança, os regulamentos estaduais e federais e o que as escolas farão.”

PUBLICIDADE

Veja mais: Passaportes de vacinação sustentam setor aéreo na Europa

Quando a Bridgewater reabrir totalmente, a intenção é ter um dia da “empresa toda” uma vez por semana, quando todos devem estar no escritório, explicou ele.

A Two Sigma Investments e a Citadel, de Ken Griffin, estão entre as poucas operadoras de fundos de hedge que não exigem vacinas. Embora não exista exigência formal de presença no escritório, quase todos os colaboradores da Citadel já estão vacinados e comparecendo ao local de trabalho cinco dias por semana, de acordo com uma pessoa a par da situação.

Com US$ 38 bilhões sob gestão, a Citadel foi um dos primeiros fundos de hedge a liberar a volta dos funcionários ao escritório, sendo que alguns retornaram em junho de 2020.

PUBLICIDADE

A Millennium chegou a pedir que os funcionários se preparassem para voltar ao escritório três dias por semana a partir de setembro. Na quinta-feira, esses planos foram adiados para 11 de outubro, segundo uma fonte.

Bridgewater, Two Sigma, AQR Capital Management, D.E. Shaw e Elliott Management também adiaram o retorno no formato híbrido para outubro ou novembro, disseram outras pessoas. Todas as instituições sondadas, incluindo a Point72, de Steve Cohen, estão de portas abertas para funcionários que optam por trabalhar no escritório. A Bridgewater instalou tendas ao ar livre para que as pessoas interajam com segurança.

Veja mais: Mensagem dos empregadores americanos é clara: tome a vacina ou caia fora

Schonfeld Strategic Advisors, Point72, Bridgewater e Two Sigma exigem que os funcionários usem máscaras em áreas comuns ou quando estão fisicamente próximos.

“Teremos uma força de trabalho dinâmica que, a nosso ver, dará à nossa equipe mais equilíbrio entre vida profissional e pessoal”, disse Danielle Pizzo, diretora de estratégia da Schonfeld. “Não achamos que o mundo será parecido com o que era antes da pandemia.”

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Caos logístico abala exportação de carne do Paraguai e Uruguai

CEO da Apple receberá parcela final de pagamento avaliada em US$ 750 mi

Fundos do Opportunity compram fatia de 5% na Armac, maior locadora de máquinas pesadas do país