PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Ação da Sabesp crava nova máxima de 30 dias após Maia indicar avanço em privatização

O papel chegou a operar em queda e inverteu movimento, disparando até 14,80%, após declaração de novo secretário do Palácio Bandeirantes

Apesar de disparar quase 15%, ação da Sabesp ainda está longe de sua cotação máxima em 12 meses (R$ 52,33)
20 de Agosto, 2021 | 01:42 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — As ações da Sabesp (Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo) cravaram, na manhã desta sexta-feira (20), nova cotação máxima em 30 dias, após o novo secretário do Governo de São Paulo, o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia, indicar a privatização da empresa como uma prioridade.

PUBLICIDADE

O papel atingiu a máxima de R$ 37,85, alta de 14,80%. Por volta das 13h00, subia 8,80%, a R$ 35,87. Em 12 meses, a cotação máxima de SBSP3 está em R$ 52,33.

O estopim da disparada do preço foi uma declaração do deputado federal Rodrigo Maia (sem partido - RJ), que foi nomeado hoje secretário de Projetos de Ações Estratégicas de São Paulo e disse que, no fim de sua gestão, vai deixar “organizada” a concessão da Sabesp.

PUBLICIDADE

Veja mais: Sócios da CCR liberam Andrade Gutierrez a vender participação

O volume de negócios com o papel também superou a média. Por volta das 13h, eram mais de 25.300 transações movimentando mais de R$ 420 milhões. Neste pregão, SBSP3 chegou a cair até 1,27%, cotado na mínima de R$ 32,55.

Repercussão

Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos, comentou que, independente da privatização, o papel da Sabesp continua negociado com “excessivo desconto”. “Independente das falas não terem sido mais profundas ou avançado sobre o avanço da modelagem ou ainda quanto a uma definição do tipo de projeto que seria levado a frente (capitalização ou privatização), relembramos que a cotação de Sabesp estava excessivamente descontada frente a sua base regulatória de ativos homologada a poucos meses pela Arsesp, com um desconto na casa de 60% ao término do pregão de ontem”, afirmou Arbetman.

Veja mais: Ministro estima que pacote de concessões supere R$ 1 tri até 2022

PUBLICIDADE

Ele cita a proximidade do ano eleitoral como um desafio para a operação. “Ainda não reunimos argumentos para auferir que a privatização ou capitalização da companhia caminhará desta vez, dado a proximidade com o próximo período eleitoral, a complexidade da operação, a divisão de opiniões que o tema reúne perante as mais variadas esferas da sociedade e diante do fato das falas iniciais não convergirem para tons mais concretos. Ainda assim, classificamos o ímpeto demonstrado hoje como positivo”, comentou o analista da Ativa Investimentos.

Arbetman destaca que a Sabesp “enfrenta um cenário regulatório mais benigno que seus pares de mercado e apresenta desde já um cenário mais resoluto perante o alcance das metas de universalização propostas pelo novo marco do saneamento”.

Leia também

Câmara dos Deputados aprova privatização dos Correios

Câmara deve votar reforma tributária só em setembro

Leilão de áreas portuárias movimenta R$ 38,850 milhões

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.