Mercados

Ibovespa se recupera e inicia agosto no azul, de olho em balanços e fiscal

Foco dos investidores hoje à noite será no resultado do Itaú; notícias sobre a variante Delta e novo Bolsa família seguem no radar

Primeiro pregão do mês animou investidores
02 de Agosto, 2021 | 06:14 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — O mercado local iniciou o mês de bom humor, com o Ibovespa subindo e o dólar caindo no primeiro dia de negociações de agosto. Na bolsa, ditaram o humor as notícias de que o governo da China decidiu cooperar com Estados Unidos para a regulação de companhias chinesas nos mercados de Nova York. A temporada de balanços também está no radar, com as avaliações e expectativas dos resultados da semana. Na agenda, o destaque de hoje vai para os resultados do Itaú.

No câmbio, o dia foi de recuperação, após as fortes altas da semana anterior. Os investidores também já se preparam para o Copom, balizando as oscilações das taxas de DI. Os mercados ainda foram afetados pelas notícias quanto ao novo Bolsa Família: conforme agências, o projeto foi apresentado pelos ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira, e da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, ao presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco, na tarde de hoje. Segundo a CNN Brasil citando fontes, a nova parcela do programa social deve ser de R$ 400. Na última semana, os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Cidadania, João Roma, haviam prometido um novo projeto para o início deste mês.

As notícias sobre o impacto da variante Delta da Covid-19 também seguem no radar dos mercados locais e externos.

  • Câmbio: O dólar reduziu a queda no fim do dia e fechou com recuo de 0,73%, a R$ 5,1743.
  • Bolsa: O Ibovespa encerrou o dia com alta de 0,59%, a 122.515 pontos. Totvs, B2W e Taesa foram os destaques das altas durante a tarde. CSN, CVC e Petrobras PN lideraram a ponta oposta; a petroleira recuou com a queda do petróleo.
  • Destaques da bolsa: O Itaú, maior banco privado brasileiro, divulga seu balanço trimestral hoje à noite. O papel preferencial do banco chegou a subir mais de 3% ao longo do pregão e fechou em alta de 0,56%, a R$ 30,47.
  • Juros: As taxas dos DIs fecharam o dia em alta na maior parte dos vencimentos, com os investidores de olho na decisão do Copom, que será divulgada na próxima quarta-feira. A exceção foi a taxa para janeiro de 2022, que recuou 2 pontos percentuais, para 6,300%. O risco-país medido pelo CDS de cinco anos avançou na sessão.
  • Exterior: Os principais índices americanos fecharam mistos, com maior tendência de queda, ainda devido aos temores dos impactos da variante Delta da Covid-19. O Dow Jones caiu 0,28%, o S&P500 0,18% e o Nasdaq subiu 0,06%.
  • Bitcoin: No final do dia, a criptomoeda operava em queda de 5,46%, a US$39,010.
  • Nas últimas horas:
Igor Sodré

Igor Sodré

Jornalista com formação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com experiência na cobertura de cultura e economia, tendo como foco mercado financeiro e companhias. Passou pela Bloomberg News e TradersClub.

PUBLICIDADE