Negócios

Rede de academias Bluefit pede registro de IPO após estreia da Smart Fit na B3

XP vai coordenar oferta de ações da companhia, que pretende usar os recursos para abrir novas unidades e fazer aquisições

Unidade da rede de academias Bluefit, que pediu o registro de IPO à CVM na última sexta
02 de Agosto, 2021 | 04:07 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A B3 poderá ter, em breve, uma ação de uma nova rede de academias, depois da abertura de capital da Smart Ffit, em julho. A Bluefit Academias de Ginástica e Participações fez, na última sexta, pedido para registro de oferta pública para venda de novas ações e papéis detidos por seus acionistas, com o objetivo de levantar recursos para abertura de novas filiais pelo Brasil, e pela aquisição de novas franquias.

A operação, nos termos da Instrução CVM 400 (sem esforços restritos), será coordenada pela XP (líder), segundo o prospecto preliminar encaminhado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os acionistas vendedores da distribuição secundária são três fundos de investimentos do Leste Private Equity (LPE), a Síntesi Participações e James Marcos de Oliveira.

No prospecto preliminar enviado à CVM, a empresa reconheceu os riscos da pandemia da Covid-19 para o segmento fitness, quando as academias foram obrigadas a fechar as portas devido às ordens de confinamento.

“Apesar das dificuldades enfrentadas pela companhia durante a crise causada pela pandemia da Covid-19, a Bluefit comprometeu-se com a continuidade do seu processo de expansão e, para tanto, tomou todas as decisões que impactaram o caixa da companhia visando preservar o caixa no que diz respeito à continuidade das operações e obter o financiamento necessário para continuar a sua expansão durante esse período. Acreditamos que as medidas tomadas foram suficientes para garantir a continuidade e bom desempenho dos nossos negócios”, comentou a companhia.

PUBLICIDADE

Fundada em 2015 em Santo André, na Grande São Paulo, a Bluefit (até 2016, adotava a marca Health Place) informa ter 102 academias em operação, sendo 61 unidades próprias e 41 franquias, em 15 estados, além do Distrito Federal, em mais de 50 cidades nas cinco regiões do país. A empresa informa que seu capital social soma R$ 67,021 milhões.

“Acreditamos ser uma das líderes do mercado fitness no Brasil, somos a segunda maior rede de academias low cost do país, e apresentamos uma expressiva taxa de crescimento em números de academias, passando de 7 unidades em 2016 para 102 unidades em operação”, informou no prospecto preliminar.

Modelo de negócio

Em novembro de 2016, a companhia recebeu o primeiro investimento da Leste Private Equity, unidade de negócio do Grupo Leste, voltado ao mercado de private equity. No ano seguinte, foram mais dois aportes adicionais de novos investidores, o que possibilitou a aceleração do crescimento da marca e um ciclo de expansão.

A Bluefit aponta cinco pilares para seu modelo de negócios> presença nas cinco regiões do país; longos períodos de funcionamento (24 horas por dia nos dias úteis, e, em parte das unidades, 24 horas nos 7 dias da semana); presença em centros urbanos, com alta densidade populacional; ambientes com espaços otimizados, arquitetura moderna e padronizada, equipamentos de última geração e de marcas renomadas; cultura, com foco na experiência do cliente.

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE