Queda em vendas de elétricos faz Tesla, GM e Ford repensarem investimentos

Preço médio pago por um veículo elétrico nos EUA foi de US$ 50.600, muito mais baixo do que os US$ 65.000 cobrados no ano anterior

Model Y de Tesla
Por David Welch
16 de Novembro, 2023 | 05:31 PM

Bloomberg — Após anos de investimento no aquecido mercado de veículos elétricos, a Tesla (TSLA) e outros grandes fabricantes de automóveis enfrentam um novo dilema: o que fazer quando a demanda diminui. Embora o mercado de veículos elétricos ainda esteja em expansão, o ritmo de crescimento reduziu consideravelmente.

Como resultado, a Tesla, líder mundial em veículos elétricos, e as montadoras tradicionais que vinham ampliando gastos para construir seus negócios de carros elétricos, agora estão adotando uma abordagem mais cautelosa em relação aos investimentos.

As empresas comprometeram, juntas, cerca de US$ 100 bilhões na América do Norte para criar carros elétricos que atraiam não apenas compradores de luxo e primeiros usuários, mas também o mercado geral

LEIA +
BMW acredita que veículos elétricos podem compensar demanda geral mais fraca

No entanto, a alta inflação e as taxas de juros dificultam as compras de veículos pelo consumidor médio, o que pesa sobre fabricantes de veículos elétricos. Executivos automotivos disseram que estão preocupados que muitos consumidores tenham atingido seu limite.

PUBLICIDADE

“Um grande número de pessoas vive de salário em salário, e com muita dívida, seja no cartão de crédito ou nas hipotecas”, disse o CEO da Tesla, Elon Musk, na teleconferência de resultados do terceiro trimestre em 18 de outubro. “Temos que tornar nossos carros mais acessíveis.”

Um Ford F-150 Lightning, por exemplo, custa cerca de US$ 50.000, antes dos impostos federais de US$ 7.500.

Uma versão a gasolina de modelo base custa menos de US$ 37.000. O Chevrolet Blazer, da General Motors, custa cerca de US$ 37.000, mas a versão elétrica custa no mínimo US$ 56.000 antes das taxas.

PUBLICIDADE

As baterias que alimentam os veículos elétricos são mais caras do que os motores a combustão interna, e levará pelo menos mais três anos para que esses preços sejam comparáveis, de acordo com a pesquisa da Bloomberg BNEF.

Isso torna difícil até mesmo para a Tesla, a única fabricante de automóveis dos EUA com um negócio lucrativo de veículos elétricos, tornar seus veículos mais baratos. A empresa reduziu drasticamente os preços este ano, em alguns casos até 30%, para proteger seus volumes de vendas, levando outros a tentar acompanhar.

Em setembro, o preço médio pago por um veículo elétrico nos EUA foi de US$ 50.683, abaixo dos US$ 52.212 em agosto e muito mais baixo do que os US$ 65.000 cobrados pelas empresas no ano anterior, de acordo com dados compilados pela Cox Automotive.

LEIA +
Veículo elétrico a bateria era ‘a peça que faltava’ à Toyota, diz novo CEO

Esses descontos afetam os resultados das empresas. O crescimento da receita automotiva da Tesla foi de 51% no ano passado, mas apenas 5% no terceiro trimestre deste ano. A margem bruta automotiva caiu para 16,3% no trimestre, a mais baixa em mais de quatro anos.

Expansões em Espera

Musk disse que pode adiar os planos para uma nova fábrica de US$ 1 bilhão no México - uma reviravolta acentuada em relação ao dia do investidor de março, quando ele se gabava de uma taxa de crescimento de 50% no ano passado.

A GM adiou os planos de expansão de sua produção de picapes elétricas em uma fábrica nos arredores de Detroit. Essa fábrica, localizada em Orion Township, deveria começar a fabricar a versão elétrica das picapes Chevrolet Silverado e GMC Sierra no próximo ano. Agora não começará até o final de 2025. A GM produzirá as duas picapes ao lado de seu Hummer elétrico em uma fábrica em Detroit, mas a empresa disse que não expandirá a produção até obter uma leitura melhor sobre a demanda por veículos elétricos e fizer alterações no caminhão que reduzirão os custos de fabricação.

A Ford Motor já disse que vai adiar US$ 12 bilhões de seus US$ 15 bilhões planejados em investimentos relacionados a veículos elétricos. O diretor financeiro John Lawler disse em 27 de outubro que a empresa está adiando uma segunda fábrica de baterias no Kentucky com o parceiro sul-coreano SK ON Co. A Ford também está reduzindo a produção do Mustang Mach-E elétrico em uma fábrica no México que foi expandida no início deste ano.

PUBLICIDADE

Os problemas da Ford em sua unidade de veículos elétricos incipiente, conhecida como Modelo e, resultaram em um prejuízo operacional de US$ 1,3 bilhão no último trimestre e mais de US$ 4 bilhões este ano. A montadora prevê um prejuízo de US$ 4,5 bilhões em veículos elétricos este ano.

“Embora as medidas da Ford e da GM para ajustar os planos de produção para reduzir a demanda e economizar capital sejam pragmáticas positivas para margens e fluxo de caixa livre a curto prazo, elas também levantam preocupações mais profundas sobre sua capacidade de fazer uma transição bem-sucedida para veículos elétricos a longo prazo”, escreveu o Deutsche Bank em um relatório em 31 de outubro.

O ritmo mais lento de entregas de veículos elétricos também está afetando várias outras montadoras globais, incluindo a Mercedes-Benz Group AG e a Volvo Car AB da Suécia, e afetando toda a cadeia de suprimentos de peças automotivas. A diretora de insights do setor da Cox, Stephanie Valdez Streaty, ressalta que ainda não há evidências de um colapso real do mercado.

As vendas de veículos elétricos ainda estão crescendo, embora o volume tenha aumentado apenas 6% sequencialmente no terceiro trimestre, após um salto de 14% no trimestre anterior, de acordo com o Kelley Blue Book.

PUBLICIDADE

As vendas nos EUA aumentaram quase 50% nos primeiros nove meses do ano em relação ao ano passado — e em dois anos, os carros a bateria mais que dobraram sua participação de mercado no líder de veículos elétricos, a Califórnia — mas o ritmo de crescimento está diminuindo.

Normalmente, existem dores associadas à mudança tecnológica, de acordo com Stephanie Valdez Streaty, diretora de insights da indústria da Cox. “Sempre que há uma nova tecnologia, a adoção é difícil”, disse ela.

Simplesmente não está claro quando essas dificuldades terminam. À medida que mais empresas lançam veículos elétricos planejados há muito tempo em um mercado menos receptivo, o estoque está se acumulando. No final de setembro, as montadoras tinham um estoque de veículos elétricos correspondente a 88 dias, em comparação com 56 dias para modelos convencionais, de acordo com dados da Cox.

“É preocupante”, disse Valdez. “No ano passado, eles não precisavam reduzir os preços e havia uma lista de espera para esses veículos. Agora, há mais estoque.”

PUBLICIDADE

As montadoras também podem não poder mais contar tanto com compradores corporativos e frotas de aluguel de carros. O CEO da Hertz Global Holdings Inc., Stephen Scherr, disse que a empresa de aluguel vai reduzir o ritmo das compras de veículos elétricos após os preços de revenda mais baixos terem deixado a empresa com custos mais altos de depreciação.

Mercado em massa

A GM poderá atingir o mercado em massa no próximo ano, quando a versão de preço mais baixo de seu Chevrolet Equinox elétrico estiver à venda, e em 2025 com um novo Chevy Bolt que será vendido por ainda menos.

PUBLICIDADE

A Chevy originalmente disse que venderia o Equinox por cerca de US$ 30.000 com cerca de 250 milhas de autonomia com uma carga completa. Mas, devido à preocupação dos consumidores com a falta de infraestrutura de carregamento, a GM aumentou a autonomia e o preço para US$ 35.000 para um carro que pode percorrer 319 milhas com uma carga.

Mesmo enquanto as montadoras dos EUA avaliam a melhor forma de alcançar a Tesla, Musk diz que sua empresa precisa observar a economia global antes de autorizar a fábrica no México. Ele também disse que a Tesla continuará crescendo, mas acrescentou que as taxas de crescimento de 50% da empresa são coisa do passado. Até o marketing não ajudará, diz ele.

“Informar as pessoas sobre um carro que é ótimo, mas se elas não puderem pagar, não ajuda realmente”, disse Musk. “Realmente, o que deve ser resolvido é tornar o carro acessível.”

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Big techs perdem US$ 386 bi em valor de mercado após resultados abaixo do esperado

PUBLICIDADE

Novos concorrentes estimulam a ousadia, diz chefe de design de Porsche e Volkswagen

Tesla reduz projeções de crescimento com ‘tempos difíceis’ à frente; ações caem em NY