No Japão, envelhecimento da população leva à criação de profissões para idosos

População cada vez menor e envelhecida estimula esforços das empresas para encontrar novas maneiras de manter os idosos empregados - vale até restaurante de ‘pedidos errados’

japão
Por Kanoko Matsuyama e Supriya Singh
10 de Dezembro, 2023 | 01:37 PM

Bloomberg — A população cada vez menor e envelhecida do Japão tem estimulado esforços das empresas para encontrar novas maneiras de manter os idosos empregados por mais tempo, à medida que procuram resolver uma escassez crônica e crescente de mão-de-obra.

LEIA +
Como este bilionário ajuda universidades de elite a buscar novos talentos

No início deste ano, o governo comprometeu 3,5 bilhões de ienes (US$ 23,9 milhões) em medidas para aumentar a taxa de natalidade, mas a escassez de trabalhadores disponíveis tem desafiado os empregadores há algum tempo.

Embora o Japão tenha tomado medidas para relaxar os controles de imigração, isso não foi suficiente para compensar o déficit.

Tudo isso forçou as empresas a criarem novas formas de encontrar mão-de-obra e manter as suas operações funcionando sem problemas, por vezes com ideias inovadoras.

PUBLICIDADE

Lojas, restaurantes e outras empresas estão tomando medidas para atrair e reter funcionários mais velhos.

Cuidados com idosos

Cuidar de idosos é uma área que enfrenta escassez aguda de mão-de-obra. Muitas das pessoas que atendem aqueles que precisam de ajuda com o envelhecimento do corpo são elas próprias.

A idade média dos cuidadores no Japão é de 50 anos, cerca de sete anos superior à média de todos os setores; prevê-se que esse número aumente ainda mais à medida que as instalações lutam para atrair novos trabalhadores.

PUBLICIDADE

Prevê-se que a escassez de mão-de-obra no setor triplique para 690 mil vagas até 2040, de acordo com o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar.

O site de empregos Sketter foi projetado para que postos de trabalho não essenciais em lares de idosos possam ser anunciados. Tarefas como cozinhar, limpar e apoiar refeições podem ser realizadas por voluntários remunerados, dando aos cuidadores mais tempo para se dedicarem às suas tarefas principais de cuidar dos idosos.

“Os idosos procuram formas de se envolver na sociedade mesmo depois de se aposentar”, disse Ryohei Suzuki, que fundou a Sketter em 2019. “Eles podem conseguir trabalhar em tempo integral, mas procuram meios para viver.”

Motoristas de táxi idosos

O governo do Japão disse que planeja aumentar a idade de aposentadoria dos motoristas de táxis privados para 80 anos, dos atuais 75 anos.

As zonas rurais sofrem com uma grave escassez de transportes para os idosos, à medida que os governos locais reduzem os transportes públicos, especialmente os ônibus, devido ao declínio da população nas aldeias e cidades. Como resultado, os táxis estão se tornando a única opção para aqueles que já não dirigem e precisam ir aos hospitais ou fazer compras de bens de consumo diário.

Um funcionário do governo disse que os motoristas de táxi tendem a ganhar mais dinheiro nas cidades e geralmente relutam em se mudar para áreas urbanas; ao aumentar a idade para conduzir, podem ser incentivados a permanecer nas zonas rurais. Atualmente, os táxis privados estão licenciados para operar em cidades com população de 300 mil habitantes ou mais, mas esse critério também pode ser eliminado.

O Ministério de Terras, Infraestruturas, Transportes e Turismo agora trabalha para anunciar novas políticas, de acordo com o responsável.

PUBLICIDADE

As empresas de táxi também procuram contratar motoristas mais jovens recém-saídos da escola, oferecendo horários de trabalho mais flexíveis para compensar a escassez de pessoal.

Novas categorias de trabalho

A Recruit Holdings, a maior empresa de empregos e recrutamento do Japão, começou a trabalhar com os empregadores há cerca de uma década para dividir os postos de trabalho em tarefas mais restritas, para que os mais velhos pudessem ser atribuídos a tarefas específicas, tais como:

  • Abastecer as prateleiras dos supermercados antes do horário de funcionamento
  • Limpar e preparar fábricas antes da chegada dos trabalhadores
  • Turnos de trabalho específicos em postos de gasolina, armazéns e restaurantes fast-food

Como resultado, os empregadores acharam mais fácil encontrar pessoal oferecendo horários mais flexíveis no início do dia, o que atende aos idosos, porque eles tendem a preferir trabalhar de manhã em vez de tarde da noite, de acordo com Kuniko Usagawa, diretora de pesquisa da Recruit.

“É um grande match”, disse Usagawa. “No início foi ótimo para os supermercados, mas agora tem gente abrindo postos de gasolina ou limpando fábricas. Principalmente no setor de logística, encontramos pessoas que pegam o primeiro trem para o trabalho às 5h e chegam em casa depois das 8h.”

PUBLICIDADE

O mesmo pensamento se aplica às mães que ficam em casa e que preferem trabalhar no meio do dia, quando têm mais tempo livre, disse Usagawa. As pessoas com deficiência física também podem encontrar mais oportunidades ao serem encaminhadas para tarefas específicas e mais simples, em vez de um trabalho que exija uma ampla gama de competências.

Usagawa salienta que os idosos que trabalham tendem a necessitar de menos cuidados de saúde e a fazer menos visitas ao hospital. Muitos lhe disseram que o principal motivo para aceitar empregos é conhecer pessoas e ter conexões sociais significativas.

“O envelhecimento da população do Japão é muitas vezes visto de forma negativa, mas acredito que esta ideia pode ser exportada globalmente, considerando o fato de outros países enfrentarem o envelhecimento da população”, disse Usagawa.

Restaurante dos ‘pedidos errados

Em 2017, um restaurante pop-up contratou pacientes com demência de lares de idosos para trabalharem como garçons, anotando pedidos e entregando refeições aos clientes. Erros aconteceram ao longo do caminho – alguns pedidos nunca foram atendidos ou a comida foi entregue na mesa errada. Mas o objetivo era esse: conscientizar e oferecer apoio, segundo Shiro Oguni, que trabalhou no projeto.

PUBLICIDADE

“Tudo o que fizemos foi colocar uma placa que dizia ‘Restaurante de Pedidos Errados’”, disse Oguni. “Ao definir isso com antecedência, os clientes foram mais receptivos. Ninguém ficou chateado, mesmo que houvesse erros.”

A demência afeta 55 milhões de pessoas em todo o mundo e a estimativa é que esse número dobre nas próximas duas décadas, de acordo com a Alzheimer’s Disease International. No Japão, onde a proporção de idosos é a mais elevada do mundo, prevê-se que a demência aflija uma em cada cinco pessoas até 2025.

PUBLICIDADE

O projeto do restaurante inspirou empresas e acabou se espalhando por mais de 50 locais no Japão e além, na Coreia do Sul, Taiwan, China, Reino Unido e Canadá. Oguni disse que recebe quase 100 consultas por mês e 90% delas são do exterior.

“É extremamente difícil aumentar a aceitação social e precisamos de um mecanismo que faça a sociedade querer mudar isso”, disse Oguni. “Aqueles que se inspiraram na ideia podem implementá-la à sua maneira na sua própria sociedade.”

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

Com menos oferta de trabalho, jovens trocam grandes cidades da China pelo campo

Com patrimônio herdado, novos bilionários não têm mesma disposição para assumir riscos