Corrida espacial: SpaceX e Blue Origin impulsionam mercado de equipamentos

Economia espacial global, que inclui componentes e alcançou US$ 546 bilhões em 2022, deve crescer 41% em cinco anos e atingir US$ 1 trilhão na próxima década, segundo estimativas

Foto do lançamento em um foguete em segundo plano; em primeiro plano, um tecido com listras vermelhas e brancas rasgado
Por Kiel Porter
27 de Janeiro, 2024 | 08:01 AM

Bloomberg — À medida que empresas espaciais privadas, como a SpaceX de Elon Musk e a Blue Origin de Jeff Bezos, aumentam a produção e o desenvolvimento de foguetes e mais países desejam um pouso na Lua, os fabricantes de médio porte que fornecem seus equipamentos e suprimentos estão colhendo os benefícios.

A fabricante de satélites MDA, a fabricante de transferência de calor Graham e a fabricante de alumínio Constellium tiveram ganhos de dois terços ou mais nas ações em 2023, impulsionados em parte pelos bilhões de dólares em financiamento privado e governamental para a exploração espacial e a criação de redes de satélites em grande escala.

A economia espacial global, que bateu US$ 546 bilhões em 2022, segundo a Space Foundation, deve aumentar 41% nos próximos cinco anos. A organização também constatou que os lançamentos comerciais em 2023 cresceram 50% em relação ao ano anterior.

Muitos fabricantes estabelecidos receberam bem as novas oportunidades de vendas.

PUBLICIDADE

Chris Quilty, co-CEO da empresa de análise Quilty Space, chama isso de “efeito cascata da SpaceX” e vê mais empresas citando o espaço como um setor em crescimento em suas apresentações.

“O setor está observando um crescimento incrível no número de lançamentos, no número de satélites em órbita, no número de empresas recém-financiadas e no montante de capital de risco que foi investido no setor”, disse ele em uma entrevista.

Gráficodfd

O primeiro voo do propulsor de carga pesada Vulcan da United Launch Alliance no início deste mês e sua lista cada vez maior de voos espaciais reservados ilustram a crescente demanda por transporte orbital.

“Um lançamento bem-sucedido de um novo foguete sempre é um bom marco”, disse Mike Greenley, CEO da MDA, sediada em Ontário, Canadá, em uma entrevista.

O preço das ações da MDA subiu 80% no ano passado, pois a empresa fechou uma série de contratos importantes, incluindo um acordo de US$ 1,6 bilhão para projetar e construir a rede de satélites Lightspeed da Telesat, que visa levar internet de alta velocidade a regiões remotas.

Greenley disse que o mercado espacial pode chegar a US$ 1 trilhão na próxima década e afirmou que esse é um “número conservador”.

A Graham, fabricante de equipamento militar e de refino de petróleo, entrou no negócio espacial com a aquisição, em 2021, da Barber-Nichols, que fabrica bombas turbo.

PUBLICIDADE

A empresa, sediada em Batavia, no estado de Nova York, que viu suas ações quase dobrarem em 2023, acredita que a diversificação no setor de viagens espaciais oferece mais oportunidades. Para o analista Theodore O’Neill, cofundador da Litchfield Hills Research, isso também representa receitas estáveis.

“O espaço é um desses negócios nos quais, uma vez que você é aceito, é seu negócio a se perder de vista”, disse ele em uma entrevista. “Você nunca será demitido por comprar um computador IBM.”

As ações da parisiense Constellium subiram 69% em 2023. A fabricante de alumínio, que afirma que seu negócio espacial é pequeno, mas está em expansão, fornece placas e chapas para o foguete orbital New Glenn da Blue Origin. Um representante da empresa disse que o crescimento das vendas de alumínio, impulsionado pelo mercado aeroespacial, pode aumentar 11% até 2027.

Maior participação

A Hunting, do Reino Unido, que tem suas origens há 150 anos e é conhecida principalmente como fornecedora de empresas petrolíferas, decidiu entrar no setor espacial há dois anos. Atualmente, ela fornece peças para os trens de pouso dos foguetes da SpaceX e armazenamento de combustível para a Blue Origin.

“Atualmente, essa é uma parte pequena, mas interessante do nosso grupo”, disse o CEO da Hunting, Jim Johnson, em uma entrevista. “Agora estamos procurando ampliar nossa participação.”

O crescimento geralmente leva a fusões e tanto Johnson quanto Greenley, da MDA, estão abertos a oportunidades. Aquele observou que a Hunting está “sempre analisando as possibilidades” como parte de sua estratégia de longo prazo.

“Temos um bom histórico de fusões e aquisições, portanto, se for algo que agregue valor e seja estrategicamente complementar, certamente é algo que consideraremos”, disse Johnson.

Mesmo observando que nenhum setor está imune à recessão, Greenley disse que os negócios espaciais e as rivalidades geopolíticas entre os países que tentam estabelecer uma presença na Lua criam uma oportunidade única de investimento para um “crescimento persistente e elevado” no futuro próximo.

“Não é como há 50 anos, quando você ia à Lua e ficava ocioso por um tempo”, disse Greenley. “Agora somos impulsionados pela oportunidade econômica comercial em coisas como comunicação espacial, observações da Terra e fabricação espacial.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Das montadoras às varejistas: conflito no Mar Vermelho ameaça os lucros das empresas