Summers diz que fatores por trás da inflação diminuíram nos EUA

Ex-secretário do Tesouro, Lawrence Summers, afirma que desaceleração da alta dos preços impressiona, levando em conta o ritmo forte da economia

Pedestres e compradores no bairro SoHo de Nova York, EUA
Por Christopher Anstey
16 de Novembro, 2023 | 12:03 PM

Bloomberg — O ex-secretário do Tesouro, Lawrence Summers, afirmou que “fatores transitórios” tem sido um elemento na desaceleração da inflação nos Estados Unidos, que tem acontecido mais rápido do que ele antecipava.

“Dado o quão forte está a economia, ainda há uma surpresa no que aconteceu com a inflação”, disse Summers no programa Wall Street Week da Bloomberg Television com David Westin. Isso tem a ver, em parte, com “fatores transitórios que estavam impulsionando a inflação a partir de gargalos nas cadeias de produção que agora estão se revertendo e diminuindo a inflação”, afirmou.

Summers falou um dia após o relatório do índice de preços ao consumidor de outubro mostrar um aumento menor do que o previsto no núcleo da inflação, que exclui custos com alimentos e energia. O núcleo do índice CPI está em 4% no acumulado de 12 meses, abaixo do pico de 6,6% em setembro do ano passado.

O termo “transitório” tornou-se carregado no debate sobre a inflação nos EUA após os preços ao consumidor mostrarem aumentos sustentados em 2022 - contra a expectativa da secretária do Tesouro, Janet Yellen, e do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em 2021 de que um aumento na inflação seria de curta duração. Ambos abandonaram esse termo.

PUBLICIDADE

Summers, professor da Universidade Harvard e colaborador remunerado da Bloomberg TV, foi proeminente ao prever uma alta na inflação e em criticar os argumentos da “Equipe Transitória”.

Na quarta-feira, ele disse que havia “pensado muito sobre” a desaceleração da inflação que ocorreu ao longo do último ano. O primeiro contribuinte-chave que ele citou foi uma política do Fed mais rígida do que o esperado. Powell e seus colegas implementaram os aumentos mais agressivos na taxa de juros em décadas.

“Isso não significa que os temores de inflação eram infundados - significa que as pessoas levaram o medo a sério, o que foi bom”, disse Summers.

PUBLICIDADE

Summers ainda alertou que o caminho para trazer a inflação de volta à meta de 2% do Fed pode se mostrar mais desafiador do que os investidores presumem. E ele reiterou que ainda não vê um “pouso suave” na economia, onde altas nos preços rotornariam a 2% sem uma significativa desaceleração econômica.

Para a primeira metade de 2024, as probabilidades de uma recessão são apenas de 20% a 25%, considerando fatores como a recente força nos rendimentos ajustados pela inflação, disse ele. Mas “houve um pouco de prematuridade em algumas das declarações de vitória”, acrescentou.

A alta nas ações de varejo nesta semana com a esperança de que uma recessão esteja agora fora da mesa não “parece sábia como resposta de mercado”, disse ele. “Algumas pessoas podem ter demasiada confiança Fed.”

“Não tenho certeza de que as cifras de inflação nos próximos dois anos serão tão favoráveis quanto o mercado está esperando - especialmente diante dos riscos geopolíticos em torno do petróleo e de algumas outras commodities”, afirmou o ex-secretário do Tesouro.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

A era de inflação do streaming chegou, como indica o fim da greve em Hollywood