Powell rejeita apostas do mercado em corte de juros à medida que inflação cai

Em discurso nesta sexta, presidente do Federal Reserve disse que é prematuro concluir que a taxa de juros alcançou nível alto o suficiente para reduzir a inflação ou especular sobre cortes

Jerome Powell
Por Steve Matthews e Catarina Saraiva
01 de Dezembro, 2023 | 03:39 PM

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, resistiu às crescentes expectativas de Wall Street de cortes nas taxas de juros na primeira metade de 2024, afirmando que o comitê agirá com cautela diante dos juros em seu nível mais alto em 22 anos, mas manterá a opção de aumentar ainda mais as taxas.

“Seria prematuro concluir com confiança que alcançamos uma postura suficientemente restritiva, ou especular sobre quando a política pode ser aliviada”, disse Powell em discurso nesta sexta-feira em Atlanta. “Estamos preparados para apertar ainda mais a política, se for apropriado fazê-lo.”

Powell sinalizou que os membros do Fed esperam manter as taxas de juros inalteradas quando se reunirem em 12 e 13 de dezembro, dando a si mesmos mais tempo para avaliar a economia após elevar as taxas de perto de zero em março de 2022 para acima de 5% em julho deste ano.

Uma desaceleração da economia dos EUA e a queda na taxa de inflação aumentaram as expectativas entre os investidores de que o banco central americano poderia começar a cortar as taxas já em março.

PUBLICIDADE

“Tendo chegado tão longe tão rapidamente, o Fomc está avançando com cuidado, pois os riscos de aperto excessivo e insuficiente estão se equilibrando”, disse Powell na Spelman College, uma faculdade historicamente negra em Atlanta.

LEIA +
Este banco suíco prevê a Selic a 9,25% ao ano e dólar a R$ 4,50

Os mercados aceitaram com calma a desconsideração de Powell, aumentando as chances de um corte de um quarto de ponto pela reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) em março para bem acima de 50%, e precificando totalmente um corte em maio. Os traders veem mais de um ponto de cortes até dezembro de 2024.

Por outro lado, os diretores do Fed projetaram taxas entre 5% e 5,25% no final do próximo ano, de acordo com a previsão mediana divulgada em setembro - apenas um quarto de ponto abaixo do nível atual.

PUBLICIDADE

Os rendimentos do Tesouro e o dólar caíram, enquanto o S&P 500 subiu, à medida que os investidores se concentraram em observações que sugeriam que Powell estava mais inclinado a ser “dovish” (favorável a políticas monetárias mais frouxas) do que antes, incluindo sua observação de que a política agora está “bem dentro do território restritivo”.

“Não precisamos ter pressa agora, tendo agido rapidamente e com força”, disse ele durante uma sessão de perguntas e respostas após seus comentários. “Estamos conseguindo o que queríamos. Agora temos a capacidade de agir com cuidado.”

O presidente do Fed destacou o progresso recente, observando que nos seis meses até outubro, o núcleo da inflação, que exclui alimentos e energia, ocorreu a uma taxa anual de 2,5%, em comparação com a meta de 2%.

“Acredita-se que a política monetária afeta as condições econômicas com um certo atraso, e os efeitos completos de nosso aperto provavelmente ainda não foram sentidos”, disse Powell.

O foco de Wall Street em possíveis cortes nas taxas a curto prazo foi impulsionado pelos comentários nesta semana do governador do Fed, Christopher Waller, um dos principais defensores da contenção da inflação, que reconheceu que o banco central estaria disposto a considerar cortes nas taxas se a inflação continuar a cair. Ele citou diretrizes de política monetária, incluindo uma desenvolvida por John Taylor, da Universidade de Stanford, conhecida como a Regra de Taylor, que sugere uma taxa de juros mais baixa à medida que a inflação cai.

“As pessoas estavam esperando uma resistência mais forte contra Waller”, disse Brett Ryan, economista sênior dos EUA no Deutsche Bank, sobre a reação do mercado na sexta-feira. “Powell não disse nada diferente. Foi a falta de resistência explícita contra os comentários de Waller que o mercado está interpretando de maneira dovish.”

Os comentários de Powell, deixando aberta a possibilidade de mais aperto na política, repetiram sua visão após a última reunião do Fomc em novembro. Dois diretores - Thomas Barkin e Michelle Bowman - também levantaram a possibilidade de aumentos adicionais se a inflação se mostrar persistente.

PUBLICIDADE

Além disso, o presidente do Fed descreveu o mercado de trabalho como “muito forte”, embora tenha observado que, com a desaceleração recente, “a economia está voltando a um melhor equilíbrio entre a demanda por e a oferta de trabalhadores”.

Enquanto isso, os dados econômicos recentes continuam a ilustrar uma desaceleração na atividade. Semelhante aos resultados do último Livro Bege do Fed, os comentários da indústria na última pesquisa do Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM) de fabricantes destacaram uma crescente preocupação.

Um fabricante de produtos de informática e eletrônicos descreveu a economia como “desacelerando drasticamente”, com os clientes adiando pedidos para adequar o estoque, de acordo com o relatório do ISM divulgado na sexta-feira.

Um fabricante de produtos químicos estava “começando a sentir um amolecimento na economia” e uma perspectiva desafiadora, enquanto um fabricante de produtos de madeira disse que os altos custos de empréstimos têm “reduzido a demanda”.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Investidores ‘short-sellers’ perdem US$ 80 bilhões com rali de novembro

BTG Pactual prevê aumento na emissão de títulos da dívida externa da América Latina