Ouro sobe acima de US$ 2.200 pela primeira vez com sinalizações do Fed

Metal já sobe mais de 10% desde fevereiro, à medida que perspectivas de uma política monetária mais relaxada nos EUA ganham força

Ouro volta a se valorizar diante de perspectivas de início de corte de juros nos EUA (Foto: Andrey Rudakov/Bloomberg)
Por Sybilla Gross - Yvonne Yue Li - Jack Ryan
21 de Março, 2024 | 09:01 AM

Bloomberg — O ouro disparou acima de US$ 2.200 a onça pela primeira vez, à medida que os investidores ficam mais confiantes com um cenário de corte de juros do Federal Reserve, aumentando o apelo do ouro.

O metal precioso subiu até 1,6% para um recorde de US$ 2.220,89 no início das negociações desta quinta-feira (21), antes de reduzir os ganhos.

Desde meados de fevereiro o ouro já sobe mais de 10%, à medida que as perspectivas de uma política monetária mais flexível nos Estados Unidos geraram novas apostas em ouro por parte dos investidores.

Embora a inflação tenha surpreendido para cima, o Fed pareceu minimizar essas preocupações na quarta-feira (20): o banco central manteve sua previsão de três cortes nas taxas este ano.

PUBLICIDADE

“O que vimos ontem à noite foi um sinal verde para a volta dos traders de ouro ”, disse Chris Weston, chefe de pesquisas da Pepperstone Group. “O Fed disse que agora está tolerante com a inflação que vimos e com o fato de que a força do mercado de trabalho não será um impedimento.

”Os ganhos do ouro nas últimas cinco semanas também foram sustentados por fatores de apoio de longa data, incluindo riscos geopolíticos elevados e compras de bancos centrais, lideradas pela China.

O ouro tem sido negociado há meses em torno de US$ 2.000, um nível rompido apenas pela primeira vez em 2020, à medida que a pandemia global se espalhou.

PUBLICIDADE

Mais incomum ainda, os preços têm sido negociados em níveis tão elevados apesar das altas taxas de juros reais que normalmente são desfavoráveis ao ouro, que não paga juros.

 Metal precioso já sobe 11% desde fevereirodfd

As compras chinesas também sustentaram os preços. Além do banco central, pessoas físicas têm estocado moedas, barras de ouro e joias para proteger sua riqueza de uma queda no mercado imobiliário e das perdas no mercado de ações do país.

Ao mesmo tempo, o apelo do ouro como ativo de refúgio foi sustentado por tensões geopolíticas, ecoando sua corrida recorde no final da década de 1970. A guerra da Rússia na Ucrânia, o conflito Israel-Hamas e a iminente eleição presidencial dos EUA estão aumentando os riscos e contribuindo para o clima otimista para o ouro.

Uma movimentação em direção a US$ 2.300 a onça é um “alvo técnico razoável”, disse Marcus Garvey, chefe de estratégia de commodities do Macquarie Group.

“O fato de o Fed não ter aproveitado ontem a oportunidade de uma inflação mais forte para ser mais hawkish significa que o ouro agora está indo para um cenário de excesso de curto prazo”, disse ele.

Veja mais em bloomberg.com