Minério de ferro estaciona nos US$ 125 com perspectiva de demanda incerta

Patamar representa o nível mais baixo para o preço da matéria-prima siderúrgica desde o início de novembro

Operação de minério de ferro da Rio Tinto na Austrália
Por Liz Ng "Liz"
07 de Fevereiro, 2024 | 10:17 AM

Bloomberg — O minério de ferro fechou pela segunda sessão consecutiva a US$ 125 a tonelada, o nível mais baixo desde o início de novembro, em meio a uma perspectiva de demanda incerta.

Os futuros em Singapura chegaram a subir 1,3%, mas a alta não se sustentou. O órgão regulador do sistema financeiro da China pediu aos bancos para atender à demanda por financiamento das incorporadoras imobiliárias, e há expectativas de mais medidas para deter a derrocada das ações.

Uma queda nos estoques das principais usinas siderúrgicas chinesas, que estão no nível mais baixo em mais de dois anos, sinaliza que o minério de ferro pode se recuperar após o feriado de uma semana do Ano Novo Lunar.

LEIA +
China amplia restrições de mercado após tombo de US$ 7 tri das ações

As autoridades também relaxaram restrições a compras de imóveis em um distrito de Pequim, a mais recente de uma série de medidas para tentar impulsionar o mercado imobiliário, mas há dúvidas quanto à eficácia destes esforços.

PUBLICIDADE

“Uma onda de estímulos imobiliários desde setembro deixa apenas nove grandes cidades chinesas com restrições à compra de imóveis”, disse Kristy Hung, analista da Bloomberg Intelligence. “Isso sugere que há pouco espaço para mais flexibilização para reavivar as vendas.”

Há vários fatores que poderiam sustentar os preços do minério no curto prazo, disse a Minmetals Futures. O grupo inclui uma recuperação na demanda por aço após o feriado e políticas mais favoráveis antes do Congresso Popular Nacional no início de março, disse.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

As ações mais recomendadas para fevereiro, segundo 14 bancos e corretoras

Bradesco tem lucro de R$ 2,88 bi, abaixo do consenso, e aponta ano de transição