Mercados da Ásia indicam abertura mista, repercutindo realização de lucros em NY

Investidores se preparam para enxurrada de dados econômicos nesta semana, incluindo a divulgação do PCE e de indicadores de atividade da China

Bolsa de Tóquio
Por Matthew Burgess
25 de Fevereiro, 2024 | 07:59 PM

Bloomberg — As ações asiáticas apontam para uma abertura mista enquanto os investidores se preparam para uma enxurrada de dados econômicos nesta semana, incluindo indicadores de atividade da China e a medida preferida de inflação do Federal Reserve.

Os futuros de ações no Japão indicam ganhos no início das negociações de segunda-feira (26), enquanto os contratos na Austrália e em Hong Kong permaneceram estáveis após os índices de ações dos EUA fecharem perto da estabilidade na sexta-feira, pressionadas por realização de lucros em papéis de tecnologia. Os rendimentos dos títulos australianos de 10 anos caíram seis pontos-base depois que os Treasuries subiram na sexta-feira.

O presidente da regional de Nova York do Federal Reserve, John Williams, disse em entrevista publicada na sexta-feira que a economia está indo na direção certa e provavelmente será apropriado reduzir as taxas mais tarde este ano.

“A semana que se inicia pode trazer mais problemas do que calma - à medida que março começa com um mundo preocupado com a inflação persistente, duvidando da sabedoria dos banqueiros centrais que esperam e temendo conflitos maiores que levem a mais interrupções no comércio global,” escreveu Bob Savage, chefe de estratégia e insights de mercados no BNY Mellon, em uma nota aos clientes.

PUBLICIDADE

Nesta semana, os investidores preparam para o impacto da emissão de títulos do Tesouro e corporativos e da posição no final do mês. Há também uma série de dados econômicos a serem analisados, incluindo o núcleo do Índice de Preços das Despesas de Consumo Pessoal (PCE, na sigla em inglês) na quinta-feira, que é o indicador de inflação favorito do Federal Reserve.

Os diretores do Fed provavelmente reiterarão os comentários de Williams de que o banco central não sente pressão para começar a reduzir as taxas tão cedo.

“As recentes informações sobre inflação do CPI e emprego turvaram o momento e a magnitude dos cortes de juros nos mercados financeiros,” escreveu Stephen Gallagher, economista-chefe dos EUA na Societe Generale, em um relatório aos clientes. “Os mercados afirmam que cortes de taxa são prováveis sustenta esperanças por cortes nos próximos meses, embora não em março.”

PUBLICIDADE

Em outros mercados, a Zâmbia disse ter alcançado um acordo sobre a reestruturação da dívida com a China e a Índia, enquanto investidores de mercados emergentes se acumulam em dívidas africanas em busca de rendimento.

Enquanto isso, os EUA e a China discutem novas medidas para evitar uma onda de calotes em mercados emergentes, incluindo formas de estender preventivamente os períodos de empréstimo antes que os países deixem de fazer pagamentos.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Investidor por trás de acordo com Tiger Woods mira expansão no mundo do golfe

Warren Buffett nos lembra do maior conselho de Charlie Munger