Mercado de dívida privada pode dobrar para US$ 3,5 tri até 2028, diz BlackRock

Analistas da maior gestora do mundo vê com o otimismo a expansão do mercado de dívida privada nos próximos anos

Sede da BlackRock em Nova York
Por Silla Brush
26 de Outubro, 2023 | 04:17 PM

Bloomberg — A BlackRock (BLK) prevê que o mercado global de dívida privada dobrará aproximadamente para US$ 3,5 trilhões até 2028, uma das previsões mais otimistas até o momento sobre o crescimento dessa indústria.

A gestora de recursos avalia que “mudanças tectônicas” nos mercados financeiros levarão mais tomadores de empréstimos a buscar fundos privados para financiamento, especialmente à medida que alguns bancos se afastam da concessão de empréstimos, de acordo com uma nota publicada na quinta-feira (26) por Amanda Lynam, chefe de pesquisa de crédito macro da BlackRock.

LEIA +
Gigante global abre escritório em Miami para atender ultrarricos latinos

“À medida que o mercado de dívida privada continua a crescer em tamanho, sua capacidade de competir diretamente com os mercados de financiamento de dívida pública provavelmente se expandirá”, escreveu Lynam, acrescentando que há um crescente apetite entre investidores institucionais e de varejo pelos ativos.

A BlackRock disse que espera que a dívida privada cresça a uma taxa anual composta de cerca de 15% nos próximos cinco anos.

PUBLICIDADE

O mercado atualmente é estimado em US$ 1,6 trilhão e poderia chegar a US$ 1,75 trilhão até o final do ano, de acordo com o artigo.

A Preqin, empresa que rastreia dados sobre o mercado de investimentos alternativos, disse neste mês que a dívida privada global atingirá US$ 2,8 trilhões até 2028.

A BlackRock está entre muitas grandes gestoras de ativos que estão se expandindo nos mercados de crédito privado, criando novos fundos, adquirindo ou se associando a investidores especializados e prevendo um crescimento significativo do mercado.

PUBLICIDADE

Embora os mercados privados como um todo tenham passado por um dos períodos de captação de recursos mais difíceis desde a crise financeira global, o crédito privado tem se mantido relativamente bem.

As negociações de crédito privado são tipicamente de taxa flutuante, tornando-as menos expostas a taxas de juros mais altas do que investimentos de taxa fixa.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

De CFO a RI: quais são os cargos com os maiores salários na área de finanças

Economia dos EUA tem maior crescimento desde 2021, impulsionada por consumo