Ibovespa avança com bancos, Petrobras e Vale; dólar cai a R$ 5,13

Índice avança nesta segunda-feira (13) apesar de projeções mais altas para a taxa Selic no fim do ano; balanço da Petrobras é destaque do dia

Vale e Bradesco
13 de Maio, 2024 | 10:33 AM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) avança nesta segunda-feira (13), impulsionado pelos ganhos de commodities e de ações como Petrobras (PETR3; PETR4) e Vale (VALE3).

Por volta das 10h30 (horário de Brasília), o índice subia 0,47%, aos 128.202 pontos, enquanto o dólar recuava 0,58%, a R$ 5,13. A sessão também é de ganhos para ações de grandes bancos.

Investidores monitoram hoje a divulgação do balanço do primeiro trimestre de empresas como Petrobras (PETR3; PETR4), BTG Pactual (BPAC11), Azul (AZUL4) e Raízen (RAIZ4).

Mais cedo, o BTG Pactual (BPAC11) reportou lucro líquido ajustado de R$ 2,9 bilhões nos três meses até março, um crescimento anual de 27,7%. Houve ainda recorde de receitas totais no período, que somaram R$ 5,9 bilhões, incremento de 22,7%.

PUBLICIDADE

Leia mais: Juro alto e incerteza fiscal frustram retomada de M&As, diz sócio do Pinheiro Neto

Segundo o banco, o maior lucro já registrado em um trimestre foi possível graças ao aumento da captação líquida, das franquias de clientes e da diversificação de seus negócios, em meio a um cenário macroeconômico desafiador.

Na agenda do dia, o relatório Focus, do Banco Central, revisou para cima suas expectativas para a inflação e para taxa básica de juros.

PUBLICIDADE

Os economistas consultados pela autoridade monetária veem agora alta de 3,76% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) este ano, e de 3,66% em 2025, ante projeções de 3,72% e 3,64%, respectivamente, na semana anterior.

O ambiente de maior pressão inflacionária deve contribuir para uma menor flexibilização monetária, segundo os economistas consultados pelo BC, que veem agora uma Selic de 9,75% em dezembro, ante estimativa anterior de 9,63% ao ano.

A previsão para o PIB também subiu, de 2,05% para crescimento de 2,09% em 2024.

A tragédia no Rio Grande do Sul segue no radar, com o mercado tentando estimar os impactos para a economia. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o governador do estado, Eduardo Leite, debaterão nesta segunda a suspensão da dívida do estado com o governo federal.

Nos próximos dias, falas de membros do Federal Reserve, bem como os dados da inflação do CPI nos Estados Unidos devem ditar o rumo dos mercados, com investidores buscando nos números pistas sobre o rumo dos juros no país.

-- Com informações da Bloomberg News

Mariana d'Ávila

Editora assistente na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.