Ibovespa cai antes do Carnaval, com recuo de ações de bancos, Vale e Petrobras

Principal índice de ações da bolsa brasileira tinha perdas, após fechar no vermelho no pregão anterior

Ibovespa subia nesta sexta-feira (9)
09 de Fevereiro, 2024 | 11:03 AM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) operava em queda na tarde desta sexta-feira (9), antes do Carnaval, quando a bolsa estará fechada. O índice caía 0,27% aos 128.869 pontos, por volta das 14h32, no horário de Brasília.

A queda era puxada pelo recuo de ações de empresas como Banco do Brasil (BBAS3), Bradesco (BBDC4), Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3; PETR4), que estão entre as de maior peso.

O dólar, por sua vez, era negociado a R$ 4,96, com queda de 0,69% no mesmo horário.

LEIA +
Totvs: por que o CEO espera um resultado melhor em 2024 após queda na margem

Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os resultados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), que mostrou um crescimento de 0,3% em dezembro.

PUBLICIDADE

A Petrobras caía após divulgar um crescimento de 2% na produção do quarto trimestre de 2023. A produção total de derivados foi de 1.772 milhões de barris por dia (bpd).

No pregão ontem, 8 de fevereiro, o Ibovespa fechou no vermelho, com queda de -1,33%, aos 128.217 pontos. O volume das negociações ficou em R$ 1.363.494.300.

As ações com as maiores altas foram: Pet Center Comercio e Participacoes SA (PETZ3), com +3,18%; CVC (CVCB3), com +1,94%; TIM SA/Brazil (TIMS3), com +1,15%.

PUBLICIDADE

As de maior queda foram: Azul (AZUL4), com -4,84%; Hapvida (HAPV3), com -5,19%; MRV (MRVE3), com -9,46%.

No ano, o Ibovespa acumulava queda de 4,45% até o pregão anterior.

Os mercados nesta manhã (10h40, horário de Brasília):

  • Ibovespa 0,19%
  • Dólar -0,61%
  • Euro -0,50%
  • Bitcoin 4,71%

--- Conteúdo elaborado com auxílio de dados automatizados da Bloomberg. Atualizada para incluir informações mais recentes.

Leia também:

Cielo: acionistas se articulam por preço mais alto em oferta de Bradesco e BB

IPCA: alta da inflação de serviços reforça a cautela do Copom, dizem economistas

Deutsche vê aposta de Selic a 8% ao ano sob ameaça fiscal, diz estrategista