Fed arrisca perder o controle das mensagens sobre juros, diz Mohamed El-Erian

Para economista da Allianz, Fed deveria tolerar uma inflação ligeiramente mais alta em vez de empurrar a economia para uma recessão para atingir meta de 2%

Mohamed El-Erian
Por Philip Aldrick
05 de Dezembro, 2023 | 01:47 PM

Bloomberg — O economista-chefe da Allianz, Mohamed El-Erian, afirmou que o Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos está perdendo o controle de sua comunicação sobre as taxas de juros, e os mercados financeiros estão errados em esperar cortes.

El-Erian, colunista da Bloomberg Opinion, sugeriu que o Fed pode tolerar uma inflação mais alta em vez de empurrar a economia para uma recessão para atingir sua meta de 2%. No entanto, ele também afirmou que os investidores estão reagindo exageradamente ao precificar cortes acentuados nas taxas de juros.

Os preços de mercado têm oscilado intensamente nos últimos dias, à medida que os traders apostam em uma queda nos custos de empréstimos diante de sinais de que a inflação está caindo e dos comentários do presidente do Fed, Jerome Powell, de que as ações tomadas até agora levaram a política “bem para dentro de território restritivo”.

LEIA +
Bill Ackman aposta que o Fed cortará os juros já no primeiro trimestre de 2024

Em entrevista à Bloomberg Radio nesta terça-feira (5), El-Erian alertou que o Fed precisa recuperar sua credibilidade na orientação futura com os mercados, ou a recente “flexibilização tremenda das condições financeiras” minará sua política.

PUBLICIDADE

“Eu acredito que o Fed tenha encerrado o ciclo de elevação das taxas, mas não acho que isso valide o que está nos mercados sobre cortes nas taxas no próximo ano”, disse ele. “Eles ainda têm um problema significativo de comunicação e ainda têm um problema de credibilidade.”

“O objetivo principal da orientação futura é fazer com que os mercados o ouçam e para que os mercados assumam o peso que você dá às coisas. O que estamos vendo agora é que a orientação futura, como vimos na última sexta-feira, está sendo completamente ignorada pelo mercado.”

“Basicamente, o mercado está dizendo ao Fed: ‘Não me importo com o que você pensa sobre uma taxa de juros que você estabeleceu, acho que você vai fazer algo completamente diferente’. Isso é uma declaração significativa do mercado para o Fed.”

PUBLICIDADE

El-Erian disse que o Fed vai querer ver mais sinais de alívio no mercado de trabalho antes de flexibilizar a política e que a persistência da inflação no setor de serviços é preocupante.

Ele afirmou que os bancos centrais precisam ser “mais humildes” sobre seu papel, pois vivemos em um mundo diferente, com mercados de trabalho e cadeias de abastecimento menos flexíveis.

Em vez de combater a inflação de forma agressiva agora, o Fed deve “continuar a nos prometer 2% no futuro, mas tolerar uma inflação mais alta, ou seja, não chegar a 2% muito rapidamente”.

Mudanças pós-pandêmicas nos mercados de trabalho e cadeias de abastecimento podem tornar uma meta de inflação de 3% preferível, mas o Fed “não vai revisar para cima a meta de 2% porque não quer minar sua credibilidade”, disse ele.

“No final, a escolha diante do Fed é a seguinte: ou eles se mantêm em 2% e arriscam mergulhar a economia em uma recessão; ou toleram uma inflação ligeiramente mais alta, não empurram a economia para uma recessão e descobrem que isso é estável, que não desanima as expectativas inflacionárias”, disse ele. “Minha esperança é que eles optem pela segunda opção.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDADE

Ex-Pimco Bill Gross ganha milhões com aposta em queda de juros

CEO da Vale diz que China não pode controlar preço do minério de ferro

Investidores ‘short-sellers’ perdem US$ 80 bilhões com rali de novembro