Balanços, inflação e estratégias de expansão: os eventos que movem os mercados

Os investidores se debruçam sobre a nova leva de balanços, com o setor de luxo na dianteira, as perspectivas sobre juros e estratégias de expansão empresariais

Estes são os eventos que orientam os investidores e movem os mercados hoje
09 de Fevereiro, 2024 | 07:16 AM

Barcelona, Espanha — A safra de balanços nos Estados Unidos vai minguando e, na Ásia, chega o feriado prolongado do Ano Novo Lunar, com os mercados fechados por uma semana na China, Taiwan, Coreia do Sul, Indonésia, Filipinas e Vietnã.

🤑 Fome de bônus. Os investidores em títulos passaram a semana fazendo malabarismos com uma série de emissões pelos EUA muito bem recebidas pelo mercado, contrastando com as mensagens cautelosas de dirigentes do Federal Reserve sobre cortes de juros. A revisão anual dos dados mensais da inflação ao consumidor dos EUA atrai a atenção na sexta-feira, pois pode ter implicações na política monetária. A divulgação regular da inflação dos EUA está prevista para próxima terça-feira, 13.

📊 No front corporativo. O tom dos balanços foi mais positivo que negativo, o que sustentou o bom humor nas bolsas ao longo da semana. Em média, o lucro por ação de empresas do S&P 500 subiu +6,5% no quarto trimestre, contra uma estimativa média de +1,5% dos analistas. E não só as tecnológicas apresentaram bons números. De Disney a Unilever, companhias de vários setores cumpriram ou superaram as projeções do mercado.

Assine a newsletter matinal Breakfast, uma seleção da Bloomberg Línea com os temas de destaque em negócios e finanças no Brasil e no mundo.

🛍️ No setor de luxo... A Hermès apresentou bons números: a fabricante da bolsa Birkin resistiu à desaceleração da demanda com seu modelo exclusivo, impulsionado pela escassez de seus produtos. Suas vendas subiram 17,5% no quarto trimestre, na base anual, e a empresa também anunciou planos para um dividendo excepcional de €10 por ação. Já a L’Oreal, dona da Lancôme, decepcionou os analistas devido a um baque nas compras por viajantes chineses. Embora as vendas tenham subido +6,9% no último trimestre do ano, ficaram abaixo do esperado.

PUBLICIDADE

🔋 Carregando as baterias. Automotive Cells Company, empresa de baterias para carros elétricos comandada por Stellantis e Mercedes-Benz, está perto de levantar €4,4 bilhões (US$ 4,7 bilhões) em dívidas para financiar sua expansão na Europa, disseram fontes à Bloomberg. As conversas com bancos já estão em andamento e um acordo de dívida poderia sair nos próximos dias. Os recursos seriam empregados na expansão de sua fábrica existente na França e no financiamento de instalações semelhantes na Alemanha e na Itália. Um consórcio de bancos comerciais, como o BNP Paribas SA e credores estatais, incluindo a Bpifrance, pode apoiar o pacote de dívidas, disseram estas fontes.

💷 Agitação bancária. O Barclays anunciou a compra de uma parcela significativa do negócio bancário da Tesco, com o objetivo de expandir sua presença no setor de banco de varejo no Reino Unido. A transação deverá custar ao banco londrino o equivalente a US$ 758 milhões. A Tesco disse que espera receber cerca de US$ 1,3 bilhão com a venda, o que inclui a liberação de capital regulatório e um dividendo anterior do Banco Tesco, e que planeja usar a maior parte desse valor para a recompra de ações. Essa movimentação estratégica se alinha às declarações recentes do CEO do Barclays, C.S. Venkatakrishnan, sobre a necessidade de crescimento no banco de varejo para reduzir o domínio da divisão de banco de investimento no portfólio da empresa.

✂️ Quando começam os cortes? O Banco Central Europeu (BCE) deve baixar as taxas de juros em 2024, à medida que a inflação deve convergir para a meta de 2% no próximo ano, acredita François Villeroy de Galhau, presidente do Banco da França. Embora os operadores antecipem um corte inicial da taxa já em abril, a maioria dos membros do BCE tende para junho. Villeroy mencionou que nenhuma data específica foi descartada e que decisões futuras dependerão dos dados recebidos.

PUBLICIDADE

📈 O vaivém dos ativos. Os contratos futuros de índices dos EUA operavam com pequenas variações, perto da estabilidade. As bolsas europeias iam em direções variadas. No encerramento do mercado acionário da Ásia, onde o mercado chinês ficará fechado por uma semana pelas festividades do Ano Novo Lunar, predominou a alta.

Os prêmios dos títulos soberanos dos EUA a 10 anos hoje subiam. Os contratos de petróleo WTI avançava, assim como aqueles atrelados ao ouro. O bitcoin se valorizava com força.

(Com informações de Bloomberg News)

🗓️ AGENDA: Os eventos e indicadores em destaque hoje e na semana →

Os mercados esta manhãdfd
🔘 As bolsas ontem (08/02): Dow Jones Industrials (+0,13%), S&P 500 (+0,06%), Nasdaq Composite (+0,24%), Stoxx 600 (-0,07%), Ibovespa (-1,33%)
Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 13 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e fez um mestrado em Digital Business na ESADE.