Mercados

Balanços, debilidade da China e política do BoJ: os eventos que movem os mercados

Os investidores se preparam para o fechamento de outubro antes da decisão do Fed, amanhã, e monitoram os desdobramentos da guerra de Israel contra o Hamas

Estes são os eventos que orientam os investidores e movem os mercados hoje
Por Bianca Ribeiro e Michelly Teixeira
31 de Outubro, 2023 | 06:43 AM

Barcelona, Espanha — O último pregão de outubro coloca em foco a decisão do Banco do Japão (BoJ) de manter os juros negativos, os dados mais fracos de produção na China e novos balanços corporativos, como o da Samsung. No front geopolítico, Israel descartou um cessar-fogo contra Gaza e fez ataques aéreos a alvos no Líbano ligados ao Hezbollah.

LEIA +
Maior relaxamento no controle do BOJ sobre os bônus decepciona os otimistas do iene

🇯🇵 Decepção para os otimistas do iene. O Banco do Japão (BoJ) frustrou as expectativas do mercado e decidiu seguir com a taxa de juros negativa, provocando recuo do iene. A autoridade monetária também avisou que será mais flexível no controle de rendimentos da dívida pública de 10 anos, ao informar que o nível de 1% agora é um ponto de referência, uma mudança em relação a uma promessa anterior de compras diárias de títulos a 1%, que marcava uma linha para o rendimento.

🧧 Fragilidade persiste. A China ainda traz sinais controversos sobre o rumo da economia e apontou um recuo do índice oficial de gerentes de compras (PMI) do setor industrial para 49,5 em outubro, ante 50,2 apurados em setembro. No setor de serviços, a expansão se abrandou de 51,7 para 50,6 no mesmo período, sinalizando que a economia do país ainda está frágil.

🍺 Ganhos em linha. O lucro ajustado da AB InBev subiu 4,1% para US$5,4 bilhões no terceiro trimestre, com receita de US$15,6 bilhões, pouco acima do estimado pelo mercado. Mesmo com a dificuldade das vendas nos EUA, que caíram 13,5% sob efeito de uma campanha da Bud Light, a empresa manteve a previsão de alta do lucro no ano entre 4% e 8%. No Brasil, as vendas cresceram 5,3%, com a receita por hectolitro 5,5% maior no período.

PUBLICIDADE

🚘 GM fecha acordo. Depois da Ford e da Stellantis, a General Motors chegou a um acordo provisório com o sindicato United Auto Workers (UAW), que inclui um aumento salarial de 25% por hora, além de subsídios de custo de vida até abril de 2028. Os termos para encerrar a greve de seis semanas, que custou bilhões de dólares ao setor, são semelhantes aos acordos com a Ford e a Stellantis e ainda precisam ser aprovados pelos 46 mil sindicalistas da GM. O presidente presidente dos EUA, Joe Biden, comemorou a notícia.

🆙 Recuperação em andamento. A Samsung avalia que o mercado de chips de memória está a caminho de uma recuperação, com uma rápida redução de estoques e a ajuda da demanda da inteligência artificial. O lucro líquido da sul-coreana somou 5,5 trilhões de won (US$4,1 bilhões), mais que o dobro do estimado (2,52 trilhões de won). Na divisão de chips, o prejuízo operacional de 3,75 trilhões de won foi bem menor do que o apurado no trimestre anterior (4,4 trilhões de won).

LEIA +
Por que Instagram e Facebook terão versão paga para usuários na Europa

💲 Aquisição de relevo. A Zegona Communications concordou em comprar por €5 bilhões (US$5,3 bilhões), incluindo dívidas, os negócios espanhóis da inglesa Vodafone, que é a terceira maior operadora na Espanha. Para isso, disse ter obtido um financiamento de €4,2 bilhões e um crédito rotativo de €500 milhões de euros. A Vodafone fornecerá financiamento de até €900 milhões através de um veículo de investimento que comprará novas ações da Zegona.

PUBLICIDADE

👁️‍🗨️ Otimismo em revisão. O estrategista-chefe da JPMorgan, Marko Kolanovic, disse que as expectativas para os lucros de dois dígitos nos próximos trimestres terão de ser revistas para baixo, pois estão “divorciadas” do cenário de demanda mais fraca, redução do poder de precificação das empresas em meio a juros restritivos e aumento dos riscos geopolíticos. Um indicador de apetite por risco do Goldman Sachs caiu abaixo de zero, para seu nível mais baixo desde maio, sugerindo preocupações com o crescimento econômico, segundo a estrategista Cecilia Mariotti.

📈 O vaivém dos ativos. Os contratos futuros de índices dos EUA operavam quase todos com valorização discreta. As bolsas europeias subiam, ajudadas pela alta das ações da AB InBev e da Stellantis após divulgação de resultados. Na Ásia, o fechamento foi majoritariamente negativo, embora o índice japonês Nikkei tenha fechado com ganhos. Em outros mercados, o prêmio de risco do título de 10 anos dos EUA, em queda, era de 4,84%. No mercado cambial, o euro e a libra esterlina se apreciavam frente ao dólar, assim como o iene. O ouro operava perto da estabilidade, acima de US$2.000, e os contratos de petróleo bruto WTI subiam, cotados ao redor de US$82 por barril.

(Com informações de Bloomberg News)

LEIA +
Goldman prevê que IA vai dar impulso ao PIB global, com EUA à frente
Os mercados esta manhãdfd

🟢 As bolsas ontem (30/10): Dow Jones Industrials (+1,58%), S&P 500 (+1,20%), Nasdaq Composite (+1,16%), Stoxx 600 (+0,36%) , Ibovespa (-0,68%)

As bolsas dos EUA retomaram o sinal positivo e o petróleo caiu, com a perspectiva de que o ataque terrestre de Israel a Gaza será menos extenso do que o previsto pelos investidores. A Amazon liderou os ganhos, mas a Tesla contrariou a tendência e caiu quase 5%.

Saiba mais sobre o vaivém dos Mercados e se inscreva no After Hours, a newsletter vespertina da Bloomberg Línea com o resumo do fechamento dos mercados.

Na Agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

EUA: PMI de Chicago/Out, Índice do Custo do Emprego/3T23, Índice Redbook, Índice de Preços de Imóveis/Ago, Preços de Imóveis S&P/CS Composto/Ago, Confiança do Consumidor CB/Out, Estoques de Petróleo Bruto Semanal-API

Europa: Zona do Euro (PIB/3T23, IPC/Out); Alemanha (Preços de Bens Importados/Set, Vendas no Varejo/Set); França (IPC/Out, IPP/Set, Gasto dos Consumidores/Set, PIB/3T23); Itália (PIB/3T23, IPP/Set); Espanha (Transações Correntes/Ago); Portugal (IPC/Out, PIB/3T23)

Ásia: Hong Kong (PIB/3T23, Massa Monetária, Vendas no Varejo/Set, Ativos de Reserva Oficiais/Set); Japão (Encomendas de Construção/Set, Índice da Confiança Entre as Famílias/Out, Construção de Novas Casas/Set, PMI Industrial/Out); China (PMI Industrial-Caixin/Out)

PUBLICIDADE

América Latina: Brasil (Taxa de Desemprego); Argentina (Receita Tributária); México (PIB 3/T23)

Bancos centrais: Discurso de Joachim Nagel, Presidente do Bundesbank

Balanços: Pfizer, AMD, Caterpillar, BP, Stellantis, Ambev, BASF, Toyota

🗓️ Os eventos de destaque na semana →

Leia também:

PUBLICIDADE

O que muda com as indicações de Paulo Pichetti e Rodrigo Teixeira para o BC

BlackRock recomenda ações de mineradoras como aposta em baixo carbono

Bianca Ribeiro

Bianca Ribeiro

Jornalista especializada em economia e finanças, com passagem por redações e veículos focados em economia, como Valor Econômico, Agência Estado e Folha de S.Paulo.

Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 13 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e fez um mestrado em Digital Business na ESADE.