Ações operam perto de estabilidade antes de dados de emprego nos EUA em maio

Consenso do mercado aponta para criação de 185 mil vagas pelo payroll, segundo a Bloomberg; na Europa, autoridades do BCE reforçam postura de cautela apesar de corte do juro

Estes são os eventos que orientam os investidores e movem os mercados hoje
07 de Junho, 2024 | 06:28 AM

Bloomberg Línea — As ações europeias abriram pouco abaixo de recordes históricos, enquanto traders aguardam para saber se os dados mais recentes de emprego dos EUA, que serão divulgados nesta sexta-feira (7), vão consolidar as apostas na flexibilização da política monetária do Fed nos próximos meses.

O payroll de maio, que sai às 9h30 de Brasília, deve apresentar criação de 185.000 vagas, segundo pesquisa da Bloomberg no mercado, depois de um aumento de 175.000 postos de trabalho em abril.

O índice Stoxx 600 da Europa caía perto de 0,10%, após atingir recordes nesta semana, com o Banco Central Europeu (BCE) iniciando seu ciclo de flexibilização da política.

Leia mais: BC Europeu reduz juro em 0,25 ponto, mas não se compromete com ciclo de cortes

PUBLICIDADE

Enquanto as ações de tecnologia subiram mais uma vez, os ativos de empresas de real estate e seguros caíram, diante do sinal do BCE de que não se apressará em cortar as taxas rapidamente. Os futuros de ações dos EUA mantiveram-se estáveis, enquanto o índice do dólar da Bloomberg diminuiu.

Embora os traders estejam cautelosos em fazer grandes apostas nesta sexta-feira, as ações globais estão a caminho de interromper uma sequência de duas semanas de perdas.

As expectativas de corte de taxas aumentaram na última semana, incentivadas por dados dos EUA mais fracos do que o previsto, bem como pelos cortes de taxas do Banco do Canadá e do BCE. Um índice da Bloomberg de títulos governamentais globais registrou sua maior sequência de alta desde novembro.

Homin Lee, estrategista macro sênior da Lombard Odier, disse que uma recente série de dados mais fracos dos EUA, incluindo pedidos de auxílio-desemprego e custos trabalhistas, apontava para um “reequilíbrio tranquilo” na economia que poderia indicar uma desaceleração na inflação do setor de serviços.

“Essa combinação parece ter dado mais convicção aos investidores em títulos em suas negociações. Veremos se o relatório de emprego desta sexta reforça isso”, disse Lee.

Assine a newsletter matinal Breakfast, uma seleção da Bloomberg Línea com os temas de destaque em negócios e finanças no Brasil e no mundo.

- BCE reforça recado. Um dia após o corte de juro na zona do euro, diferentes autoridades do Banco Central Europeu ecoaram o aviso da véspera de que não há compromisso com novas reduções diante do quadro inflacionário.

PUBLICIDADE

- Sinal de hard landing. Estrategistas do Bank of America, liderados por Michael Hartnett, disseram em relatório que um eventual corte de juro pelo Fed seria um sinal de problemas na economia dos EUA, o que poderia levar a um quadro de hard landing.

- ‘Medo da China’. O chairman e fundador da BYD, Wang Chuanfu, disse que muitos políticos na Europa e nos EUA estão com medo da qualidade dos carros chineses, em referência a potenciais novas tarifas impostas.

(Com informações de Bloomberg News)

🗓️ AGENDA: Os eventos e indicadores em destaque hoje e na semana →

Veja os indicadores dos mercados globais nesta sexta-feira, 7 de junho de 2024dfd
🔘 As bolsas ontem (06/06): Dow Jones Industrials (+0,20%), S&P 500 (-0,02%), Nasdaq (-0,10%), Stoxx 600 (+0,66%), Ibovespa (+1,23%)