Ações na Ásia apontam para abertura com cautela depois de novos dados nos EUA

Dados de atividade no setor de manufatura em março acima do esperado reforçaram a tese de que o início do ciclo de corte de juros pode ser mais uma vez adiado pelo Fed

Monitores com cotações do iene: investidores e autoridades atentos aos movimentos da moeda japonesa (Foto: Soichiro Koriyama/Bloomberg)
Por Richard Henderson - Rita Nazareth
01 de Abril, 2024 | 07:52 PM

Bloomberg — As ações asiáticas estavam preparadas para uma abertura cautelosa nesta manhã de terça-feira (2) depois que os índices nos EUA recuaram e os Treasuries tiveram uma onda vendedora, à medida que dados sólidos sobre fábricas em março reforçaram a tese de que o Federal Reserve não terá pressa em cortar as taxas de juros.

Os futuros de ações do Japão subiram ligeiramente nesta terça-feira, ajudados por um iene mais fraco, enquanto os mercados de ações da Austrália e de Hong Kong voltarão a operar após feriados. O S&P 500 caiu 0,20% na segunda-feira, enquanto o Nasdaq Composite subiu 0,11%.

Os Treasuries caíram em toda a curva na segunda-feira - com os rendimentos dos títulos de 10 anos, portanto, subindo mais de 10 pontos-base -, à medida que um indicador da indústria do ISM se expandiu de forma inesperada pela primeira vez desde setembro de 2022 -, enquanto os custos de insumos aumentaram.

Leia mais: Japão encerra política de juro negativo e eleva taxa pela primeira vez em 17 anos

PUBLICIDADE

Após a divulgação do relatório, o tamanho de alívio monetário do Fed precificado em contratos de swap para este ano caiu para cerca de 65 pontos-base — menos do que o previsto pelos próprios formuladores de política monetária do Fed segundo divulgado em sua última reunião, de 75 pontos-base.

As ações também perderam impulso após o S&P 500 registrar seu quinto mês consecutivo de ganhos.

Os rendimentos dos títulos australianos de 10 anos seguiram seus equivalentes dos EUA, subindo 12 pontos-base no início da negociação na terça-feira.

PUBLICIDADE

“Os investidores de fato estão antecipando a possibilidade de mais uma mudança hawkish do Fed”, disse José Torres, da Interactive Brokers. “O primeiro corte de juros do Fed pode chegar no segundo semestre, com probabilidades de uma redução em junho se aproximando das probabilidades de uma moeda lançada ao ar.”

Na sexta-feira (5), espera-se que um relatório mostre que a geração de empregos continuou com vigor em março, enquanto o crescimento salarial teve moderação. O presidente do Fed, Jerome Powell , que está programado para falar na quarta-feira (3), disse na última sexta-feira (29) que as autoridades estão aguardando mais evidências de que os preços estão contidos rumo à meta de 2%.

O iene se estabilizou no início da negociação de terça após enfraquecer em direção a 152 por dólar na segunda (1). A queda aumentou o risco de que autoridades japonesas possam intervir no mercado.

O dólar subiu. O petróleo e o ouro também avançaram à medida que um ataque israelense na Síria ameaçava ampliar o conflito no Oriente Médio.

Já havia uma venda de títulos em curso antes das manchetes, disseram Ian Lyngen e Vail Hartman, da BMO Capital Markets. “Os preços nos futuros sugerem que o pêndulo de sentimento nas taxas dos EUA pode estar se deslocando para a direção hawkish, e isso pode acontecer sem que seja dito que há amplo espaço para as expectativas mudarem significativamente à medida que mais dados forem revelados”, observaram.

Veja mais em Bloomberg.com