Quem é o único empreendedor — e não herdeiro — entre os bilionários do mundo

Ryan Breslow, de 29 anos, tem uma fortuna de US$ 1,1 bilhão vinda de sua startup de pagamentos, a Bolt; saiba mais quem ele é

Ele é o único empreendedor na lista dos 10 ricos mais jovens do mundo com ao menos US$ 1 bilhão (Foto: Taylor Hill/Getty Images)
11 de Junho, 2023 | 07:45 AM

Bloomberg Línea — Saiu recentemente a lista das pessoas mais ricas do mundo. Entre elas, surpreendeu o fato de o mais jovem, o herdeiro da Ray-Ban, Clemente Del Vecchio, ter apenas 19 anos. Dos 10 mais jovens, no entanto, somente um não herdou sua fortuna dos negócios da família — é o caso de Ryan Breslow, de 29 anos.

Com uma fortuna estimada em US$ 1,1 bilhão, Breslow é fundador da startup de pagamentos Bolt e atualmente preside o conselho da empresa.

Segundo a Forbes, o empreendedor abandonou a faculdade em Stanford em 2014 para começar o negócio. A companhia perdeu mais da metade de seu valor desde janeiro do ano passado, mas ainda é avaliada em cerca de US$ 5 bilhões.

O americano também lidera, há um ano e meio, uma startup voltada para o bem-estar, chamada Love, e fundou uma plataforma digital global de criptomoeda que pode ser usada como ferramenta de pagamento para transações de uso diário, a Eco.

PUBLICIDADE

Breslow ficou famoso quando a Bolt obteve uma avaliação de US$ 11 bilhões no ano passado. Na mesma semana, ele fez uma série de tuítes inflamados atacando os fundadores da startup rival Stripe e seus patrocinadores como os “chefes da máfia” do Vale do Silício, apenas para deixar as operações diárias da empresa logo depois. A Bolt, onde Breslow ainda atua como presidente, mais tarde resolveu um processo movido por um grande cliente, o Authentic Brands Group, e demitiu centenas de funcionários.

Originalmente, Breslow imaginou que a Love Health, e seu site, o Love.com, arrecadariam US$ 10 milhões com uma avaliação de US$ 300 milhões, de acordo com fontes, e que apresentaria um projeto de criptomoedas comunitário e regimes terapêuticos assistidos por psicodélicos. Mas a crise tecnológica fez com que Breslow lançasse primeiro uma versão mais modesta e — ele espera — lucrativa da empresa, concentrando-se no comércio eletrônico.

“Angariar dinheiro não é o que era há 18 meses”, disse Breslow à época do lançamento da empresa, em maio deste ano. “As expectativas são maiores para a capital. Você tem que executar e mostrar resultados.”

PUBLICIDADE

A Love levantou US$ 15 milhões de investidores, incluindo Human Capital e MaC Venture Capital, com os US$ 7,5 milhões mais recentes provenientes de uma série de negócios que serão posteriormente convertidos em patrimônio.

De acordo com o site oficial da Bolt, no tempo livre, Breslow gosta de “dançar e praticar ioga e mindfulness”. Por isso, preside o The Movement, uma instituição de caridade que oferece aulas de dança gratuitas para comunidades carentes em Miami que, de outra forma, não se envolveriam com a dança e as artes devido a restrições financeiras.

Ele recentemente se mudou para Porto Rico de sua terra natal, Miami, que se tornou cada vez mais popular entre os empresários de tecnologia, para buscar o que ele chama de uma vida mais equilibrada, focada exatamente no bem-estar e na meditação.

-- Com informações de Bloomberg News

Leia também:

Super-ricos ampliam alocação em fundos hedge em cenário macro mais incerto

Fortuna de US$ 4,5 trilhões: a unidade do JPMorgan que mira ultra-ricos globais

Menos metaverso, mais vida real: a virada de Zuckerberg, US$ 44 bi mais rico

Tamires Vitorio

Jornalista formada pela FAPCOM, com experiência em mercados, economia, negócios e tecnologia. Foi repórter da EXAME e CNN e editora no Money Times.