Milei corta subsídios federais e preço do metrô sobe 360% em Buenos Aires

Tarifas passaram de 125 para 574 pesos, equivalente agora a US$ 0,64, em medida relacionada ao programa de reequilíbrio fiscal do presidente da Argentina

Costos del transporte público en Latinoamérica suben: así quedan los precios en 2024
Por Patrick Gillespie
17 de Maio, 2024 | 12:46 PM

Bloomberg — Passageiros do transporte público em Buenos Aires passaram a pagar novas tarifas do metrô que mais do que quadruplicaram - um aumento de 360% - em relação aos valores anteriores nesta sexta-feira (17), uma consequência do programa de austeridade nas contas públicas do presidente Javier Milei.

Os preços no sistema de metrô mais antigo da América Latina subiram de 125 pesos para 574 pesos (o equivalente a 64 centavos de dólar), uma das maiores mudanças desde que Milei assumiu o cargo em 10 de dezembro.

Leia mais: Sob Milei, bancos da Argentina voltam a oferecer financiamento imobiliário

Embora o metrô seja regulado pela cidade e operado por uma empresa, Milei decidiu cortar subsídios federais para o transporte público em geral, o que obrigou alguns governos locais a aumentar os preços.

PUBLICIDADE

Um juiz argentino suspendeu uma ordem judicial temporária na quinta-feira (16) que havia suspendido o aumento programado de preços, segundo o jornal La Nacion.

dfd

Os preços dos ônibus e dos trens na região metropolitana de Buenos Aires já aumentaram também, mas sem um movimento único como o do metrô.

Na verdade, o governo de Milei adiou reajustes adicionais nos preços do transporte - o aumento nas tarifas do metrô deveria ter ocorrido no início deste ano.

As passagens no metrô estavam previstas para chegar a 757 pesos em junho, de acordo com o Diário Oficial do governo da cidade em fevereiro, embora agora não esteja claro se os preços ainda subirão novamente no próximo mês.

Embora as tarifas altamente subsidiadas do metrô fossem amplamente consideradas insustentáveis, os argentinos em todo o país enfrentam uma inflação anual na casa de 300%, salários sem reajuste real e uma recessão cada vez mais profunda independentemente dos preços do transporte público.

Veja mais em bloomberg.com

©2024 Bloomberg L.P.