Sob Milei, bancos da Argentina voltam a oferecer financiamento imobiliário

Argentinos fazem fila nos bancos em busca de empréstimos para a aquisição de imóveis, depois de seis anos de baixa oferta de crédito; queda dos juros impulsiona o mercado

Javier Milei
Por Ignacio Olivera Doll - Kevin Simauchi
14 de Maio, 2024 | 02:13 PM

Bloomberg — A queda das taxas de juros desde que o presidente Javier Milei tomou posse em dezembro ressuscitou os financiamentos imobiliários na Argentina depois de um período de seis anos de baixo volume de negócios. Com isso, um número grande de argentinos tem recorrido aos bancos no país para solicitar empréstimos.

“As pessoas estão muito ansiosas e as consultas sobrecarregaram os nossos canais de comunicação”, disse Daniel Tillard, presidente do Banco Nación, o maior banco estatal do país, em entrevista à Bloomberg News. O banco anunciou que vai disponibilizar cerca de US$ 4 bilhões em empréstimos imobiliários ao longo dos próximos quatro anos para 40.000 potenciais proprietários de imóveis.

O mercado imobiliário da Argentina foi abalado durante anos por controles cambiais e algumas das taxas de juros mais altas do mundo. As vendas de imóveis apoiadas por financiamento, especialmente na capital, despencaram desde 2018, de acordo com a associação de cartórios de Buenos Aires.

“A Argentina é o único país do mundo onde as pessoas podem comprar um liquidificador em 12 parcelas sem juros e uma casa com um saco de dinheiro”, disse Gaston Rossi, diretor do Banco Ciudad em Buenos Aires.

PUBLICIDADE

Leia também: Equipe de Milei vê maior recuo da inflação na Argentina que o esperado por economistas

Alguns dos maiores bancos privados e estatais do país anunciaram nas últimas semanas que começarão a oferecer empréstimos para habitação com taxas de juros entre 3,5% e 8,5% mais a variação da inflação, que disparou para quase 288% em março no acumulado em 12 meses. O valor máximo do empréstimo oferecido por um banco é de aproximadamente US$ 250.000 por até 30 anos.

Os argentinos não se deixam intimidar pelas altas taxas de juros que teriam que pagar nos empréstimos, apostando que Milei será capaz de controlar a inflação. Até sexta-feira, o Banco Ciudad já havia recebido pelo menos 11.000 pedidos formais de empréstimos de seus clientes desde que a oferta de empréstimos imobiliários foi lançada em 29 de abril, disse Rossi.

PUBLICIDADE
Banco Nacióndfd

“Nunca tive que esperar tanto tempo, as pessoas não conseguiam se sentar e lotaram os corredores”, disse Santiago Martellono, um potencial comprador de imóveis que visitou uma das filiais do Banco Ciudad na segunda-feira após o banco anunciar que emitiria os empréstimos.

Martellono, um advogado de 28 anos, acrescentou que seus amigos também começaram a demonstrar interesse. “Eles não veem outra maneira de comprar uma casa neste país no futuro além de um empréstimo imobiliário”, disse ele.

Um número crescente de bancos da Argentina está ansioso para atender a demanda crescente. O Banco Supervielle começou a emitir empréstimos para habitação de até 30 anos em 4 de maio, o Banco Santander Rio pretende começar a oferecer hipotecas neste mês e o Banco Macro começou a oferecer empréstimos para habitação de até 20 anos na segunda-feira. Representantes do Banco de Galicia e do BBVA Argentina se recusaram a comentar.

Parte do cálculo para os bancos ao conceder empréstimos para habitação é proteger sua linha de fundo.

Nos últimos anos, os credores argentinos mantiveram seu dinheiro no Banco Central, preferindo os juros recebidos de títulos de recompra de um dia como fonte de renda. Mas com as autoridades monetárias reduzindo as taxas de 133% para 50% ao ano desde dezembro, essa estratégia não é mais tão lucrativa como antes — forçando os bancos a abandonar notas de curto prazo e começar a emprestar ao público a taxas mais atrativas.

“Não podemos ficar com títulos de recompra do Banco Central”, disse Tillard, presidente do Banco Nación. “Nosso futuro está em emprestar para empresas e cidadãos, porque nem o governo nem o Banco Central vão pegar mais fundos emprestados conosco.”

A receita de juros ganhos pelos bancos durante fevereiro de 2024 despencou 30% em relação ao pico em outubro, de acordo com dados do Banco Central.

PUBLICIDADE

O mercado de financiamento imobiliário da Argentina já viu vários ciclos de forte crescimento e retração. A última vez que os bancos emitiram empréstimos para habitação foi entre 2016 e 2018, durante o governo do ex-presidente Mauricio Macri.

A quantidade de imóveis comprados com financiamento aumentou seis vezes. Mas a demanda fez com que o preço médio por metro quadrado aumentasse 27% em dólar, uma tendência que poderia se repetir, de acordo com Federico Gonzalez Rouco, economista da Empiria Consultores em Buenos Aires.

E para os empréstimos continuarem atraentes para os consumidores, Milei tem que cumprir sua promessa de conter a inflação de três dígitos. Por enquanto, os argentinos confiantes de que o presidente continuará a baixar os preços estão ansiosos para investir em algo que possam chamar de seu.

“Os argentinos são muito culturalmente ligados à ideia de investir em tijolos e argamassa”, disse Jose Rozados, analista do Reporte Inmobiliario em Buenos Aires.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Sob Milei, Argentina tem primeiro superávit fiscal trimestral desde 2008