Estas são as cidades mais caras do mundo – nenhuma delas está em LatAm

Pesquisa teve como base o custo de vida de 400 itens em 173 cidades pelo mundo. Nova York perde liderança, mas se mantém no TOP 3

Imagem de Marina Bay, em Cingapura
Por Alex Millson
01 de Dezembro, 2023 | 05:18 PM

Bloomberg Opinion — Cingapura e Zurique ultrapassaram Nova York e se tornaram as cidades mais caras do mundo para se viver este ano, de acordo com uma nova pesquisa global.

O custo altíssimo de um carro, as bebidas alcoólicas caras e o aumento dos preços dos alimentos fizeram com que Cingapura passasse à frente da cidade norte-americana, com a qual dividiu o primeiro lugar no ano passado, de acordo com o relatório Worldwide Cost of Living 2023 da Economist Intelligence Unit (EIU).

Zurique saltou do sexto lugar no ano passado para o primeiro lugar, graças, em parte, ao forte franco suíço, bem como aos caros preços de alimentos, artigos domésticos e recreação.

Genebra, empatada com Nova York na terceira posição, e Hong Kong completaram a lista dos cinco lugares mais caros. De modo geral, os preços globais aumentaram em média 7,4% ao ano em termos de moeda local, um pouco abaixo do aumento de 8,1% registrado no ano passado.

PUBLICIDADE
LEIA +
Casas de até R$ 300 milhões: os preços em condomínios de luxo no interior de SP

As cidades chinesas estavam entre as que mais desceram na classificação, principalmente devido à lenta recuperação pós-pandemia do país e à demanda moderada dos consumidores.

Outras descobertas do estudo foram:

  • Los Angeles (6º lugar) e São Francisco (10º lugar) foram as únicas outras cidades dos EUA a entrar no top 10
  • A cidade mais barata continuou sendo Damasco, capital da Síria, apesar de o preço da cesta básica ter aumentado 321%
  • As cidades mexicanas de Santiago de Querétaro e Aguascalientes foram as que mais subiram na classificação global após o fortalecimento do peso em relação ao dólar americano
  • O enfraquecimento do iene japonês fez com que Tóquio caísse 23 posições, para o 60º lugar, e Osaka caísse 27 posições, ficando em 70º lugar
  • Embora Tel Aviv, em Israel, tenha ficado entre os 10 primeiros, a pesquisa foi realizada antes do conflito entre Israel e Hamas, o que pode agora ter afetado os preços
  • Os preços dos serviços públicos subiram mais lentamente entre as 10 categorias gerais de bens e serviços examinadas, com um aumento de 5,7%

“Os choques do lado da oferta que impulsionaram os aumentos de preços em 2021-2022 foram reduzidos desde que a China suspendeu suas restrições à Covid-19 no final de 2022, enquanto o aumento nos preços de energia observado após a invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022 também diminuiu”, disse Upasana Dutt, chefe de custo de vida mundial da EIU. “Apesar dos riscos de alta, esperamos que a inflação desacelere ainda mais em 2024, diminuindo os preços globalmente”.

PUBLICIDADE

A pesquisa foi realizada entre 14 de agosto e 11 de setembro e comparou mais de 400 preços individuais em 173 cidades do mundo.

LEIA +
Os bairros mais caros da América Latina: onde ficam e quanto é o metro quadrado?

Estas são as 10 cidades mais caras do mundo, com sua classificação para 2023. Algumas cidades estão empatadas.

Cingapura – 1

Zurique – 1

Genebra – 3

Nova York – 3

Hong Kong – 5

PUBLICIDADE

Los Angeles – 6

Paris – 7

Copenhague – 8

Tel Aviv – 8

PUBLICIDADE

São Francisco – 10

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Emergentes podem ser os novos desenvolvidos, diz head do Morgan Stanley para área

Há demanda crescente do investidor por ativos em Brasil e México, diz BlackRock