IPCA-15 acelera para 0,78% em fevereiro, mas fica abaixo do esperado por economistas

Indicador, considerado uma prévia da inflação oficial, é acompanhado por investidores para avaliar os próximos passos do Banco Central

No ano, o índice acumula alta de 1,09% e nos últimos 12 meses, de 4,49%
27 de Fevereiro, 2024 | 09:13 AM

Bloomberg Línea — O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial, acelerou para 0,78% em fevereiro, de 0,31% em janeiro, influenciado pelo setor de educação. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (2).

No ano, o índice acumula alta de 1,09% e nos últimos 12 meses, de 4,49%, acima dos 4,47% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em fevereiro de 2023, o IPCA-15 foi de 0,76%.

Economistas consultados pela Bloomberg estimavam alta de 0,83% na comparação mensal e de 4,53% no acumulado em 12 meses.

O IPCA considera o mês completo em sua base de cálculo, enquanto o IPCA-15 mede a variação dos preços entre o dia 15 do mês anterior e o dia 15 do mês seguinte.

PUBLICIDADE

O aumento do IPCA-15 em fevereiro foi puxado principalmente pelo grupo de educação, que teve alta de 5,07% e contribuiu com 0,30 ponto percentual na variação no mês. Segundo o IBGE, o grupo foi puxado pelos cursos regulares, que tiveram alta de 6,13%, por conta dos reajustes feitos no início do ano letivo.

As maiores variações vieram do ensino médio (8,58%), do ensino fundamental (8,23%), da pré-escola (8,14%) e da creche (5,91%). Curso técnico (6,01%), Ensino superior (3,74%) e pós-graduação (2,81%) também tiveram altas.

Política Monetária

Os dados de inflação são acompanhados de perto enquanto investidores buscam pistas sobre os próximos passos do ciclo de flexibilização monetária do Banco Central.

PUBLICIDADE

Em janeiro, o Comitê de Política Monetária (Copom), do BC, cortou a taxa Selic em 0,50 ponto percentual, para 11,25% ao ano, e indicou cortes de mesma magnitude nas próximas reuniões.

Na ata da reunião, o Comitê voltou a destacar a maior volatilidade do mercado externo, que exige cautela na condução da política monetária. No âmbito doméstico, o destaque foi dado à uma “evolução benigna” do cenário corrente de inflação.

O próximo encontro do Copom será nos dias 19 e 20 de março. Economistas do mercado financeiro estimam que a Selic deva encerrar o ano em 9% ao ano, de acordo com o mais recente Boletim Focus, do BC. Já expectativa para o IPCA para 2024 é de 3,80%, dentro do intervalo da meta da autoridade monetária.

Leia também:

De grupo familiar a dinastia: o desafio de grandes empresários na América Latina

Ações brasileiras podem ser beneficiadas com mudança no MSCI, diz Beker, do BofA