Campos Neto diz que mudança no cenário justifica redução do ritmo de cortes de juros

Em evento nesta quarta-feira, o presidente do Banco Central afirmou que o Copom precisou responder com uma mudança no ritmo de cortes da Selic na decisão da semana passada

Roberto Campos Neto
Por Maria Eloisa Capurro - Vinícius Andrade
15 de Maio, 2024 | 03:52 PM

Bloomberg — O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, justificou sua decisão de alterar o guidance escrito da instituição sobre as taxas de juros durante um discurso público, um dia após outro membro do conselho, Paulo Picchetti, diretor de assuntos internacionais, dizer que tal movimento deveria ter sido discutido com todo o conselho e comunicado por canais mais formais.

Roberto Campos Neto deixou claro durante um discurso em Washington no mês passado que o BC poderia não fazer o corte adicional de meio ponto porcentual que havia sido sinalizado anteriormente em comunicados, abrindo espaço para a redução menor de 0,25 ponto, assim como foi realizado pelo Copom na semana passada.

“A compreensão da maioria do conselho foi clara: houve mudanças relevantes e precisamos responder com uma mudança de ritmo”, disse Campos Neto em um evento nesta quarta-feira (15) em Brasília. Campos Neto citou a piora do cenário de inflação e outros desafios para o ciclo de cortes de juros.

“Nosso debate foi técnico, e todos os argumentos foram ouvidos”, acrescentou, ainda lendo de um pedaço de papel, mas saindo do roteiro dos comentários preparados para um seminário econômico organizado pelo BC.

PUBLICIDADE

Leia também: Prévia do PIB, IBC-Br desacelera para 0,34% em março, abaixo do esperado

Campos Neto liderou a maioria dos membros do Copom na decisão de cortar a taxa básica de juros em 0,25 ponto, para 10,50% ao ano, na semana passada. No entanto, os quatro membros do conselho, que foram nomeados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preferiram um sétimo corte consecutivo de 0,50 ponto, como o BC havia sinalizado anteriormente.

A decisão expôs uma divisão e fez os ativos brasileiros despencarem, à medida que os investidores avaliavam a tolerância da autoridade monetária à inflação, uma vez que Lula terá de nomear dois novos diretores e o presidente do BC neste ano.

PUBLICIDADE

Paulo Picchetti, um dos quatro indicados por Lula para o conselho, disse na terça-feira (14) que o BC deve aderir às comunicações formais com os mercados e investidores, e acrescentou que os comentários de Campos Neto em Washington não foram totalmente discutidos entre os membros do conselho.

“Essa comunicação do presidente aconteceu em um evento e, honestamente, não sei se ele tinha o objetivo e a intenção de tornar uma orientação, mas acabou sendo o caso”, disse Picchetti à Bloomberg News em uma entrevista.

O diretor de política monetária do banco, Gabriel Galipolo, disse em um evento separado nesta quarta-feira que não foi consultado antes do discurso de Campos Neto em Washington. Ainda assim, ele disse não ter problemas com os comentários que o chefe do BC fez naquele momento.

“Quero apoiar o discurso de Campos Neto de hoje mais cedo”, disse Galipolo em um evento em Nova York. “O Banco Central tem o trabalho e a obrigação de manter as taxas de juros em um nível suficientemente restritivo pelo período necessário para fazer a inflação desacelerar para a meta.”

Compromisso com o centro da meta

Campos Neto argumentou que um mercado de trabalho mais forte implica riscos para a inflação de serviços, enquanto os preços dos alimentos podem subir. Além disso, as condições financeiras globais permanecem apertadas, com incertezas em torno dos preços do petróleo.

Houve também uma “percepção clara” de perda de credibilidade nas metas fiscais do país, disse ele depois que a equipe econômica de Lula enfraqueceu sua meta fiscal para o próximo ano.

“Isso também foi amplamente discutido”, disse Campos Neto.

PUBLICIDADE

O Copom, disse ele, debateu a importância de reduzir as estimativas para aumentos futuros nos preços ao consumidor, que estão um ponto e meio acima da meta de 3% do banco há quase um ano e recentemente pioraram.

Picchetti afirmou que o banco está “100% comprometido” em trazer a inflação para o centro da meta. Mas Campos Neto enfatizou a importância de atingir a meta.

“Discutimos a extrema relevância das expectativas de inflação”, disse Campos Neto no evento. “Na verdade, em um debate de política monetária nem deveríamos falar sobre o centro de nossa faixa de tolerância. Nosso objetivo é 3% e é isso que precisamos alcançar.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Diretor que votou por corte de 0,50 ponto diz que BC ainda mira o centro da meta

Ata do Copom: o que disseram diretores que votaram por corte de 0,50 ponto do juro