Voo da Qatar Airways deixa 12 feridos após turbulência e acentua temor de passageiros

Após incidente em voo da Singapore Airlines que deixou uma morte e dezenas de feridos e falhas com aviões da Boeing, buscas por ‘segurança de voo’ no Google têm maior nível em uma década

Avião da Boeing que perdeu a porta durante voo da Alaska Airlines no começo de ano (Foto: NTSB via Getty Images)
Por Jinshan Hong - Allyson Versprille - Charlotte Ryan
26 de Maio, 2024 | 02:55 PM

Bloomberg — Uma série de eventos na indústria do transporte aéreo de passageiros no mundo neste ano reforçou as preocupações entre o público consumidor.

Neste domingo (26), um voo da Qatar Airways enfrentou turbulência severa sobre a Turquia e deixou 12 pessoas feridas a bordo, antes de pousar conforme previsto em Dublin.

Seis passageiros e seis membros da tripulação relataram ferimentos no voo de Doha, de acordo com uma declaração do Aeroporto de Dublin no X (ex-Twitter), com serviços de emergência de incêndio e resgate encontrando a aeronave na chegada, pouco antes das 13h no horário local.

A Qatar Airways disse em um comunicado que os feridos no avião Boeing 787 estão recebendo atendimento médico e que o incidente é objeto de uma investigação interna. “A segurança e a proteção de nossos passageiros e tripulação são nossa principal prioridade”, disse a companhia aérea.

PUBLICIDADE

Leia mais: Morre segundo denunciante que alertou sobre segurança de aviões da Boeing

Este não foi o primeiro incidente de segurança no transporte aéreo de passageiros.

Houve a colisão incendiária de uma aeronave da Japan Airlines na pista em Tóquio em 2 de janeiro que matou cinco pessoas em um avião menor; dias depois, a explosão da porta de um Boeing da Alaska Airlines.

De rodas perdidas a um voo com turbulência da Singapore Airlines na semana que custou uma vida e deixou dezenas de feridos, os eventos deixaram o público questionando o quanto ainda é seguro voar.

Segundo as estatísticas, a realidade é que, apesar das tragédias, embarcar em um jato da Boeing ou da Airbus continua sendo exponencialmente mais seguro do que a viagem de carro até o aeroporto. No ano passado, não houve uma única fatalidade entre os 37 milhões de voos comerciais.

Embora 2024 não iguale esse recorde, tem sido um ano mediano em termos de segurança aérea. No entanto a percepção pública permanece mais atenta: buscas na internet dos EUA pelo termo “segurança de voo” atingiram o nível mais alto em março desde outubro de 2014, de acordo com o Google Trends.

Volume de buscas no Google por "segurança de voo" atinge neste ano maior nível em uma décadadfd

Aquele ano, há uma década, foi particularmente tenebroso em termos de fatalidades na aviação. O desaparecimento do avião do voo 370 da Malaysia Airlines em março foi seguido pela derrubada do jato do voo 17 da mesma companhia sobre a Ucrânia em julho e por um acidente da AirAsia em dezembro.

PUBLICIDADE

Os acidentes deste ano causaram muito menos fatalidades do que no início de 2014 ou em 2019, quando o segundo de dois voos do Boeing 737 Max caiu em março, matando 157 pessoas na Etiópia.

Cinco das seis pessoas a bordo de um turboélice da Guarda Costeira Japonesa perderam a vida no início de janeiro quando o avião entrou na pista à frente de um Airbus A350 em Tóquio.

Embora ninguém tenha morrido na falha estrutural de 5 de janeiro de um 737 Max 9 operado pela Alaska Air, o acidente deu um novo sério golpe na credibilidade da Boeing e na confiança dos passageiros.

Desde então, uma série de incidentes menores, desde a perda de uma roda dianteira de um Boeing 757 da Delta Air Lines até um 737 Max da United Airlines que deslizou para fora da pista em Houston, receberam ampla cobertura da mídia.

Leia mais: A pressão de companhias aéreas e os bastidores da queda do CEO da Boeing

No voo de Londres para Singapura na última semana, um britânico de 73 anos morreu de um suspeito ataque cardíaco após o avião encontrar turbulência severa. Várias dezenas de pessoas sofreram lesões traumáticas e potencialmente mudaram suas vidas, disseram os médicos.

“Há motivos para o público estar preocupado, mas acho que a preocupação é elevada por causa do foco real que algumas empresas de notícias têm dado”, disse John Goglia, especialista em segurança de aviação e ex-membro do Conselho Nacional de Segurança no Transporte (NTSB). “A roda caindo do avião nunca teria ido a lugar algum; em alguns jornais locais, poderia ter sido uma coluna pequena.”

De fato, as estatísticas do governo indicam que os EUA estão com um ano bastante normal.

Nos EUA, houve 11 acidentes e incidentes em voos comerciais de passageiros ou carga no primeiro trimestre, de acordo com o banco de dados do NTSB. Isso está ligeiramente acima da média de 9,7 “eventos” na década de 2010 a 2019.

Leia mais: De reconhecimento facial a robôs, tecnologias buscam acelerar embarque nos aeroportos

Foram quatro casos considerados graves no trimestre, ligeiramente acima da média pré-Covid de 3,3. Os números são baseados nos casos que o NTSB investiga, que incluem todos os acidentes e apenas alguns incidentes - por essa razão, os números podem variar.

Enquanto isso, a Administração Federal de Aviação (FAA) relatou progresso em uma área problemática.

A taxa de incursões graves em pistas no primeiro trimestre diminuiu 59% em relação ao mesmo período de 2023, um ano historicamente alto para esses eventos. A taxa atual para 2024 está abaixo da média anual de 0,31 por 1 milhão de operações de aeronaves na última década, de acordo com dados fornecidos à Bloomberg.

“A aviação é a forma mais segura de viajar e isso porque nunca tomamos nada como garantido”, disse a FAA, responsável pela segurança aérea nos EUA. “Estamos sempre procurando riscos e maneiras de mitigá-los.”

O foco prolongado na Boeing trouxe atenção significativa ao fabricante de aviões, com passageiros evitando seus jatos 737 Max. Uma investigação federal foi aberta diante das falhas ocorridas.

Número de acidentes e incidentes nos EUA no primeiro trimestre de 2024 está próximo da média da última décadadfd

“Neste ambiente, qualquer evento operacional, por mais rotineiro que seja, pode receber atenção desproporcional”, disse o CEO da Boeing, Dave Calhoun, na reunião anual da empresa em 17 de maio. Diante da sequência de falhas de segurança, ele foi obrigado a renunciar ao cargo e segue até o fim do ano apenas.

Muitos dos eventos que preocuparam os passageiros neste ano, desde o colapso do trem de pouso até pilotos ultrapassando pistas, são classificados como incidentes, em vez de “acidentes” mais graves, que a Organização de Aviação Civil Internacional define como algo que envolve uma morte ou uma pessoa seriamente ferida, a aeronave sofrendo danos que exigem reparos ou desaparecendo.

Isso não significa que não haja melhorias a serem feitas, de acordo com Loren Groff, cientista-chefe de dados do NTSB. Ele apontou para o trabalho que está sendo feito para melhorar o pessoal e o treinamento dos controladores de tráfego aéreo após alguns erros recentes e quase colisões nas pistas.

“No geral, é impressionante que o sistema de aviação dos EUA, e a maior parte do mundo em geral, possa fazer algo tão complexo com tanto sucesso”, disse Groff. “Eu teria medo da aviação de alguma forma? Não, absolutamente não.”

- Com informações de Alicia Diaz e Leen Al-Rashdan.

Veja mais em Bloomberg.com