corolla hibrido
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — Para se ter uma ideia de como a Toyota (TM) vê o negócio de veículos elétricos, basta observar como ela informa as vendas de carros.

O destaque é a categoria de veículos eletrificados, que é dividida em subcategorias: híbridos, híbridos plug-in, veículos elétricos a bateria e modelos de célula de combustível.

Para a maioria dos fabricantes de veículos elétricos, o elétrico a bateria é o único que importa. A Tesla (TSLA), por exemplo, vende exclusivamente veículos elétricos a bateria. Na visão da Tesla, e de muitos adeptos, um veículo deve ter uma bateria e ser carregado exclusivamente por uma fonte externa de eletricidade para se encaixar na categoria de elétrico.

Sua rival mais próxima, a BYD (BYD) saiu do mercado de carros com motor a combustão em 2022 e, em 2023, sua produção era dividia quase igualmente entre carros de passageiros híbridos e carros a bateria.

PUBLICIDADE

Leia mais: Como a BYD e outras marcas chinesas chegaram ao domínio em carros elétricos no país

Para a Toyota, os números são bem diferentes. Apenas 37% dos veículos vendidos no último ano fiscal foram eletrificados, em comparação com 30% no ano anterior.

No entanto, os puristas apontam para um fato gritante: apenas 1,1% de suas vendas de carros no varejo foram elétricos a bateria.

PUBLICIDADE

Essa grande desconexão decorre da decisão da Toyota de rotular até mesmo os veículos elétricos movidos a gasolina como “movidos a eletricidade”.

Isso pode ser confuso, mas não é totalmente falso. Os carros híbridos usam um motor de combustão para gerar eletricidade, que então alimenta os motores. Os híbridos plug-in dividem a diferença, oferecendo a possibilidade de se mover a gasolina e a energia da rede elétrica.

A Toyota argumenta que, ao vender milhões de híbridos até o momento, que foram mais rapidamente adotados pelos consumidores do que os veículos elétricos, ela fez tanto quanto qualquer outra empresa para reduzir o dióxido de carbono.

“Algumas pessoas criticam os híbridos porque eles têm motores, mas a redução das emissões de CO2 causada por esses híbridos equivale a 3 milhões de veículos elétricos a bateria”, disse o presidente Akio Toyoda em um podcast da empresa publicado em abril.

PUBLICIDADE

Considerando que o Japão, em particular, obtém a maior parte de sua eletricidade de combustíveis fósseis, Toyoda argumenta que uma mudança direta para o carregamento elétrico não é necessariamente mais sustentável.

É um argumento válido, embora não agrade aos puristas dos veículos elétricos.

No entanto, o motivo da Toyota para promover os híbridos em detrimento dos modelos puramente elétricos pode estar menos relacionado aos motores a combustão que ainda povoam o planeta e mais relacionado aos fundamentos das forças de mercado.

PUBLICIDADE

Apesar de todo o entusiasmo em relação aos veículos elétricos, principalmente na China, a maioria dos consumidores em todo o mundo não está pronta para fazer a mudança.

A preocupação em relação à autonomia está entre os principais motivos, segundo a Consumer Reports, porque os motoristas estão confiantes de que sempre haverá um posto de gasolina por perto, mas se preocupam com a falta de pontos de recarga elétrica.

Eles têm motivos para se preocupar – há cinco vezes mais bombas de gasolina do que carregadores de veículos elétricos nos EUA, de acordo com um estudo.

Portanto, em vez de tentar convencer clientes relutantes, a Toyota permite que eles experimentem um veículo elétrico por meio dos híbridos. Mas ela ainda quer crédito pela venda de modelos eletrificados.

Leia mais: Como a Cadillac superou rivais alemãs no mercado de elétricos de luxo dos EUA

A posição da maioria das pessoas em relação a isso é mais filosófica do que ambiental: os híbridos queimam combustíveis fósseis, mas ainda são melhores do que os modelos de combustão total e produzem menos emissões do que os veículos elétricos a bateria carregados pela energia proveniente de uma usina termelétrica.

O fator decisivo é a sustentabilidade do fornecimento de eletricidade de uma região.

A estratégia da Toyota pode acabar sendo a escolha mais sensata. A princípio, parece que a empresa japonesa prefere esperar para ver, e de certa forma está.

No entanto, os executivos certamente estarão cientes de que o caminho para um futuro totalmente elétrico está repleto de startups de veículos elétricos fracassadas, bem como atrasos de produtos e projetos cancelados.

Na história automotiva, nomes antigos como Butler, Elmore e Armstrong Electric – uma das empresas originais de veículos elétricos – foram esquecidos.

Os fundadores de redes sociais obsoletas como o MySpace e o Friendster sabem que há pouca vantagem em ser pioneiros.

Da mesma forma, muitos se lembrarão com tristeza de seus celulares Nokia e se perguntarão por que a gigante finlandesa não conseguiu se adaptar à era dos smartphones.

O domínio de décadas da Toyota no setor automobilístico global não se deve a nenhuma vantagem pelo pioneirismo. A empresa não inventou carros ou motores de combustão interna e não foi a principal defensora do modelo de fabricação just-in-time – a Ford (F) estava décadas à frente nesse aspecto.

Em vez disso, a gigante automobilística japonesa alcançou a proeminência por meio de uma abordagem metódica para o desenvolvimento de veículos e motores, adequação produto-mercado, bem como fabricação e vendas eficientes.

Leia mais: Honda investirá US$ 65 bi em uma década para impulsionar veículos elétricos

Ao avançar lentamente rumo aos veículos elétricos, a Toyota pode acabar desviando dos problemas dos pioneiros. Há o risco de que uma abordagem paciente faça com que ela perca parte ou todo o crescente mercado de veículos elétricos, principalmente depois que a Tesla e a BYD entraram de cabeça em um nicho antes mesmo de os consumidores estarem prontos.

Se isso acontecer, a japonesa poderá ser pega de surpresa, como uma Nokia dos tempos modernos, e esse não é um lugar onde ela quer estar.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Tim Culpan é colunista da Bloomberg Opinion e cobre a área de tecnologia na Ásia. Anteriormente cobriu tecnologia para a Bloomberg News.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Uber aposta em serviço de ‘shuttle’ para aeroportos, shows e jogos nos EUA

Nubank vê espaço para acelerar base de clientes e receitas, dizem fundadores