Curved screens sit on tables in an office at the National Australia Bank Ltd. (NAB) headquarters in Sydney, Australia, on Friday, April 14, 2021. SECOND SENTENCE HERE. Photographer: Brent Lewin/Bloomberg
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — Estariam os trabalhadores de escritórios – analistas e programadores, por exemplo – a caminho do escriba medieval?

As áreas de finanças e tecnologia foram responsáveis por cerca de 39.000 demissões anunciadas nos Estados Unidos em 2023, de acordo com uma pesquisa, e agora as mais 900 demissões da DocuSign (DOCU) e da Snap (SNAP) sinalizam uma corrida contínua para antecipar a transição e mudar para inteligência artificial (IA) e automação, que são mais econômicas.

Os desenvolvedores de software estão citando Marx em fóruns on-line e se perguntando se deveriam mudar de carreira.

LEIA +
Inteligência artificial afetará quase 40% dos empregos ao redor do mundo, diz FMI

Os acionistas não parecem muito incomodados, como se vê no recente e impressionante ganho de US$ 197 bilhões em capitalização de mercado em um dia da Meta Platforms (META), e nem os políticos ansiosos para acompanhar a corrida tecnológica.

PUBLICIDADE

Afinal, com o desemprego ainda baixo, nenhum ludita à vista e muita demanda, é mais fácil falar sobre o potencial da IA para aumentar a produtividade e o crescimento econômico. A tecnologia não será uma “destruidora em massa de empregos”, disse recentemente o chefe do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, à BBC.

Gráficodfd

No entanto, esperar com otimismo é uma resposta inadequada para a possível reviravolta que a IA poderia desencadear no mercado de trabalho. Diversas pesquisas começam a constatar o que acontece quando a IA é implementada no mundo do trabalho de escritórios.

Até o momento, os experimentos focaram no tipo de tarefas rotineiras com textos que a IA generativa parece estar mais bem posicionada para processar – como programação, redação e orientação de suporte ao cliente. É encorajador o fato de que essa tecnologia parece funcionar melhor como uma ferramenta para os trabalhadores, em vez de substituí-los.

PUBLICIDADE

Um estudo que analisou o GitHub Copilot da Microsoft (MSFT) e da OpenAI, um assistente de IA que oferece sugestões e avisos aos programadores, constatou que aqueles que usaram a ferramenta concluíram uma tarefa em média 55,8% mais rápido.

Outro estudo constatou que os funcionários que usavam o ChatGPT para tarefas que incluíam comunicados à imprensa ou planos de análise as concluíam 10 minutos mais rápido e também observavam um aumento na qualidade. E outro descobriu que os agentes de suporte ao cliente que usavam assistentes de IA concluíam 14% mais tarefas por hora.

LEIA +
Pessoas continuam mais baratas que IA na maioria dos trabalhos, aponta MIT

Esses estudos também sugerem que os ganhos da IA fluíram mais para os trabalhadores com menos experiência (o que pode explicar por que as empresas mais disruptivas do setor parecem mais interessadas nessas ferramentas do que a velha guarda).

A leitura otimista aqui é que, em vez de cortar uma faixa no escritório, a IA poderia ser uma ferramenta de produtividade que educa e treina os que estão mais abaixo na hierarquia e, ao mesmo tempo, libera mais tempo para os colegas mais velhos.

PUBLICIDADE

O cientista da computação J.C.R. Licklider imaginou esse tipo de “Simbiose Homem-Computador” ideal em 1960, reclamando que 85% do seu tempo de raciocínio era gasto “para se colocar em posição de pensar”, registrando informações ou organizando-as, como traçar gráficos, em vez de trabalhar de forma mais produtiva.

Mas nem tudo são rosas. Os experimentos controlados não nos dizem necessariamente o que acontece em escala. Por exemplo, os usuários do Copilot relatam que é necessário verificar e detectar bugs – afinal, a ferramenta depende de grandes modelos de linguagens, que não são à prova de erros. Os programadores experientes serão melhores nisso.

“O Copilot eleva um pouco o nível, mas se você for um programador ruim, ainda terá pontos fracos”, disse Noah Gift, professor da Duke University, à MIT Technology Review.

PUBLICIDADE

A possibilidade de loops de feedback negativo envolvendo programadores inexperientes pode ser tão cara que o nível de qualificação para o emprego pode aumentar ainda mais. E, por outro lado, o poder da IA poderia aprimorar tanto os melhores trabalhadores que menos humanos seriam necessários.

Gráficodfd

Há também a questão de saber se a criação mais rápida de conteúdo acaba desvalorizando os criadores e diminuindo os salários em vez de aumentar a demanda.

“Mesmo que a IA beneficie aqueles com um nível mais baixo de habilidades, isso não significa que todos se beneficiem”, diz o professor Carl-Benedikt Frey, da Oxford Martin School.

Ele cita o exemplo da Uber (UBER) e sua redução de obstáculos para o registro de motoristas, o que fez com que mais pessoas se inscrevessem, diminuindo os ganhos dos motoristas já estabelecidos.

Em janeiro, o FMI alertou que os empregos nas economias avançadas estavam especialmente expostos à IA e ao risco de redução da demanda de mão de obra, salários mais baixos e redução das contratações. Alguns empregos podem simplesmente desaparecer.

Nada disso quer dizer que devemos entrar em pânico com um apocalipse de empregos. No longo prazo, talvez olhemos para trás e nos perguntemos como conseguimos sobreviver sem a IA.

Mas a maneira como gerenciamos o curto prazo é vital se isso levar ao aumento da desigualdade e à redução dos salários. Os apelos por “reciclagens” ou “cursos de Python” começarão a parecer banais em um mundo em que as máquinas podem escrever códigos, mas não conseguem consertar uma torneira com vazamento.

LEIA +
Jovens terão que ir mais ao escritório com avanço da IA, diz este head da PwC

O que deve ser feito? Três ideias parecem valer a pena. Uma delas é manter um controle regulatório rigoroso sobre os principais fornecedores de IA que dominam essa tecnologia “exclusivamente exploradora”, como diz o ex-executivo da StabilityAI, Ed Newton-Rex, para evitar que os dados dos trabalhadores sejam indevidamente capturados pela máquina.

A segunda é criar novas tarefas em torno da IA para disseminar seus ganhos, talvez terceirizando sua cadeia de suprimentos, como a fabricação dos chips que a alimentam. A terceira é garantir que haja uma rede de segurança social para aqueles que precisam dela, como uma renda básica universal.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Lionel Laurent é colunista da Bloomberg Opinion e escreve sobre o futuro das finanças e da Europa. Já trabalhou para a Reuters e a Forbes.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Nvidia e Cisco fazem acordo para expandir serviços de inteligência artificial para empresas

Recompras de ações atingem recorde. O que isso indica sobre a visão das empresas