Casa Branca em Washington, DC, EUA
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Atualmente, há uma legislação no Congresso que, se aprovada, poderia ser uma das leis mais importantes da história dos EUA. O Ato de Divulgação de Fenômenos Anômalos Não Identificados de 2023, que pede transparência em questões relacionadas a OVNIs, é patrocinado pelo líder da maioria no Senado, Charles Schumer, e tem considerável apoio bipartidário, embora possa falhar devido à oposição republicana.

Uma versão inicial do projeto de lei criaria, entre outras disposições, um conselho de especialistas que decidiria se as informações classificadas sobre OVNIs deveriam ser divulgadas. Isso permitiria um processo gerenciado pelo qual o conhecimento governamental isolado eventualmente seria tornado público.

Independentemente de quão cético você ou eu possamos ser, há muitas alegações de que o governo está escondendo naves e corpos alienígenas, e que os militares estão tentando reverter a engenharia de tecnologias alienígenas. Também existem alegações mais plausíveis de que existem objetos voadores que desafiam explicação.

De qualquer forma, se você acha que toda essa conversa sobre alienígenas é bobagem, a melhor resposta não seria um pouco de luz para mostrar que nada estranho está acontecendo?

PUBLICIDADE

Essa é a argumentação mais forte a favor do projeto de lei: se toda a recente conversa sobre OVNIs não reflete nem uma presença alienígena nem ameaças de potências estrangeiras hostis. Nesse caso, abrir a cortina desencorajaria observadores razoáveis de continuar a explorar o tópico. Um benefício modesto resultaria.

No entanto, esse não é o cenário que os apoiadores mais fervorosos do projeto de lei têm em mente.

Antes de chegarmos a isso, pergunte a si mesmo: e se alguns desses relatos de OVNIs refletirem uma presença militar estrangeira, ou talvez uma nova tecnologia de uma parte secreta ou renegada do governo dos EUA?

PUBLICIDADE

Nesse caso, transparência adicional poderia ser prejudicial. O governo dos EUA realiza várias operações de inteligência e militares, e o Congresso não insiste que todas sejam tornadas públicas. Não há transparência para missões da CIA, ou para ciberataques dos EUA, ou para muitos outros aspectos da política externa dos EUA.

A vigilância militar da atividade de OVNIs deve se enquadrar na mesma categoria. O sigilo é frequentemente permitido, até desejável, por razões de segurança nacional.

Pode muito bem haver um argumento convincente de que, em geral, o sigilo nessas questões militares e de política externa deve ser limitado. Mas, até agora, isso não foi feito.

Agora, vamos considerar a possibilidade de que o governo realmente tenha informações que, direta ou indiretamente, poderiam levar o público a acreditar que alienígenas estão visitando a Terra. Não precisa ser corpos estranhos escondidos em Roswell, ou um cenário de Arquivo X. Poderiam ser observações repetidas e difíceis de explicar, captadas por várias leituras de sensores, que se revelam ser sondas alienígenas rápidas, ultrapassando significativamente nossas capacidades de engenharia atuais.

PUBLICIDADE

Nesse caso, a melhor política realmente seria o que os defensores da transparência chamam de “divulgação gerenciada”? Eles imaginavam um painel de especialistas responsáveis gerenciando o fluxo de informações, pouco a pouco.

Uma questão é se esse conhecimento poderia ser melhor mantido em segredo, ou conhecido apenas pelo pequeno número de elites que conseguem juntar todas as peças. Se um ampla pânico social resultaria de revelar a presença de alienígenas na Terra é difícil dizer - mas também é difícil ver o lado prático positivo. O melhor argumento para a divulgação é simplesmente que o público tem o direito de saber, e que esse conhecimento sobre a realidade do lugar da humanidade no universo é intrinsecamente valioso.

Uma segunda questão diz respeito à lógica inexorável da divulgação. Praticamente falando, os EUA têm uma longa tradição de delatores e contadores de verdades. Se houver evidências concretas de visitação alienígena, isso vai vazar, com ou sem o Ato de Divulgação de OVNIs de 2023. Basta olhar para o caso de Edward Snowden, onde um americano arriscou prisão e exílio para revelar segredos que eram muito menos importantes do que o que pode estar em jogo aqui.

PUBLICIDADE

Se a legislação atual não for aprovada, ou se uma versão muito mais fraca avançar, algumas pessoas podem tomar isso como um sinal para se apresentar e revelar a verdade - com provas diretas em vez de boatos. No final, o resultado final pode não ser tão diferente do projeto de lei de transparência e seu painel de especialistas. Falando nisso: os membros manteriam os segredos com os quais foram encarregados? Uma vez que começassem a insinuar sobre visitas alienígenas, as comportas se abririam e a história viria à tona - e rapidamente.

Portanto, estou em uma posição que eu reconheço ser curiosa: se você suspeita que as observações de OVNIs são um monte de bobagem, apoie o projeto de lei. Se você teme que sejam obra dos inimigos da América, oponha-se a ele. E, na chance de que a possibilidade mais exótica seja verdadeira - que fomos e estamos sendo visitados por alienígenas - quase não importa. A verdade vai ser revelada de qualquer maneira, e a velocidades que vamos achar desconfortáveis.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Nos EUA, a revolução dos elétricos chega aos cortadores de grama

Este CEO quer convencer os americanos a fazer compras parceladas