Linha Executiva

Sobe e desce do petróleo ganha força com a popularidade de traders robôs

Conhecidos como CTAs, algoritmos são seguidores de tendências, o que aumenta volatidade. Quando os preços caem, eles vendem, fazendo com que eles caiam ainda mais. O mesmo ocorre em caso de altas

campo e produção de petróleo
Por Bloomberg
09 de Dezembro, 2023 | 10:00 AM

Bloomberg — A negociação de petróleo talvez nunca tenha sido tão tumultuada quanto é hoje. Apenas nos últimos dois meses, os preços ameaçaram atingir US$ 100 por barril, apenas para oscilar para os anos 70. Em um dia de outubro, eles oscilaram até 6%. E até agora em 2023, os futuros oscilaram mais de US$ 2 por dia 161 vezes, um aumento massivo em relação aos anos anteriores.

O que está acontecendo não pode ser totalmente explicado pelas maquinações da OPEP ou pela guerra no Oriente Médio.

Embora os fundamentos de oferta e demanda ainda ditem os ciclos gerais de preços das commodities, o dia a dia da negociação de futuros de petróleo está cada vez mais dominado por forças especulativas, alimentando a volatilidade e criando uma desconexão entre os mercados físico e de papel.

LEIA +
De júnior a sócio: gigantes da consultoria usam IA para acelerar a carreira até o topo

E não são apenas os especuladores em geral — os traders estão apontando o dedo para um grupo opaco de gestores algorítmicos conhecidos como conselheiros de negociação de commodities (CTAs).

PUBLICIDADE

Apesar de seu nome mundano, os CTAs surgiram como uma força poderosa no mercado de petróleo. Embora compreendam apenas um quinto dos participantes de dinheiro gerenciado no petróleo dos EUA, os CTAs representaram quase 60% do volume líquido de negociação do grupo este ano, segundo algumas medidas, de acordo com a Bridgeton Research Group, que fornece análises sobre negociações geradas por computador. Essa é a maior participação que o grupo teve nos dados desde 2017.

Mesmo que seja difícil quantificar quanto do volume total de negociações é controlado pelos CTAs, os algoritmos de maneira mais ampla são responsáveis por até 70% das negociações de petróleo em um dia médio, de acordo com dados do TD Bank e JPMorgan (JPM).

“Você ficaria absolutamente chocado com o quão grandes são suas posições”, disse Ilia Bouchouev, ex-trader e sócio-gerente da Pentathlon Investments, que leciona na New York University. “Provavelmente são maiores do que as da BP, Shell e Koch combinadas.”

PUBLICIDADE

As oscilações de preços voláteis deste ano estão sendo intensificadas por esses bots, segundo entrevistas com mais de uma dúzia de traders, analistas e gestores de fundos que atuam no mercado de petróleo. Eles têm causado agitação em commodities que vão da gasolina ao ouro, afastado investidores tradicionais, atraído a ira da OPEP e até mesmo levantado sobrancelhas na Casa Branca.

Os CTAs são rotulados vagamente como um indivíduo ou organização que aconselha sobre a negociação de futuros, opções ou swaps. Mas há quem diga que a maioria deles é definida por suas estratégias de negociação: orientadas por computador e baseadas em regras, com horizontes de tempo relativamente limitados.

LEIA +
Investidores ‘short-sellers’ perdem US$ 80 bilhões com rali de novembro

O que torna os CTAs algorítmicos tão desestabilizadores é que eles são tipicamente seguidores de tendências — e exageradores de tendências. Quando os preços caem, eles vendem, fazendo com que eles caiam ainda mais. E, mais preocupante para os consumidores, o mesmo ocorre no lado positivo.

Alguns analistas dizem que os CTAs contribuíram para a supervalorização do petróleo em até US$ 7 por barril durante um rali este ano. E autoridades da Casa Branca acreditam que eles desempenharam um papel significativo nos aumentos de preços ao longo de 2023, segundo uma pessoa familiarizada com o assunto.

Mesmo US$ 1 ou US$ 2 adicionados ao preço de um barril afetam os consumidores por meio de custos mais altos de combustível em um momento em que a inflação impulsionada pela energia é um dos maiores obstáculos para os bancos centrais do mundo. Em agosto, por exemplo, os preços mais altos significaram que os custos da gasolina representaram metade do aumento no índice de preços ao consumidor dos EUA.

“O Federal Reserve deveria estar ciente deles e de sua influência nos mercados”, disse Rebecca Babin, trader sênior de energia da CIBC Private Wealth em Nova York. “Os CTAs podem criar essas fraturas - períodos de tempo em que estamos negociando longe dos fundamentos”, disse Babin. E embora esses momentos possam ser de curta duração, as subsequentes oscilações de preços “se refletem no mundo econômico de várias maneiras diferentes”, disse ela.

Grandes oscilações, grandes lucros

Enquanto os CTAs algorítmicos adicionam a tão necessária liquidez ao mercado, suas estratégias de negociação podem amplificar as oscilações diárias a extremos.

PUBLICIDADE

Em 2022, quando os volumes de negociação dos CTAs se expandiram rapidamente, os futuros de petróleo de Nova York registraram movimentos diários superiores a US$ 2 em mais de 242 ocasiões. Isso é 150% maior do que a média histórica desde 2000, de acordo com cálculos da Bloomberg.

No entanto, o que é surpreendente sobre a contínua volatilidade em 2023 é que isso ocorre sem o grande choque no fornecimento que seguiu a invasão da Rússia à Ucrânia. Embora o conflito entre Israel e o Hamas tenha deixado os mercados em alerta, ainda não teve um impacto significativo nos fluxos de petróleo.

Além disso, os rallies impulsionados pelos cortes na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus aliados foram prejudicados pela atividade dos CTAs.

A imprevisibilidade das oscilações de mercado deste ano não tem sido favorável aos traders humanos, muitos dos quais estão ganhando menos dinheiro com petróleo do que no ano passado, quando registraram ganhos recordes, de acordo com participantes do mercado.

PUBLICIDADE

Por outro lado, os CTAs têm prosperado, registrando três anos consecutivos de ganhos nos mercados de energia, segundo Stephen Roseme, da Bridgeton.

E muitos CTAs estão expandindo. A Capital Fund Management, sediada em Paris, afirma que os ativos sob gestão de seus CTAs saltaram para US$ 3,8 bilhões em julho de 2023, em comparação com US$ 2,4 bilhões em dezembro de 2021.

A Amapa Capital Advisors LLC e a Skylar Capital Management estão entre os CTAs que dobraram ou triplicaram os ativos sob gestão em menos de dois anos, relata a empresa de consultoria IASG. Os maiores CTAs em energia são Man AHL, Gresham, Lynx e AlphaSimplex, de acordo com a BarclayHedge, mas seus volumes exatos são difíceis de quantificar.

Homem vs. máquina

A beleza dos CTAs algorítmicos, segundo os humanos por trás deles, é que eles são isentos de viés e impulsos — são predominantemente matemáticos. Essa abordagem, é claro, é anátema para muitos no setor de commodities, onde o domínio do homem sobre a natureza e os mercados é fundamental.

PUBLICIDADE

“Cada trader pensa que é o melhor. Cada trader pensa que tem a vantagem”, diz Brent Belote, que abandonou uma carreira de negociação de petróleo no maior banco dos EUA, o JPMorgan Chase, para lançar seu próprio CTA em 2016.

Confiar em uma máquina não foi natural para Belote. Embora tenha construído seis algoritmos, inicialmente se viu negociando junto com eles. Afinal, ele tinha anos de experiência que o computador não tinha.

PUBLICIDADE

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia no início de 2022 e os futuros do petróleo Brent dispararam 35%, ultrapassando US$ 120 por barril, Belote queria desesperadamente direcionar seus algoritmos. Era uma manhã abaixo de zero em Jackson, Wyoming, quando ele se levantou para verificar seus modelos, mas decidiu não intervir. Na sequência da invasão, sua empresa, Cayler Capital, retornou 25% aos investidores, disse ele. Isso se compara a 1% do índice de fundos hedge da Bloomberg.

“Os números não mentem”, disse Belote.

Não são ‘Flash Boys’

Os CTAs em si não são novos — eles existem desde os primeiros dias da negociação de futuros. E desde 1984, eles precisam se registrar na National Futures Association. Eles geralmente têm uma barreira de entrada mais baixa do que os fundos hedge, que podem negociar uma variedade maior de títulos e exigir mais capital inicial.

PUBLICIDADE

No entanto, eles não são realmente os “Flash Boys” dos futuros. Os CTAs, ao contrário dos traders do dia a dia, não costumam lucrar com a velocidade com que se movem. Em vez disso, eles ganham dinheiro principalmente com indicadores impulsionados por tendências. Eles são ativos tanto em ações quanto em commodities por meio de futuros e opções.

Os mercados de commodities, no entanto, diferem das ações em muitos aspectos importantes. Por exemplo, enquanto o mercado de ações evoluiu como uma forma de levantar capital, os mercados futuros de commodities têm sido tradicionalmente um local para produtores e compradores protegerem seu risco de preço.

Nascidos do colapso

Como os CTAs se tornaram tão dominantes? Como muitos fenômenos atuais, a resposta começa nas profundezas da pandemia.

PUBLICIDADE

À medida que os lockdowns envolviam o mundo em 2020, o consumo de combustível despencou mais de um quarto. O caos se instalou no mercado de petróleo. O preço de referência do petróleo dos EUA chegou brevemente a menos US$ 40 por barril, e os investidores estavam em território completamente novo. Alguns fundos que adotaram visões de longo prazo com base em fundamentos de oferta e demanda rapidamente se retiraram.

Esses mercados de baixa se provaram “eventos de extinção” para os fundos tradicionais, abrindo caminho para a “supremacia do algoritmo”, a maioria dos quais são CTAs, disse Daniel Ghali, estrategista sênior de commodities do TD Securities. A invasão da Rússia à Ucrânia deu aos CTAs mais uma posição. A volatilidade crescente no mercado de futuros levou muitos investidores tradicionais restantes à saída, e o interesse aberto nos contratos principais de petróleo atingiu o menor nível em seis anos.

Isso coincidiu com o colapso de outra fonte de negociação de futuros e opções: a proteção à produção de petróleo. Durante o auge da expansão do xisto há cerca de uma década, os perfuradores fixavam os preços futuros para ajudar no financiamento de seu crescimento.

PUBLICIDADE

Mas, no rescaldo da queda de preços induzida pela pandemia, uma indústria petrolífera norte-americana mais contida passou a se concentrar cada vez mais em devolver dinheiro aos investidores e evitou a proteção, que muitas vezes pode limitar a exposição de uma empresa ao aumento de preços em um mercado em ascensão. No primeiro trimestre deste ano, o volume de petróleo que os produtores dos EUA estavam protegendo por meio de contratos derivativos havia caído mais de dois terços em comparação com antes da pandemia, de acordo com dados da BloombergNEF.

A recente onda de acordos por parte dos produtores de petróleo dos EUA ameaça acelerar ainda mais a queda na proteção. E é altamente provável que os CTAs continuem a preencher o vácuo deixado por esses jogadores tradicionais de mercado.

De certa forma, o surgimento dos CTAs está apenas começando. Isso é evidente para Bouchouev da NYU, que diz que seus alunos consideram trabalhar nos fundos como um “emprego dos sonhos”.

“Os CTAs são um exemplo de como a tecnologia está entrando no nosso espaço”, disse ele. “Você se tornaria um dinossauro após um tempo se a rejeitasse.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Por que o Bank of America vê recuo de estratégia 60/40 depois de mês histórico

Morgan Stanley rebaixa ações da LVMH para ‘neutro’ e encerra seis anos de otimismo