Crise da WeWork custa US$ 11,5 bi ao SoftBank e arranha a imagem de Masayoshi Son

Pedido de recuperação judicial revela falhas na estratégia de investimento do bilionário japonês, que ajudou a inflar o valor da empresa de coworking

WeWork recuperação judicial
Por Min Jeong Lee
08 de Novembro, 2023 | 04:41 PM

Bloomberg — O pedido de recuperação da WeWork encerra uma saga que durou anos e revelou falhas na estratégia de investimento do bilionário japonês Masayoshi Son, prejudicando sua reputação profissional muito além do dinheiro que ele perdeu.

Son ignorou as objeções de seus subordinados e entregou bilhões de dólares do grupo SoftBank e do Vision Fund ao fundador da WeWork, Adam Neumann, elevando o valor da empresa de escritórios compartilhados para US$ 47 bilhões no início de 2019.

Apenas alguns meses depois, os investidores se recusaram a aceitar os prejuízos elevados e os conflitos de interesse revelados nos documentos de abertura de capital da WeWork.

A crise da WeWork custou ao SoftBank mais do que as estimadas perdas de US$ 11,5 bilhões em valor das ações e outros US$ 2,2 bilhões em dívidas ainda em jogo.

PUBLICIDADE
LEIA +
WeWork diz que operação no Brasil não é afetada por recuperação judicial

Os problemas da WeWork, juntamente com a perda recorde de US$ 32 bilhões do Vision Fund no ano passado, prejudicou a posição de Son como um investidor perspicaz, conquistada por ele após a aposta precoce na líder chinesa de comércio eletrônico Alibaba (BABA).

“Você pode se recuperar de erros, mas como você se recupera da percepção de que não sabe o que está fazendo?” disse Aswath Damodaran, professor da Stern School of Business da Universidade de Nova York. “Suas decisões dizem: ‘Sou arrogante’.”

Masayoshi Son e Adam Neumanndfd

A experiência de Son em ter superado a bolha da internet com a aposta em alguns vencedores, como o Alibaba, pode ter comprometido seu julgamento, disse Damodaran.

PUBLICIDADE

“Antes da WeWork, a percepção era de que o SoftBank era uma organização incrivelmente cuidadosa, inteligente e visionária sob o comando de Son”, disse ele. “Mas acho que o sucesso às vezes sobe à cabeça das pessoas. O fato de terem sido bem-sucedidos pode tê-los convencido um pouco demais de que sabiam mais do que todo mundo. E é aí que estão as sementes para a queda eventual.”

A WeWork continuará operando durante a recuperação judicial, enquanto tenta fortalecer suas finanças. O SoftBank e os credores existentes concordaram com um acordo de reestruturação que reduzirá mais de US$ 3 bilhões de sua dívida.

“Acreditamos que o acordo de apoio à reestruturação de hoje representa a ação apropriada para a WeWork reorganizar seus negócios e sair dos procedimentos do Chapter 11 [processo semelhante a uma recuperação judicial nos EUA]″, disse um porta-voz do investidor japonês por e-mail. “O SoftBank continuará agindo no melhor interesse de longo prazo de nossos investidores.”

Quem criou o Vision Fund, do SoftBank

Masayoshi Son criou o Vision Fund, do SoftBank, em 2017 para ser o maior fundo de investimento em tecnologia do mundo e realizou aportes de mais de US$ 140 bilhões em centenas de startups.

Sua tendência de aumentar os valuations (avaliações de valor) e dar aos fundadores mais dinheiro do que pediam lhe rendeu críticas de rivais do Vale do Silício.

O próprio Son creditou suas decisões ao instinto, citando o brilho nos olhos de um fundador ou uma inspiração semelhante à Força em Star Wars. Mas essa confiança em sua própria intuição pode ter feito Son relutar em prestar atenção aos sinais de alerta, à oposição de seus assessores e até às preocupações levantadas pelo próprio Adam Neumann, segundo ex-funcionários do SoftBank e da WeWork.

Perdas da WeWorkdfd

As crescentes perdas levaram Son a praticamente interromper os investimentos em startups no ano passado, reduzir a equipe do Vision Fund e adotar um processo de due diligence mais rigoroso. Son também deixou de liderar as teleconferências de resultados.

PUBLICIDADE

Essa restrição, juntamente com a abertura de capital da empresa de design de chips Arm (ARM) na Nasdaq por US$ 4,9 bilhões em setembro, agora dá ao apoiador inicial da inteligência artificial o dinheiro necessário para voltar à ofensiva.

“A recuperação judicial coloca um limite na perdas para o Vision Fund 1 e para o Vision Fund 2″, disse Boodry, da Astris Advisory, acrescentando que a atenção agora se volta para quais investimentos Son fará a seguir. “As pessoas estão menos preocupadas com as perdas na carteira.”

Damodaran, da NYU, não está convencido. Apenas uma pessoa toma as decisões no SoftBank, grupo do qual o bilionário tem 30% do controle acionário, e o estilo de investimento de Son é improvável de mudar, disse ele.

Diz-se frequentemente que o SoftBank aplica a mentalidade de um capitalista de risco aos investimentos em estágios avançados. No entanto, o capital de risco deve consistir em pequenas apostas, e o Vision Fund era o “SoftBank anabiolizado”, disse Damodaran. “Deveria ser pequeno, e ele o tornou gigante.”

PUBLICIDADE

“Ao ter dezenas de bilhões, centenas de bilhões de dólares por trás de você, você torna ainda maior cada ultrapassagem que faz”, disse ele. “Isso pode explicar como você comete erros tão grandes quanto a WeWork.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Stone e PagSeguro valem 90% menos após Pix e aumento de concorrência

PUBLICIDADE

Madero mantém cautela para 2024 e dá o tom do setor de restaurantes no país

Novos planos de Netflix e Disney testam o quanto o consumidor está disposto a pagar