Apple reduz emissões com o iPhone, mas volume de vendas é entrave para meta ambiental

Para especialistas, o baixo índice de reparos dos celulares e o hábito de substituição de aparelhos impediriam a empresa de alcançar a neutralidade de CO2

a
Por Coco Liu
07 de Novembro, 2023 | 01:42 PM

Bloomberg — A Apple (AAPL) anunciou diversos produtos este ano, embora nenhum seja mais importante para seus negócios do que o iPhone 15. À primeira vista, o mais recente iPhone parece ter atendido a todos os critérios em termos de sustentabilidade.

A pegada de carbono do iPhone 15 Pro diminuiu cerca de 30% em comparação com uma linha de base definida pela empresa (embora tenha aumentado 1% em relação ao iPhone 14 Pro), e a empresa eliminou em grande parte a embalagem de plástico.

Também há uma ampla gama de minerais 100% reciclados no celular, desde a folha de cobre em seu carregador e o ouro em seu conector USB-C até o cobalto em sua bateria. Todos eles estreias para a gigante de tecnologia do Vale do Silício.

O progresso da Apple no uso de materiais reciclados é notável, dado que a mineração frequentemente gera conflitos e degradação ecológica. Mas aos olhos de alguns especialistas em sustentabilidade, isso também é uma distração que desviou a atenção pública de um problema maior.

PUBLICIDADE
LEIA +
Apesar de queda recente, por que ações de big techs ainda são consideradas caras

“A reciclagem é na verdade uma distração”, diz Gary Cook, que dirige campanhas climáticas globais na ONG ambiental Stand.earth. Quando se trata de reduzir os impactos climáticos, “a reparação é muito mais importante”, diz Cook.

Dados da Apple mostram que cerca de 80% das emissões de carbono ao longo da vida útil de um iPhone 15 Pro estão ligadas à sua produção. Isso significa que quanto mais tempo os consumidores mantiverem seus dispositivos, mais emissões poderão ajudar a prevenir.

adfd

“A pior reciclagem é melhor do que a melhor mineração, mas isso não significa que a reciclagem seja a coisa mais ecológica a fazer”, diz Josh Lepawsky, um professor especializado em lixo eletrônico na Universidade Memorial de Newfoundland.

PUBLICIDADE

Extrair cobre, ouro e outros minerais de telefones usados e fazer novos requer energia. “O que eles apresentam como um círculo fechado na verdade não é fechado”, diz Lepawsky.

Isso é particularmente preocupante para uma empresa do tamanho da Apple. No ano passado, a gigante da tecnologia enviou quase 225 milhões de iPhones para o mundo todo.

Embora um iPhone 15 Pro gere 66 quilos de dióxido de carbono ao longo de sua vida útil - o equivalente a dirigir de Washington, DC, a Filadélfia - calcular o quanto isso gera com todos os smartphones da Apple enviados em 2022 somados resulta em cerca de 15 milhões de toneladas métricas. Isso é aproximadamente quatro vezes mais do que as emissões anuais de edifícios de Washington, DC.

“É ingênuo pensar que qualquer produto de TI seja realmente sustentável”, diz Andreas Nobell, gerente da TCO Development, um instituto sueco que certifica eletrônicos verdes. “Você terá apenas diferentes graus de sustentabilidade.”

adfd

Reparos

Em vez de comprar um novo telefone feito com materiais reciclados, Nobell diz que os consumidores fariam um melhor trabalho de proteção do planeta - assim como de suas próprias carteiras - se continuassem a usar seu telefone existente.

Um porta-voz da Apple disse que a empresa está priorizando a longevidade, incluindo tornar seus telefones mais duráveis e garantir que as atualizações de software funcionem em dispositivos mais antigos.

Mudanças recentes no hardware também incluem o redesenho do iPhone 15 Pro para que o vidro traseiro possa ser substituído separadamente, o que economizará aos usuários mais de US$ 300 em comparação com a linha iPhone 14 Pro.

PUBLICIDADE

“Com milhares de locais de serviço autorizados, também oferecemos às oficinas de reparo independentes acesso às peças, ferramentas e manuais da Apple”, disse um porta-voz da Apple. “No ano passado, fomos o primeiro grande fabricante a lançar um programa de reparo autosserviço, e somos os primeiros a apoiar tanto a regulamentação estadual quanto federal de reparos para garantir consistência, segurança e privacidade do cliente.”

Mas Kyle Wiens, que dirige o negócio de reparo de eletrônicos e o grupo de defesa iFixit, culpa a Apple por usar software para “bloquear a maioria dos reparos [independentes]”.

A emparelhamento de peças - isto é, quando um componente específico é emparelhado com um aparelho específico por meio de software - prejudicou a capacidade de reparo dos iPhones e a credibilidade ambiental da Apple, diz Wiens.

Sua equipe recentemente desmontou duas unidades do iPhone 15 Pro Max e trocou componentes dos dispositivos. O que aconteceu em seguida, descobriram os testadores da iFixit, foi uma série de avisos da Apple que diziam “Incapaz de determinar se o visor do seu iPhone é uma peça genuína da Apple.”

PUBLICIDADE

Os iPhones com componentes trocados também perderam o acesso ao Face ID, um recurso popular que permite aos usuários fazer login rapidamente usando a tecnologia de reconhecimento facial, enquanto experimentavam vários outros problemas de funcionalidade, diz Wiens.

A Apple argumenta que o emparelhamento de peças tem o objetivo de adicionar uma camada de proteção para os usuários, e principalmente para funções sensíveis, como o Face ID. A empresa alega que essas peças protegem a segurança do telefone, por isso é necessário adotar medidas extras de emparelhamento de peças.

Entre dezenas de aparelhos que a iFixit examinou até o momento por meio de sua rede de técnicos, a Apple é a única marca de smartphones com um sistema restritivo de emparelhamento de peças, de acordo com Wiens.

Embora a empresa tenha implantado esse design em seus aparelhos móveis há anos, os testes da iFixit mostram que o iPhone 15 Pro Max viu um aumento nas limitações em comparação com modelos anteriores, obtendo uma pontuação de 4 de 10 na classificação de reparabilidade da iFixit. (Isso fica atrás da pontuação 10 do FairPhone 4, da pontuação 7 do LG G5 e da própria pontuação 7 do iPhone 7 Plus da Apple.)

PUBLICIDADE

A iFixit diz que, de 11 componentes que trocou nas unidades do iPhone 15 Pro Max, sete deles acionaram avisos de erro ou experimentaram mau funcionamento. Se não puderem ser reutilizados, alguns desses componentes provavelmente acabarão em uma instalação de reciclagem ou, pior ainda, em um aterro. “Isso é ruim para o meio ambiente porque a energia incorporada na fabricação é tão alta”, diz Wiens.

Além das emissões, o lixo eletrônico é um problema em expansão rápida para o meio ambiente. Os resíduos eletrônicos atingiram uma máxima histórica de 53,6 milhões de toneladas em todo o mundo em 2019, de acordo com os dados mais recentes das Nações Unidas.

PUBLICIDADE

Pequenos dispositivos, incluindo smartphones, contribuíram com quase 10% do total dos descartes, diz a ONU. Sem o tratamento adequado, materiais tóxicos de resíduos eletrônicos podem infiltrar-se nas águas subterrâneas e no solo, matar a vida selvagem e até mesmo encontrar seu caminho na cadeia alimentar humana.

A Apple há muito tempo é criticada por não tornar os iPhones mais fáceis de reparar. A empresa havia feito lobby contra a legislação de direito ao reparo em vários estados dos EUA antes de recentemente reverter sua posição na Califórnia, que recentemente aprovou uma lei que dá aos usuários mais opções para consertar seus eletrônicos.

“A nova lei da Califórnia ajudará a garantir que os consumidores e empresas de reparo independentes tenham recursos disponíveis para reparar seus dispositivos com segurança, sem comprometer sua privacidade ou segurança de dados”, disse Brian Naumann, vice-presidente do negócio de reparo da Apple, em um evento na Casa Branca no mês passado.

PUBLICIDADE

A empresa começou a vender peças de reposição para iPhones aos consumidores em 2022, embora essa mudança de curso tenha ocorrido cerca de 15 anos após o lançamento do primeiro iPhone. A Apple já afirmou que os iPhones são “muito complexos” para que qualquer pessoa possa repará-los. Mas observadores da indústria apontam que a resistência da empresa pode ir além de considerações tecnológicas.

“A capacidade de reparo é absolutamente essencial para garantir que os telefones sejam o mais verdes possível”, diz Jan Stryjak, um analista especializado em sustentabilidade de smartphones na consultoria global Counterpoint Research. Mas a Apple, junto com muitas outras empresas de tecnologia de consumo, está “em uma posição muito delicada”, acrescenta Stryjak.

Em uma carta de 2019, o CEO da Apple, Tim Cook, afirmou que uma queda nas vendas de iPhones foi causada em parte pelos consumidores que repararam seus antigos devido à redução dos preços das baterias de reposição, sinalizando que o que é bom para o meio ambiente pode entrar em conflito com o resultado final da Apple.

PUBLICIDADE

Nos últimos anos, a Apple fez esforços para diversificar sua receita além do hardware - adicionando serviços de nuvem, streaming online e garantias pagas. Mas os dispositivos ainda são uma mina de ouro. Nos três meses que terminaram em setembro de 2023, as vendas de iPhones foram responsáveis por cerca de US$ 44 bilhões em receita - quase metade da receita total da Apple - de acordo com o último balanço financeiro da empresa.

“Eles não querem que seus produtos durem o máximo possível porque querem vender novos”, diz Stryjak.

A Apple intensificou os esforços para enfrentar os problemas ambientais nos últimos anos. A empresa disse em 2017 que reduziria sua dependência de minerais virgens e, eventualmente, encerraria a mineração. Ela também se juntou a uma lista crescente de empresas que visam zerar as emissões de gases de efeito estufa até 2030.

PUBLICIDADE

A empresa aumentou os investimentos em projetos de energia renovável e sua transição para transporte de baixas emissões. Em setembro, a Apple também lançou o que chama de “primeiro smartwatch neutro em carbono”, embora essa afirmação tenha sido contestada por órgãos de controle ambiental.

Mas com consumidores fazendo fila em todo o mundo para comprar novos iPhones, analistas dizem que esses dispositivos estão no centro do sucesso - ou fracasso - da Apple em cumprir sua promessa ambiental. A empresa fez esforços para reduzir o impacto climático de seu produto principal por meio de melhorias de design e fabricação mais ecológica.

Mesmo um iPhone mais ecológico por si só pode não ser suficiente para reverter a maré, porque essa economia em cada dispositivo pode ser cancelada por um aumento no número total de smartphones que a empresa vende.

De fato, as vendas anuais dos dispositivos móveis da Apple aumentaram 60 vezes desde o lançamento do primeiro iPhone em 2007. Em contraste, as emissões por unidade do iPhone 15 são apenas 70% do iPhone 6, o modelo mais intensivo em carbono da Apple.

A Apple se comprometeu a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em 75% abaixo dos níveis de 2015 até o final desta década, aumentando o uso de energias renováveis e outras tecnologias de baixo carbono. Ela também prometeu abordar as emissões restantes por meio de créditos de remoção de carbono.

Na teleconferência de resultados na quinta-feira, Tim Cook reiterou o compromisso da empresa com a sustentabilidade. “Planejamos tornar cada produto de nossa linha neutro em carbono até o final da década”, disse ele.

Para que a Apple cumpra suas metas climáticas, no entanto, Lepawsky diz que a ferramenta mais potente da empresa é gerar uma diminuição do consumo.

“O dispositivo mais ecológico é aquele que você já tem”, diz ele.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Remoção de carbono não é só para empresas. As pessoas também querem

Banco suíço alerta para perda de valor dos créditos de carbono