Por que Marc Andreessen acredita que IA é a solução ‘universal’ dos problemas

Em manifesto publicado nesta segunda, o sócio da a16z disse que a Inteligência Artificial é a “Pedra Filosofal” e principal força do progresso

Marc Andreessen, cofundador da Andreessen Horowitz
17 de Outubro, 2023 | 09:46 AM

Bloomberg Línea — Há 12 anos, Marc Andreessen, cofundador com Ben Horowitz da a16z (Andreessen Horowitz), uma das gestoras de capital de risco mais reconhecidas do mundo, publicava um de seus mais famosos manifestos: “Por que o software está devorando o mundo”. Do Vale do Silício, a Andreessen Horowitz, que tem cerca de US$ 35 bilhões em ativos sob gestão, é conhecida por investir tanto em startups de software e serviços de internet até biotecnologia e empresas de criptomoedas.

A a16z foi uma das primeiras a financiar empresas de tecnologia como o Facebook, o Twitter, a Coinbase e a Stripe. Mais de uma década depois, Andreessen publicou nesta segunda-feira (12) um manifesto em que reafirma o que diz ser a verdade sobre a tecnologia e as mentiras sobre ela.

Segundo o investidor, a sociedade é frequentemente informada de que a tecnologia é prejudicial, causando perda de empregos, ameaçando saúde e futuro e potencialmente arruinando tudo. Ele argumenta que, na verdade “a tecnologia é a base da civilização e representa o ápice da ambição e realização humana”.

“A humanidade sempre se beneficiou e avançou por meio da tecnologia, desde a invenção de luzes elétricas até a criação de vacinas. O progresso tecnológico, conhecido como crescimento da produtividade, tem sido o principal motor do crescimento econômico, levando à criação de novas indústrias e empregos”, disse.

PUBLICIDADE

Para ele, os otimistas da tecnologia acreditam no crescimento e no progresso contínuo. Eles veem a tecnologia como a principal fonte de crescimento, uma vez que outros métodos, como o crescimento populacional e a utilização de recursos naturais, têm limites. Tecnologia é a solução para muitos dos problemas que enfrentamos, desde a fome até a pobreza.”

A tecnologia e os mercados, segundo a a16z

De acordo com o manifesto de Andreessen, os mercados livres são vistos como a maneira mais eficaz de organizar uma economia tecnológica. “Unindo tecnologia e mercados, temos o que Nick Land chama de máquina tecno-capital, o motor da criação, crescimento e abundância contínuos”, disse.

“Acreditamos que esta máquina nunca para, mas sempre evolui. A vantagem comparativa potencializa a especialização e o comércio. Os preços caem, criando demanda, o que beneficia todos. As necessidades e desejos humanos são infinitos, e os empreendedores constantemente inovam para satisfazê-los. Essa ascensão tem ocorrido por séculos, resultando no maior número de empregos e padrões de vida até 2019.″

PUBLICIDADE

Segundo o sócio da gestora, essa máquina faz a seleção natural funcionar em prol das ideias, em que as melhores vencem e geram ideias ainda melhores. Ray Kurzweil define a Lei dos Retornos Acelerados, em que avanços tecnológicos alimentam avanços futuros.

Inteligência artificial como a pedra filosofal

“A inteligência é a principal força do progresso, tornando tudo melhor”, disse Andreessen, argumentando que sociedades mais inteligentes superam as menos dotadas. “Estamos em uma crescente espiral de inteligência, com cada vez mais pessoas se juntando à máquina tecno-capital e à ascensão da Inteligência Artificial (IA)”.

Segundo o executivo, a IA é a “Pedra Filosofal” que pode ser vista como solucionadora universal de problemas. “Ela pode salvar vidas, especialmente na medicina, podendo prevenir mortes. Qualquer desaceleração da IA é prejudicial.”

“Defendemos tanto a Inteligência Aumentada quanto a Inteligência Artificial. Máquinas inteligentes potencializam humanos inteligentes, expandindo o que podemos fazer. Esta união impulsiona a produtividade, o crescimento salarial e a demanda, sem limites.”

Em busca da vida além da Terra

Entre os pontos principais do manifesto otimista e da visão ambiciosa do futuro alimentado pela tecnologia, Marc Andreessen defende o seguinte:

  • Energia: Andreessen vê a energia como a espinha dorsal da vida, enfatizando a necessidade de equilibrar o consumo entre países e promover alternativas como a energia nuclear. Para ele, a tecnologia é a chave para a preservação ambiental.
  • Abundância: Combinando inteligência com energia, ele prevê um mundo em que bens e serviços tornam-se quase gratuitos, permitindo uma “desmaterialização” em que mais é alcançado com menos.
  • População: A população é valorizada como o recurso mais valioso, trazendo criatividade e inovação. Ele imagina um planeta que pode sustentar muito mais do que sua população atual, inclusive expandindo-se para outros planetas.
  • Visão de futuro: Enquanto rejeita a ideia de uma utopia, Andreessen acredita em um progresso constante que pode trazer mudanças revolucionárias.
  • Tecnologia e humanidade: Ele defende a ideia de que os seres humanos devem ser os mestres da tecnologia, usando-a para se elevar, não sendo escravizados por ela.
  • Valores centrais: Ambição, persistência, mérito e liberdade de pensamento são centrais em sua visão. Ele vê a tecnologia como algo que deve ser acessível a todos, independentemente de suas origens.
  • Desafios e adversários: O manifesto identifica uma série de “inimigos”, principalmente na forma de ideias negativas e sistemas que impedem o progresso. Andreessen é particularmente crítico à burocracia, à corrupção e ao “Princípio da Precaução”, que, segundo ele, tem prejudicado a inovação.
  • Um chamado ao futuro: Andreessen exorta a sociedade a adotar uma abordagem otimista, abraçando a tecnologia e suas possibilidades para construir um futuro melhor.

Leia também

Musk faz novo alerta sobre os riscos com a IA e pede uma ‘estrutura regulatória’

Estrategistas de Wall St alertam para lucros menores em safra de resultados

Isabela  Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups