Estrategistas de Wall St alertam para lucros menores em safra de resultados

Revisões para baixo na expectativa de lucro para o terceiro trimestre e eventuais números ainda mais fracos podem sinalizar o peso de riscos cíclicos para a economia

Trader na NYSE: temporada de resultados começa a impactar os preços de ativos no mercado americano (Foto: Michael Nagle/Bloomberg)
Por Farah Elbahrawy
16 de Outubro, 2023 | 03:08 PM
Últimas cotações

Bloomberg — A perspectiva para os lucros corporativos está enfraquecendo e pode permanecer contida, de acordo com estrategistas que vão do Morgan Stanley (MS) ao JPMorgan (JPM).

À medida que a temporada de balanços corporativos se inicia, Michael Wilson, estrategista-chefe do Morgan Stanley, disse que a amplitude de revisões de lucros – referindo-se ao número de ações que veem revisões para cima em comparação com as revisões para baixo – para o índice S&P 500 caiu acentuadamente nas últimas semanas.

Dado que esta época do ano é o momento em que as revisões de lucros tendem a passar por uma inflexão ascendente em termos de amplitude, um desempenho inferior adicional “seria um sinal de que outros riscos cíclicos, incluindo ventos macroeconômicos adversos, estão impulsionando o cenário de revisões de lucros”, escreveu Wilson em uma nota.

O índice de revisões de lucros do Citigroup (C) mostra que as revisões para baixo superaram as revisões para cima por quatro semanas consecutivas antes da temporada de divulgação de resultados. O estrategista do JPMorgan, Mislav Matejka, espera que esse movimento continue.

PUBLICIDADE

“Mais recentemente, as revisões do EPS [lucro por ação, na sigla em inglês] parecem estar enfraquecendo novamente nos EUA e na zona do euro”, escreveu Matejka em uma nota. “Acreditamos que essa tendência de baixa pode continuar.”

As visões pessimistas contrastam com um tom mais otimista de analistas antes da temporada, que começou na sexta-feira passada (13) com gigantes bancários, incluindo o JPMorgan. Os próximos resultados revelarão como as empresas lidaram com desafios como taxas de juros mais altas e a desaceleração da demanda do consumidor.

A perspectiva de taxas de juros mais altas por mais tempo tem perturbado os mercados neste mês, com o rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos atingindo o nível mais alto em mais de uma década.

PUBLICIDADE

Os investidores estão se preparando para um cenário em que o Federal Reserve mantenha a política monetária apertada, reacendendo preocupações com uma recessão que foram agravadas pelo conflito no Oriente Médio.

Projeções de queda para os ganhos superam as de aumentodfd

A estrategista da RBC Capital Markets, Lori Calvasina, disse que a temporada de resultados começou bem em termos de reações dos preços das ações, apesar de as revisões dos lucros por ação terem se tornado ligeiramente negativas e os comentários sugerirem que o cenário macroeconômico incerto está afetando as empresas.

De acordo com dados compilados pela Bloomberg Intelligence, 88% das poucas empresas do S&P 500 que relataram até agora superaram as estimativas.

Calvasina ligeiramente aumentou sua previsão de lucro por ação do S&P 500 para 2023 e 2024. “Nossa previsão para 2024 assume significativa moderação da inflação, alívio das pressões das taxas de juros na segunda metade do ano e previsões tímidas de PIB e produção industrial”, escreveu em uma nota.

No entanto resultados iniciais mostram um “início forte” para o trimestre, de acordo com estrategistas do Bank of America (BAC), que afirmaram que as empresas do S&P 500 que relataram seus números até agora superaram as estimativas dos analistas em 9%.

Os analistas preveem que as empresas do S&P 500 apresentarão uma queda de 0,8% nos lucros do terceiro trimestre em relação ao ano anterior, antes de um aumento de 6,2% nos últimos três meses do ano, de acordo com estimativas compiladas pela Bloomberg Intelligence.

“Esperamos que o guidance das empresas forneça mais clareza sobre as expectativas para o quarto trimestre, o que deve, por sua vez, definir o tom para as revisões de 2024″, disse Wilson.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Apple ganha peso e simboliza mudança de perfil em mercado de câmbio global

Casino, dono do Pão de Açúcar, venderá fatia no Éxito por US$ 556 milhões