JPMorgan adquire o First Republic, banco que reacendeu temor sobre crise do setor

JPMorgan, o maior banco dos EUA, concordou em assumir empréstimos, títulos e depósitos do First Republic que somam US$ 295 bilhões com apoio do FDIC

First Republic
Por Jenny Surane - Hannah Levitt - Katanga Johnson
01 de Maio, 2023 | 08:27 AM
Últimas cotações

Bloomberg — O JPMorgan Chase (JPM) venceu um leilão para adquirir o First Republic Bank (FRC) em uma intervenção de emergência liderada pelo governo depois que os esforços de resgate privados não conseguiram preencher um buraco no balanço do banco problemático e os clientes retiraram seus depósitos.

O JPMorgan assumirá os ativos da First Republic, incluindo cerca de US$ 173 bilhões em empréstimos e US$ 30 bilhões em títulos, bem como US$ 92 bilhões em depósitos.

O JPMorgan e a Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), entidade com função equivalente à do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que orquestrou a venda, concordaram em dividir o ônus das perdas, bem como quaisquer recuperações, nos empréstimos unifamiliares e comerciais da empresa, informou a agência na segunda-feira (1º) em um comunicado.

“Nosso governo nos convidou e a outros para intensificar, e nós o fizemos”, disse o CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, em um comunicado. “Nossa força financeira, capacidades e modelo de negócios nos permitiram desenvolver uma oferta para executar a transação de forma a minimizar os custos para o Federal Deposit Insurance Corporation.”

PUBLICIDADE

As ações da First Republic caíram mais de 33% às 4h06 em Nova York durante as negociações de pré-mercado, colocando-a no caminho para estender a queda de 97% deste ano. As ações do JPMorgan subiram 3,8%.

A transação torna o JPMorgan, o maior banco do país, ainda mais massivo – um resultado que os funcionários do governo se esforçaram para evitar no passado.

Devido às restrições regulatórias dos EUA, o tamanho do JPMorgan e sua participação existente na base de depósitos dos EUA o impediriam, em circunstâncias normais, de expandir ainda mais sua base de depósitos por meio de uma aquisição. E proeminentes legisladores democratas e o governo Biden se irritaram com a consolidação no setor financeiro e em outros setores.

O JPMorgan espera reconhecer um ganho único de US$ 2,6 bilhões vinculado à transação, de acordo com um comunicado. O banco estimou que incorrerá em US$ 2 bilhões em custos de reestruturação relacionados nos próximos 18 meses.

Os US$ 92 bilhões em depósitos incluem os US$ 30 bilhões que o JPMorgan e outros grandes bancos americanos colocaram no banco em março para tentar estabilizar suas finanças. O JPMorgan prometeu que os US$ 30 bilhões seriam reembolsados.

Pelos US$ 173 bilhões em empréstimos e US$ 30 bilhões em títulos incluídos no acordo, o JPMorgan e o FDIC firmaram o acordo de compartilhamento de perdas para cobrir empréstimos hipotecários residenciais unifamiliares e empréstimos comerciais, bem como US$ 50 bilhões em empréstimos de cinco anos, financiamento a prazo fixo.

Acordo de ativos

O FDIC e o JPMorgan compartilharão as perdas e as possíveis recuperações dos empréstimos, com a agência observando que deve “maximizar as recuperações dos ativos, mantendo-os no setor privado”. O FDIC estimou que o custo para o fundo de seguro de depósito será de cerca de US$ 13 bilhões.

PUBLICIDADE

“Devemos reconhecer que falências de bancos são inevitáveis em um sistema financeiro dinâmico e inovador”, disse Jonathan McKernan, membro do conselho do FDIC, em comunicado.

“Devemos nos planejar para essas falências de bancos, concentrando-nos em fortes requisitos de capital e em uma estrutura de resolução eficaz como nossa melhor esperança para acabar com a cultura de resgate de nosso país que privatiza ganhos enquanto socializa perdas.”

'Nossa força financeira, capacidades e modelo de negócios nos permitiram desenvolver uma oferta para executar a transação de forma a minimizar os custos para o Federal Deposit Insurance Corporation'dfd

O JPMorgan disse que, mesmo após o acordo, seu índice de capital de nível 1 será consistente com sua meta de 13,5% para o primeiro trimestre. Espera-se que a transação gere mais de US$ 500 milhões em receita líquida incremental por ano, estimou a empresa.

Marianne Lake e Jennifer Piepszak, co-CEOs da unidade de serviços bancários comunitários e de consumo do JPMorgan, supervisionarão os negócios adquiridos do First Republic.

“O First Republic construiu uma forte reputação por servir os clientes com integridade e serviço excepcional”, disseram Lake e Piepszak no comunicado. “Estamos ansiosos para receber os funcionários do First Republic.”

O JPMorgan foi um empresa-chave durante o processo de recuperação do First Republic. O banco aconselhou seu rival menor em sua tentativa de encontrar alternativas estratégicas, e Dimon foi fundamental na mobilização de executivos do banco para injetar US$ 30 bilhões em depósitos.

O First Republic é especializada em private banking que atende a pessoas mais ricas, assim como o Silicon Valley Bank (SVB), que faliu em março, focado em empresas de capital de risco.

O presidente Jim Herbert iniciou o credor em 1985 com menos de 10 pessoas, de acordo com a história do First Republic. Em julho de 2020, o banco disse que era o 14º maior dos Estados Unidos, com 80 escritórios em sete estados. Empregava mais de 7.200 pessoas no final do ano passado.

Como outros bancos regionais, o First Republic, com sede em San Francisco, se viu pressionado quando o Federal Reserve aumentou as taxas de juros para combater a inflação, o que prejudicou o valor dos títulos e empréstimos que o banco comprou quando as taxas estavam baixas.

Enquanto isso, os depositantes fugiram, em parte em busca de melhores retornos e, em seguida, com medo, à medida que se espalhavam as preocupações com a saúde do First Republic.

O resultado foi um buraco de capital grande o suficiente para impedir que um salvador em grande escala avançasse. Uma nova onda de temor foi desencadeada em abril pelo relatório do primeiro trimestre do banco e notícias de sua tentativa de vender ativos e arquitetar um resgate. O banco disse que cortaria até 25% de sua equipe, reduziria os empréstimos pendentes e restringiria atividades não essenciais.

Onze bancos americanos tentaram manter o First Republic à tona prometendo US$ 30 bilhões em novos depósitos em 16 de março, com JPMorgan, Bank of America (BAC), Citigroup (C) e Wells Fargo (WFC) lançando US$ 5 bilhões cada.

O Goldman Sachs (GS), o Morgan Stanley (MS) e outros bancos ofereceram quantias menores como parte de um plano elaborado em conjunto com reguladores americanos. Além disso, o First Republic recorreu ao Federal Home Loan Bank e a uma linha de liquidez do Federal Reserve.

Não foi o suficiente. A ação do banco, que chegou a US$ 170 em março de 2022, caiu para menos de US$ 5 no final de abril. O fim do First Republic colocaria em risco não apenas os proprietários de ações ordinárias, mas também cerca de US$ 3,6 bilhões em ações preferenciais e US$ 800 milhões em notas sem garantia.

O banco foi comprado e vendido várias vezes ao longo dos anos, com o Merrill Lynch pagando US$ 1,8 bilhão para adquirir a First Republic em 2007. A propriedade passou para o Bank of America quando comprou a Merrill Lynch em 2009 e mudou de mãos novamente em meados de 2010, quando empresas de investimento, incluindo a General Atlantic e a Colony Capital, compraram a First Republic por US$ 1,86 bilhão e abriram o capital.

-- Com colaboração de David Scheer e Rick Green.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Powell tem desafio de consenso no Fed à medida que ciclo se aproxima do fim

Americanas: Sicupira é reeleito para conselho e reestruturação tem aval