Investidores contêm impulso de compras com inflação dos EUA e ata do Fed no radar

Operadores trabalham com a expectativa de que os preços na economia norte-americana se desacelerem e estão atentos ao debate entre os membros do Fed

Estes são os eventos que orientam os investidores hoje
Por Bianca Ribeiro - Michelly Teixeira
12 de Abril, 2023 | 06:14 AM

Barcelona, Espanha — (Esta é a versão atualizada de nota publicada originalmente às 6h27)

Os investidores estarão atentos à inflação de março nos Estados Unidos, que sai hoje, com a esperança de que esta se desacelere. Ao mesmo tempo, comentários de integrantes do Federal Reserve (Fed) e a ata da última decisão do colegiado também compõem o cenário de incerteza sobre o rumo da política monetária.

→ Leia também o Breakfast, a newsletter matinal da Bloomberg Línea: Resultados do 1º tri desafiam o rali do S&P500

Os futuros de índices dos Estados Unidos firmavam ganhos, assim como as bolsas na Europa. Na Ásia, o fechamento foi misto, com a baixa do Hang Seng influenciada pela queda das ações da Tencent.

PUBLICIDADE

No mercado de dívida, o prêmio do título norte-americano para 10 anos subia para 3,458% às 7h23 (horário de Brasília). O dólar operava em queda ante outras divisas, assim como a libra, enquanto o euro se valorizava.

Nos demais mercados, o contrato de petróleo WTI subia e o ouro também. O bitcoin caía, cotado ao redor de US$ 30.000.

→ O que move os mercados hoje

👥 Vozes dissonantes. Pelas declarações públicas, parece não haver consenso entre os membros do Fed para maio. John Williams, do Fed de Nova York, defendeu um novo aumento dos juros para controlar a inflação, enquanto Austan Goolsbee, do Fed de Chicago, que vota nas reuniões deste ano, foi o primeiro membro do colegiado a sinalizar a chance de uma pausa no aperto devido aos possíveis efeitos do estresse bancário na economia: “Acho que precisamos ser cautelosos.”

PUBLICIDADE

🧯 Sob pressão. A visão do Fed durante o auge da crise bancária na última reunião do FOMC será conhecida hoje na ata da decisão que elevou os juros dos EUA em 0,25 ponto percentual para uma faixa entre 4,75% e 5% em março.

💵 Oferta em andamento. A Emerson Electric pode anunciar ainda nesta semana sua investida para adquirir a National Instruments, que fabrica sistemas de medição. Segundo a Bloomberg, a Emerson, que tem um valor de mercado de US$ 48 bilhões, fez uma oferta de US$ 60 por ação para comprar a National Instruments, cujo valor de mercado atingiu US$ 6,9 bilhões no fechamento de ontem.

👝 O rali continua? A julgar pelo fluxo entre as carteiras digitais e as plataformas de criptomoedas, o rali estelar do bitcoin em 2023 tem espaço para prosseguir, segundo os estrategistas do Bank of America Corp.. Um saldo líquido de US$368 milhões foi dirigido às carteiras pessoais na semana encerrada em 4 de abril, quando se registrou a segunda maior saída líquida de bitcoin das exchanges de criptoativos neste ano.

🎢 Tombo especulativo. As ações da Tencent caíram 5,2%, a maior baixa em sete semanas, refletindo especulações de que a Prosus NV, seu maior acionista, pode acelerar a venda de ações da empresa. A acionista pretende depositar 96 milhões de ações adicionais no sistema de compensação de Hong Kong, o que poderia sinalizar aumento do ritmo de venda dos papéis da gigante chinesa da internet.

🐦 Retorno de anunciantes. Elon Musk disse que a maioria dos anunciantes que abandonaram o Twitter após ele comprar a rede social já retornaram. Em uma rara entrevista de quase duas horas à BBC, Musk disse que o Twitter está operando no ponto de equilíbrio e pode se tornar lucrativo ainda neste trimestre. Em documento apresentado ontem no tribunal da Califórnia, o Twitter já não existe mais como empresa independente e agora é parte da X Corp.

💵 Dívidas em foco. A China e o Banco Mundial discutem formas de reestruturar bilhões de dólares em dívidas mantidas por nações pobres que se tornaram insustentáveis com inflação alta e dólar forte. Segundo a Bloomberg, uma proposta em discussão prevê que o Banco Mundial faria empréstimos a juros baixos a países à beira da inadimplência, enquanto a China assumiria um cronograma para aliviar as dívidas.

Os mercados esta manhãdfd

🟢 As bolsas ontem (11/04): Dow Jones Industrials (+0,29%), S&P 500 (0,00%), Nasdaq Composite (-0,43%), Stoxx 600 (+0,62%), Ibovespa (+4,29%)

As transações no mercado acionário dos EUA mostraram cautela, com os operadores pouco propensos a risco antes de conhecer o IPC dos EUA. A expectativa em relação aos balanços bancários na sexta-feira reforçou o tom de prudência.

PUBLICIDADE

Saiba mais sobre o vaivém dos Mercados e se inscreva no After Hours, a newsletter vespertina da Bloomberg Línea com o resumo do fechamento dos mercados.

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

• EUA: IPC/Mar, Balanço Orçamentário Federal/Mar, Rendimento Real/Mar, Juros e Pedidos de Refinanciamento Hipotecários, Pedidos de Hipotecas-MBA, Índice de Compras-MBA, Estoques de Petróleo Bruto

• Europa: Reino Unido (Índice RICS de preços de Imóveis/Mar)

•Ásia: Japão (Massa Monetária/Mar, Compra de títulos Estrangeiros e Investimento estrageiro em ações)

PUBLICIDADE

• América Latina: Brasil (Vendas no Varejo/Mar, Confiança do Consumidor/Abr)

• Bancos centrais: Ata do FOMC, Discursos de Luis de Guindos, François Villeroy (BCE), Andrew Bailey (BoE)

🗓️ Os eventos de destaque na semana →

(Com informações da Bloomberg News)

Leia também:

PUBLICIDADE

Verde, de Stuhlberger, enxuga posição em bolsa e alerta para empresas endividadas

Mercado eleva aposta em corte de juros pelo BC após IPCA mais fraco

Bianca Ribeiro

Bianca Ribeiro

Jornalista especializada em economia e finanças, com passagem por redações e veículos focados em economia, como Valor Econômico, Agência Estado e Folha de S.Paulo.

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 13 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e fez um mestrado em Digital Business na ESADE.