Os motivos por trás da parceria da Uber com a Tembici na América Latina

Gigante global de transporte compartilhado já havia investido em bicicletas há cinco anos, em uma estratégia para reforçar o seu papel como app de mobilidade

Bicicletas da Tembici em São Paulo
05 de Abril, 2023 | 06:13 PM

Bloomberg Línea — A Tembici, empresa que opera o serviço de aluguel de bicicletas com o Itaú (ITUB4), fechou uma parceria com a Uber (UBER) para disponibilizar bicicletas compartilhadas no aplicativo da empresa na América Latina. Pelo acordo, a Tembici vai oferecer suas bicicletas comuns e elétricas.

LEIA +
O que quer a Kaszek após levantar quase US$ 1 bilhão para investir em startups

Por trás da inauguração de uma plataforma que oferece deslocamentos com emissão zero de carbono está o objetivo da Uber de se tornar uma plataforma mais abrangente de mobilidade que vai além do compartilhamento de carros e que também mira ter emissão zero até 2040.

Essa não é a primeira ofensiva da Uber em oferecer esse modal de transporte. Há cinco anos, a empresa comprou por estimados US$ 200 milhões a JUMP, uma startup de compartilhamento de bicicletas.

“Nós vemos o aplicativo Uber deixando de ser apenas sobre compartilhamento de carros para realmente ajudar o consumidor a ir do ponto A ao ponto B da maneira mais acessível, confiável e conveniente”, disse o CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, ao TechCrunch na ocasião. “E achamos que as e-bikes são um produto espetacularmente bom”, em referência ao negócio então acertado.

PUBLICIDADE

Dois anos depois, no entanto, a Uber desistiu do negócio em sua plataforma.

Desta vez, para a Bloomberg Línea, as empresas afirmaram que as bicicletas compartilhadas são modais “altamente eficientes para as cidades, porque além de não emitirem poluentes democratizam espaços públicos, solucionam a ocupação viária e incentivam o transporte aliado ao bem-estar”.

A Uber diz ter mais de 30 milhões de usuários na América Latina. Segundo a empresa, ao analisar os deslocamentos em grandes centros urbanos da região - como São Paulo, Buenos Aires e Bogotá -, 60% desses trajetos são até 5 quilômetros e podem ser realizados de bicicleta.

PUBLICIDADE

“Por isso o impacto tende a ser muito significativo tanto para usuários que passam a ter uma alternativa eficaz e econômica para seus trajetos, para Uber e Tembici em questão de negócio e para as cidades que se tornam mais sustentáveis e inteligentes”, disseram as empresas, em uma nota.

Segundo a Tembici, os deslocamentos com bicicletas compartilhadas da startup já economizaram potencialmente 39 mil toneladas de CO2, “o equivalente ao oxigênio limpo produzido por mais de 274 mil árvores”.

No ano passado, a Tembici, em parceria com a prefeitura do Rio de Janeiro, realizou um leilão de créditos de carbono com origem em deslocamentos por bicicleta na cidade. “O potencial de todos os projetos é 30 vezes maior que a primeira rodada, mostrando-se também em uma importante alavanca para negócios sustentáveis”, disse a startup.

As bicicletas da Tembici estarão disponíveis no aplicativo Uber inicialmente em Recife, e a iniciativa será expandida para Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. E depois para outras cidades da América Latina onde a Tembici atua.

A Uber divulgou uma receita global em fevereiro que superou as estimativas dos analistas, sugerindo que a inflação mais alta não impediu os consumidores de pedir mais comida por delivery ou fazer corridas.

A Moody’s recentemente citou “melhorias substanciais” na lucratividade e na geração de fluxo de caixa da Uber em relação ao ano passado, dizendo que espera que as melhorias na rentabilidade sustentem mais de US$ 2 bilhões em fluxo de caixa livre em 2023, conforme reportado pela Bloomberg News.

Já a Tembici, que ainda é uma empresa de capital fechado bancada por investimento de risco, teve uma receita total de cerca de US$ 33 milhões em 2021, segundo dados do PitchBook.

PUBLICIDADE

A Tembici captou um total de US$ 89,41 milhões em financiamento até o momento, segundo o PitchBook, incluindo US$ 80 milhões em capital de risco da Série C liderado pela Crescera Capital em setembro de 2021. A startup recentemente recebeu R$ 160 milhões (US$ 30,91 milhões) em um empréstimo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento).

A Tembici planeja finalizar 2023 com mais de 30 mil bicicletas na América Latina, incluindo mais de 10 mil bicicletas elétricas, seguindo seu propósito de oferecer aos usuários mais uma opção de transporte sustentável e eficiente.

- Com informações da Bloomberg News.

Leia também

Fundo soberano saudita tem presença ampla em VCs dos EUA, revelam documentos

Isabela  Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups