Negócios

Americanas planeja venda da Natural da Terra, Puket e Imaginarium

A varejista entregou na noite de segunda (20) o plano de reestruturação à Justiça e indica um aporte de R$ 10 bilhões a ser feito pelos principais acionistas

Após dois meses de recuperação judicial, a Americanas apresenta à Justiça o plano de reestruturação judicial, antes de fechar acordo com os principais bancos credores
20 de Março, 2023 | 07:49 PM

São Paulo — A primeira versão do plano de reestruturação da Americanas (AMER3), apresentado à Justiça nesta segunda-feira (20), prevê a venda de ativos como a Natural da Terra, o Grupo Uni.co (das redes Puket, Imaginarium e Love Brands), a VEM Conveniência e o jato da companhia.

O documento foi entregue à 4ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e indica ainda um aporte de R$ 10 bilhões a ser feito pelos principais acionistas, segundo fato relevante.

Próximo passo: o plano de reestruturação precisa ser aprovado pela maioria dos credores, em número absoluto de votantes e nos valores totais da dívida. A companhia tem 150 dias para convocar uma assembleia de credores para aprovar o plano.

LEIA +
Americanas: plano de recuperação virá antes de acordo com principais credores

A varejista entrou em processo de recuperação judicial (RJ) no último dia 19 de janeiro, após revelar um rombo de R$ 20 bilhões em sua contabilidade e declarar uma dívida total de R$ 43 bilhões.

PUBLICIDADE

São 9.654 credores, em diferentes classes, aguardando o desfecho do evento corporativo que agitou o pregão da B3 no primeiro trimestre. O acesso ao mercado de crédito privado ficou mais caro, com o sistema financeiro mais seletivo em emprestar recursos às varejistas.

@bloomberglineabrasil Plano de reestruturação da dívida da Americanas exige desistência de ações judiciais para credores terem opções com descontos e recebimento mais rápido #americanas #tiktoknoticias ♬ Cooking Time - Lux-Inspira

A companhia ainda não fechou um acordo com bancos credores, que apontaram a ocorrência de fraude nas “inconsistências contábeis”, expressão usada no fato relevante que expôs o caso na noite de 11 de janeiro.

Com cerca de 1.800 lojas e 44 mil funcionários, a Americanas, fundada em 1929, tem como acionistas de referência os bilionários Jorge Paulo Lemann, Carlos Alberto Sicupira e Marcel Telles, sócios da 3G Capital e fundadores da fabricante de bebidas Ambev (ABEV3).

PUBLICIDADE

A ação da Americanas fechou, nesta segunda-feira, em alta de 3,85%, cotada a R$ 1,08. Pela manhã, o papel chegou a alcançar a cotação máxima de R$ 1,22, com alta de 17,3%, com a expectativa do anúncio de um acordo com os bancos credores. AMER3 acumula baixa de 96% em 12 meses.

Ativos à venda

Entre os ativos que podem ser vendidos pela varejista está o Grupo Uni. co, que integra a Americanas desde 2021. É detentor das marcas Imaginarium, Puket, Casa MinD e Lovebrands. No final de 2022, o Grupo Uni. co tinha 418 lojas.

Já a VEM Conveniência foi anunciada, em fevereiro de 2022, como uma joint venture entre a Vibra (VBBR3) e Americanas, com uma rede de 1.257 lojas de conveniência com as bandeiras BR Mania e Local. No dia 23 de janeiro, a Vibra anunciou que estava desfazendo a sociedade com a varejista.

Em agosto de 2021, a Americanas comunicou a aquisição de 100% da HNT (Hortifruti Natural da Terra), dona de 73 lojas em quatro estados, por R$ 2,1 bilhões, um negócio concluído em novembro daquele ano. Após a RJ, a companhia chegou a negar, em comunicado, a intenção de vender a rede especializada em produtos frescos com foco em frutas, legumes e verduras.

LEIA +
SBF, dona da Centauro, fecha 10 lojas para cortar custos e melhorar margens

O Carrefour Brasil (CRFB3) poderia ter interesse na HNT. No mês passado, o então CFO da filial do grupo francês de hipermercados, David Murciano, considerou a rede de hortifrúti como “um ativo naturalmente no mesmo perímetro” do Carrefour, mas descartou fazer alguma oferta.

Além desses negócios, a Americanas possui um ecossistema de comércio eletrônico, afetando variadas cadeias de fornecedores e diversos segmentos do consumo, formado por Submarino, Shoptime, Ame, Skoob, Supermercados Now, Shipp, Bit Capital, Nexoos, Ads e Banco Parati (financeira), segundo o balanço do 3º trimestre de 2022.

Já o RAB (Registro Aeronáutico Brasileiro) aponta que a Americanas operava um jato bimotor Phenom 300 (modelo EMB-505), fabricado pela Embraer (EMBR3) em 2014. Com capacidade máxima para nove passageiros, a aeronave está com o CVA (Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade) suspenso devido ao vencimento no último dia 14 de março. Um Embraer Phenom 300, de 2014, é cotado em US$ 8,4 milhões no site de venda de aviões usados Controller.com

PUBLICIDADE

Para analistas, o Magazine Luiza (MGLU3), o Mercado Livre (MELI34) e a Via (VIIA3) podem ser os principais players beneficiados com a RJ da Americanas, mas avaliaram também que o cenário macroeconômico, marcado pela inflação e juros elevados, além das incertezas sobre a política fiscal do novo governo, pode limitar esses ganhos, já que o varejo em geral sofre com o menor poder de compra do consumidor e o maior endividamento das empresas.

(Atualiza às 21h15 com detalhes sobre os ativos e cenário do varejo)

Leia também

Amazon vai demitir 9.000 funcionários em nova rodada de cortes

PUBLICIDADE

Crise do varejo: Casas Bahia fecha loja na antiga sede do Mappin no centro de SP

Magazine Luiza investiga denúncia sobre bônus a fornecedores

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.