Sob pressão do ChatGPT, Google terá novas ferramentas de pesquisa e tradução

Empresa busca aprimorar serviços de pesquisa de imagens, de mapas e de tradução com o uso de machine learning e realidade aumentada

Empresa revela novas funcionalidades em três de seus principais pilares comerciais: motor de busca, mapas e tradutor
08 de Fevereiro, 2023 | 11:10 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg Línea - Barcelona, Espanha — Enquanto se prepara para lançar o Bard, o rival do ChatGPT na corrida da inteligência artificial (IA) conversacional, o Google aposta em novas funcionalidades para aprimorar três de seus principais pilares de negócios: o serviço de busca, de mapas e o tradutor. O gigante tech revelou as mudanças nas suas ferramentas em um evento em Paris nesta quarta-feira (8), transmitido online.

As alterações no buscador chegam em um momento crucial para a companhia que faz parte da holding Alphabet (GOOGL). O lançamento do ChatGPT, que recentemente recebeu um investimento de US$ 10 bilhões da Microsoft (MSFT), colocou a OpenAI na dianteira dos chatbots e levou outras empresas a anunciarem seus próprios sistemas.

Há um risco de que o Google venha a perder receitas com publicidade enquanto enfrenta a ameaça de novos concorrentes e tecnologias disruptivas. Hoje o Google tem a liderança absoluta no mercado de busca, com quase 84% de participação, ante menos de 9% do buscador Bing, da Microsoft, de acordo com dados de dezembro de 2022 compilados pela Statista.

Por enquanto, as novas funcionalidades do Google estão focadas nos seus serviços de pesquisa, mapas e tradução. Estas são as mudanças mais destacadas:

PUBLICIDADE

1. Multipesquisa: IA turbina o mecanismo com a ajuda do Google Lens

No evento desta quarta, o Google enfatizou que há muito tempo vem apostando na inteligência artificial para refinar os resultados de seu mecanismo de busca e torná-lo um processo “natural e intuitivo”.

Neste sentido, a empresa disse que vai reforçar sua ferramenta Lens, atualmente utilizada mais de 10 bilhões de vezes ao mês. Inicialmente divulgada em 2017, a Lens é uma aplicação que reconhece objetos usando a câmera do celular e que utiliza o Machine Learning (ML) para analisá-los.

Hoje, este recurso pode ser usado para pesquisar, a partir da câmera ou da galeria de fotos, diretamente na barra de busca. A atualização de agora se estende à tela do celular: o usuário poderá pesquisar fotos ou vídeos em sites e aplicativos, incluindo em mensagens instantâneas, sem precisar se dirigir à ferramenta de pesquisa. A funcionalidade estará disponível nos próximos meses para o sistema operacional Android, do Google.

”Digamos que seu amigo lhe envie uma mensagem com um vídeo dele explorando Paris. Se você quiser saber mais sobre algum ponto de referência em segundo plano, basta pressionar por mais tempo o botão de acender ou início de seu telefone Android, que ativa o Google Assistant. Depois, toca em ‘procurar tela’. A lente o identifica como Palais du Luxembourg e você pode clicar para saber mais”, explica Elizabeth Reid, vice-presidente da SearchGoogle, em um comunicado.

(Foto: Reprodução)dfd

2. Maps: Melhor experiência com visão imersiva e realidade aumentada

As atualizações incluem experiências imersivas graças à fusão de milhões de imagens aéreas e do Street View, assim como atualizações do Live View, de realidade aumentada. Novas ferramentas agora estarão disponíveis para os motoristas de veículos elétricos (VE).

Informações sobre o clima, tráfego e ocupação de um local serão refinadas com o uso de IA. “Suponha que esteja planejando uma visita ao Rijksmuseum em Amsterdã. Você pode sobrevoar o edifício e ver onde estão as entradas, por exemplo. Também pode ver qual o aspecto da região em diferentes momentos do dia, quando o lugar está mais lotado, como será o clima. Se você estiver com fome, pode baixar ao nível da rua para explorar restaurantes próximos e até mesmo dar uma olhada em seu interior para decidir se reserva ou não uma mesa”, diz Chris Phillips, vice-presidente e diretor geral de Geo.

O Immersive View estreia hoje em Londres, Los Angeles, Nova York, São Francisco e Tóquio. Nos próximos meses será lançado em outras cidades, incluindo Amsterdã, Dublin, Florença e Veneza.

PUBLICIDADE

Por outro lado, a pesquisa com o Live View contará com IA e a realidade aumentada para encontrar pontos no entorno em que se encontra o usuário, tais como caixas eletrônicos, restaurantes e parques. Basta levantar o celular na rua. A ferramenta permite descobrir informações como quando um lugar está aberto, se ele está cheio em um dado momento e as opiniões de clientes.

O serviço Search with Live View já está operacional em Londres, Los Angeles, Nova York, Paris, São Francisco e Tóquio. Nos próximos meses, entram na lista Barcelona, Dublin e Madri.

Os motoristas de veículos elétricos encontrarão novos recursos do Google Maps para carros que tenham o Google incorporado, tais como estações de recarga nos resultados de busca e sugestões de paradas para carregar baseadas em fatores como o tráfego atual, nível de carga e consumo de energia esperado.

3. Translate: Novos idiomas e traduções de imagens

O Google reforçou a capacidade de traduzir imagens em palavras, um recurso que estará disponível em telefones Android com mais de 6GB de RAM. “Também expandimos recentemente as opções de tradução de conteúdo web baseado em imagens, independentemente de como você pesquisa”, de acordo com a empresa.

Entre os novos recursos baseados em IA para o Google Translate, prometidos já para este mês, estão opções de tradução mais contextuais, com descrições e exemplos variados no idioma traduzido para evitar erros. “Este ano, continuaremos a experimentar experiências baseadas em IA na Translate para traduções mais rápidas, mais precisas e dinâmicas.”

Leia também

Inteligência artificial pode ser a mais nova modinha do mercado?

Os 5 desafios mais importantes de startups em novo ano com capital escasso

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 13 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e fez um mestrado em Digital Business na ESADE.