Negócios

Eletrobras: Wilson Ferreira volta como CEO e bancos apontam ganho potencial

Novo conselho de administração elegeu o executivo que comandou a estatal de 2016 a 2021 como novo CEO; posse será até 20 de setembro

Eletrobras foi privatizada em junho deste ano e, menos de dois meses depois, elegeu novo conselho de administração e novo CEO
06 de Agosto, 2022 | 10:55 am
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — O executivo Wilson Ferreira Júnior, que deixou o comando da Vibra Energia (VBBR3), ex-BR Distribuidora, no mês passado, será o novo CEO da Eletrobras (ELET3, ELET6), agora privatizada. Ele foi eleito pelo novo conselho de administração na noite de sexta-feira (5). A decisão do board marca o retorno do executivo ao cargo que ocupou por quase cinco anos, de julho de 2016 a março de 2021.

A escolha de Ferreira Junior era esperada no mercado. A posse será até 20 de setembro, segundo comunicado da companhia.

O novo conselho foi eleito também ontem em AGE (Assembleia Geral Extraordinária), com oito dos 10 membros tomando posse, com exceção de Carlos Augusto Leone Piani e Octavio Cortes Pereira Lopes, que terão o prazo de até 30 dias para se desincompatibilizar de outras funções para que possam assumir.

O novo conselho terá mandato uniforme até 2025, segundo aprovação também da AGE.

PUBLICIDADE

Bancos de investimento apontam que a nova gestão da Eletrobras, contando novo conselho e nova diretoria, potencializam a perspectiva de valorização - upside - das ações da companhia. Desde a venda do controle pelo governo federal, em junho, a alta do papel ordinário chega a quase 20%.

Ivan Monteiro, ex-presidente da Petrobras (PETR3, PETR4) e recém-nomeado chairman do Wealth & Investment Banking do Credit Suisse no Brasil, foi eleito presidente do conselho, enquanto o consultor Vicente Falconi será o seu substituto quando houver necessidade. Rodrigo Limp, o atual CEO até a posse de Ferreira, será o diretor de regulação e relações institucionais, cargo que ele acumula.

A eleição do novo conselho e do novo CEO era considerada uma etapa fundamental pelo mercado para a definição da nova estratégia da companhia para os próximos anos.

“Dado que a próxima eleição do board não ocorrerá até 2025, o novo board terá tempo para definir a estratégia para a companhia”, avaliou um relatório do Itaú BBA, divulgado no último dia 2, que já apontava o nome de Ferreira como o favorito para o cargo.

PUBLICIDADE

“A Eletrobras é nossa principal escolha no setor de utilities [setor de serviços públicos], baseada no seu imenso tamanho, no valuation muito atrativo, na forte geração de caixa e na capacidade de pagar dividendos muito elevados no médio prazo”, apontaram analistas no relatório.

Catalisadores de valor

Já o banco norte-americano Goldman Sachs manteve sua recomendação de compra para o papel da Eletrobras, elevando o preço-alvo de R$ 46 e 51 (ELET3 e ELET6, respectivamente) para R$ 61 e 67, segundo relatório divulgado no último dia 2. A instituição explicou ter atualizado seu modelo para a Eletrobras para incorporar benefícios que enxerga após a privatização da companhia.

O desempenho da ação deve também se beneficiar do momento positivo no curto prazo, enquanto os próximos passos depois da capitalização devem atuar como catalisadores, enquanto a otimização de capital poderia levar ao pagamento de dividendos elevados”, comentou o Goldman Sachs.

O BTG Pactual também incluiu a ação da Eletrobras (ELET6) em sua carteira recomendada de 10 papéis para o mês de agosto, incluindo também Vibra, Petrobras (PETR4), WEG (WEGE3), Banco do Brasil (BBAS3), Localiza (RENT3), Sabesp (SBSP3), Renner (LREN3), Totvs (TOTS3) e Minerva (BEEF3).

“Com a Eletrobras agora uma sociedade anônima e com o iminente retorno do conceituado Wilson Ferreira como CEO não faltam oportunidades para melhorar a eficiência operacional e os resultados. A ELET também é negociada a uma TIR [Taxa Interna de Retorno] real atrativa de 12,8%”, destacou a equipe do BTG.

Leia também

Petrobras reforça operação da rival 3R Petroleum com nova venda de ativos

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE