Negócios

Petrobras reforça operação da rival 3R Petroleum com nova venda de ativos

Negócios envolvem campos terrestres no Ceará e ativos localizados na Bacia Potiguar; estatal já havia vendido refinaria Lubnor em maio

Petrobras mantém ritmo de vendas do seu plano estratégico para se concentrar na exploração do pré-sal
06 de Agosto, 2022 | 09:38 am
Tempo de leitura: 3 minutos

São Paulo — A Petrobras (PETR3, PETR4) deu mais um passo em seu plano de desinvestimentos e concluiu a venda de suas participações em campos terrestres no Ceará para a 3R Petroleum (RRRP3), conforme comunicado divulgado na noite desta sexta-feira (5). A operação foi concluída com o pagamento à vista de US$ 4,6 milhões para a estatal de capital misto.

A venda de participações da Petrobras em campos terrestres e em alguns em alto-mar nos últimos anos atende a uma estratégia de concentrar investimentos no pré-sal, o que tem alimentado, por outro lado, o crescimento de negócios de empresas petrolíferas com atuação mais segmentado, caso da 3R e da PetroRecôncavo (RECV3), como mostrou reportagem da Bloomberg News.

“O valor recebido hoje se soma ao montante de US$ 8,8 milhões pagos à Petrobras na data da assinatura do contrato de compra e venda. Além desse montante, a companhia ainda receberá US$ 10 milhões, no prazo de um ano após o fechamento da operação, o qual será corrigido com base nas condições previstas no contrato de compra e venda”, informou a companhia.

O negócio envolve ativos localizados na Bacia Potiguar, no estado do Ceará, denominados Polo Fazenda Belém” (campos terrestres de Fazenda Belém e Icapuí). O comprador é a 3R Fazenda Belém S.A., anteriormente denominada SPE Fazenda Belém S.A., subsidiária integral da 3R Petroleum.

PUBLICIDADE

A Petrobras era detentora de 100% de participação dos campos terrestres de Fazenda Belém e Icapuí e diz que a produção média do Polo foi de aproximadamente 575 barris de óleo por dia (bpd), de janeiro a julho deste ano.

“Essa operação está alinhada à estratégia de gestão de portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à maximização de valor e maior retorno à sociedade. A Petrobras segue concentrando os seus recursos em ativos em águas profundas e ultraprofundas, onde tem demonstrado grande diferencial competitivo ao longo dos anos”, comentou a estatal.

Refinaria Lubnor

A Petrobras tem vendido outros ativos no Ceará. No dia 25 de maio, assinou a venda da refinaria Lubnor (Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste) e seus ativos logísticos para o grupo Greca Asfaltos, dono de uma das maiores empresas especialistas em asfalto no Brasil atuando na produção e na comercialização de produtos destinados à pavimentação asfáltica. O grupo também atua nos mercados de logística, shopping center, concessão rodoviária, soluções financeiras, entre outros.

Segundo informou a estatal na época, o valor total da venda foi de US$ 34 milhões, sendo US$ 3,4 milhões pagos no dia 25 de maio; US$ 9,6 milhões a serem pagos no fechamento da transação e US$ 21 milhões em pagamentos diferidos. A operação ainda depende da aprovação pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

PUBLICIDADE

A Lubnor foi o quarto ativo a ter o contrato de compra e venda assinado no âmbito do compromisso firmado pela Petrobras com o Cade em junho de 2019 para a abertura do mercado de refino no Brasil.

Clovis Fernando Greca, sócio administrador do consórcio comprador da Lubnor, comentou, na época, que o crescimento no número de empresas participantes do mercado de refino proporcionará o aumento na competitividade e diversidade de players.

A Lubnor, localizada em Fortaleza, capital do Ceará, possui capacidade de processamento autorizada de 10,4 mil barris/dia e é uma das líderes nacionais em produção de asfalto e a única unidade de refino no país a produzir lubrificantes naftênicos, segundo a Petrobras.

Justiça

O plano de desinvestimentos da Petrobras às vezes é alvo de contestações judiciais. A venda da Lubnor levou a FUP (Federação Única dos Petroleiros) a acionar a justiça contra o negócio, alegando que o valor da transações (US$ 34 milhões) estaria 55% abaixo da estimativa de valor de mercado.

A Prefeitura de Fortaleza também questionou o fato de que 30% da área do terreno onde se localiza a Lubnor pertence ao município, mas que não teria sido previamente informada da transação pela gestão da Petrobras.

Em outubro passado, a venda da refinaria de Manaus (AM) para o grupo ATEM também virou caso judicial, com sindicato argumentando que o valor (R$ 189,5 milhões) teria sido 70% abaixo do valor justo.

PUBLICIDADE

O comando da Petrobras espera fechar a venda de novos ativos nos próximos meses. No último dia 29 de julho, ao comentar o balanço trimestral em teleconferência, a administração da estatal indicou que há interessados no processo de venda de três de suas principais refinarias (Abreu e Lima, em Pernambuco, Repar, no Paraná, e Repar, no Rio Grande do Sul).

O grupo Ultra já teria demonstrado interesse pela compra da refinaria gaúcha, mas a companhia não comenta o assunto publicamente.

Leia também

Petrobras privatizada? Espere pelo menos três anos, diz ministro de Bolsonaro

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE