Analistas se dividem sobre possível fim de ciclo após comunicado do Copom

Entre apostas de fim de ciclo e de altas mais leves na próxima reunião, especialistas analisam sinalizações do texto do Banco Central

Novo estímulo fiscal deve postergar a parada dos juros, defende ex-diretor do BC
Por Josue Leonel e Maria Eloisa Capurro e Felipe Saturnino
04 de Agosto, 2022 | 07:18 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O Banco Central decidiu por elevar a taxa Selic em 0,50pp, para 13,75% ao ano, e indicou que irá avaliar a necessidade de novo ajuste de menor magnitude na próxima reunião, em setembro. Para os economistas, o Copom deixou a porta aberta para encerrar o ciclo de aperto com uma alta de 0,25 ponto percentual no próximo mês.

A principal novidade do comunicado foi a mudança no horizonte relevante: o BC passou a enfatizar a inflação acumulada em doze meses no primeiro trimestre de 2024, estimada em 3,5%, abaixo dos 4,6% previstos para o final de 2023.

Dessa forma, o Copom suaviza os efeitos diretos das desonerações tributárias feitas pelo governo.

A decisão foi ao encontro da precificação da curva de juros. Operadores financeiros vinham inclusive reduzindo as apostas em aperto adicional ao longo dos últimos pregões.

PUBLICIDADE

O comitê reforçou, ainda, que é apropriado que o aperto siga avançando “significativamente em território ainda mais contracionista” e que irá perseverar em sua estratégia até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas.

O que dizem os analistas:

Alberto Ramos, economista-chefe para América Latina do Goldman Sachs

  • "Copom jogou no campo seguro, mantendo-se conservador"
  • Para a reunião de setembro deu sinalização explícita e inequívoca para uma alta residual de menor magnitude (leia +0,25pp)
  • Setembro provavelmente marcará o fim do longo ciclo com uma Selic em 14,0% altamente restritiva
  • "Esperamos que o Copom espere até o final do segundo semestre de 2023, ou possivelmente do terceiro trimestre de 2023, para começar a cortar a taxa"

Fabio Kanczuk, ex-diretor do BC e chefe de Macroeconomia da Asa Investments

  • Vê alta de 0,25 pp em setembro
  • "Meu cenário não mudou, de que vai continuar inflação alta e atividade alta"
  • "Eles estão vendo também um mercado de trabalho ainda forte, aquecido e sem sinais da politica monetária afetando a atividade"
  • Novo estímulo fiscal deve postergar a parada dos juros

Gustavo Pessoa, gestor da Legacy

PUBLICIDADE
  • "Copom sinalizou intenção de acabar o ciclo. Deixou a barra alta para, caso as coisas piorem, subir 25 bps"
  • "Sinalização do BC foi bem em linha com o que o mercado espera. Caminhando para encerrar o ciclo"
  • "Cenário recessivo global dá conforto para BC caminhar para parar. Commodities estão arrefecendo bastante, então as últimas notícias têm sido boas para a inflação"

Fernando Gonçalves, superintendente de pesquisa econômica do Itaú Unibanco

  • BC termina o ciclo de juros em 13,75% se não houver piora de expectativas
  • Copom não fechou completamente a porta, poderia haver mais uma alta de 0,25pp, mas não parece ser o cenário base
    • BC diz que consegue influenciar nesse horizonte, dada a defasagem da política monetária

Tatiana Nogueira, economista da XP

  • "Embora reconhecendo o risco de uma alta final da taxa em setembro, mantemos a expectativa de que a taxa Selic se mantenha inalterada em 13,75% até meados de 2023"
  • "Não acreditamos que esse patamar seja suficiente para trazer o IPCA para a meta no próximo ano, mas certamente ajudará a aumentar a probabilidade de um IPCA dentro da meta em 2024"

José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator

  • "Quanto à reação do mercado, se BC disse que talvez tenha mais alta, mercado vai achar que tem mais"
  • "Depois de muito tempo não falaram de surpresa negativa na inflação. Foram usadas algumas descrições menos ruins, ou mais benignas. Isso dá um contorno geral que ajuda a sinalizar que ciclo acaba na próxima reunião"
  • Banco Central foi mais otimista ao tratar das incertezas em jogo
  • Fator espera Selic em 14% no fim do ciclo

Marco Caruso, economista-chefe do Banco Original

  • "Minha sensação é de que o cenário básico do Copom é de não fazer nada em setembro, sendo a alta de hoje a última do ciclo"
  • "Principal sinalização foi o Copom começar a colocar 2024 no horizonte relevante, com a inflação projetada abaixo do centro da meta, já incorporando os efeitos fiscais das últimas medidas que o governo trouxe e que são inflacionárias"

Gino Olivares, economista-chefe da Azimut Brasil Wealth Management

  • "Novidade foi olhar projeção de inflação em 12 meses até primeiro trimestre de 2024"
  • "Essa projeção estaria em 3,5% e com isso ele está sinalizando que a inflação nas contas do BC cairia de 4,6% no final de 2023 para 3,5% no primeiro trimestre de 2024"
  • "Medidas apenas atrasam um pouco a convergência de metas que o BC já está enxergando"

Debora Nogueira, economista-chefe da Tenax Capital

PUBLICIDADE
  • "Copom subiu a taxa Selic em 0,50pp como o esperado, e a sinalização foi de ajuste adicional de 0,25pp na próxima reunião"
  • Mudança de foco do horizonte relevante, ao destacar que a inflação acumulada até o primeiro trimestre de 2023 de 3,5%, se encaixa no quesito "em torno da meta" e viabilizará a parada dos juros após a reunião de setembro
  • Ciclo deve se encerrar em 14,0% e Selic deve ficar parada até, pelo menos, o terceiro trimestre de 2023

Mirella Hirakawa, economista AZ Quest

  • Principal mudança da comunicação é que BC opta por neste momento olhar horizonte acumulado de seis trimestres à frente, que seria 12 meses acumulados até primeiro trimestre de 2024
  • Deixa a porta completamente aberta para uma alta adicional de 0,25pp ou manutenção
  • Economista vê mais uma alta adicional de 0,25pp em setembro e ciclo fechando em 14%

Brendan McKenna, estrategista do Wells Fargo

  • Projeção atualizada é de 14% para o final deste ano; vê declaração mais no lado hawkish
  • Embora a inflação tenha dado sinais de moderação, o comitê ainda parece preocupado com a trajetória das expectativas
  • BC tenta dizer que os efeitos das medidas tributárias recentes são temporários e vão distorcer os dados de inflação nos próximos trimestres
  • Ao mesmo tempo, porém, ainda tomará medidas agora para conter as expectativas de inflação, especialmente se a política fiscal for consistente com essas expectativas de inflação se tornando desancoradas

Rafaela Vitória, economista-chefe do Banco Inter

  • “Copom não fechou as portas para uma nova alta na próxima reunião”
  • “Nova alta residual de 0,25pp em setembro não deve ser descartada nesse momento”
  • No balanço de riscos, pesa ainda as incertezas sobre potenciais medidas fiscais em 2023 que possam causar novas pressões inflacionárias

Laiz Carvalho, economista para Brasil do BNP Paribas

PUBLICIDADE
  • BC um pouco mais dovish do que o esperado
  • Condições da economia, principalmente das expectativas de inflação, vão impedir o Banco Central de parar neste momento
  • “Cenário e as expectativas de inflação vão acabar se impondo a essas sinalizações de que o Banco Central vai parar. Ele vai ter que continuar subindo”
  • Vê Selic final em 14,25% em 2022
  • Banco Central inicia o processo de cortes no segundo semestre do ano que vem, terminando a Selic em 12%

Álvaro Frasson, economista do BTG Pactual

  • “Quando o BC vocaliza que vai avaliar a necessidade de um ajuste residual, ele fecha a porta para outubro e deixa entre 0 e 25 pbs para setembro”
  • “É dovish não só por cortar essa possibilidade, mas também porque o BC fez isso em um ambiente onde a expectativa de inflação é ascendente, bem acima da meta”

Ivo Chermont, economista-chefe da Quantitas

  • “BC foi mais dove do que eu esperava”, deixou mercado em dúvida entre zero e 0,25pp
  • BC passou a avaliar a inflação 12 meses entre março 2023 e março 2024, em razão das medidas de combustíveis, “que foi uma espécie de malabarismo e achou inflação de 3,5%”
  • “Isso contribui para achar que vai ter mais 0,25pp em setembro”
  • Na reunião de setembro, essa projeção de 12 meses provavelmente vai estar mais perto de 3,60%, 3,70%, se afastando ainda mais da meta

Mauricio Oreng, Santander

  • Revisa Selic final de 14,25% para 14%
  • Alta adicional de 0,25pp é dependente de dados

Roberto Secemski e Juan Prada, Barclays

PUBLICIDADE
  • Mantêm Selic terminal em 13,75%, mas buscarão detalhes na ata, que sai no mesmo dia do IPCA de julho
  • 0,25pp adicional em setembro depende das expectativas de inflação até lá

Atualiza com novos comentários de analistas

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Inflação seguirá pressionada com qualquer desfecho eleitoral, diz Arida

PUBLICIDADE